ELÉTRICAS – QUE HÁ DE NOVO?

By on 9 Maio, 2019

Os veículos elétricos há muito saíram do reino da ficção científica e quase a cada dia vemos novas propostas, em protótipo na sua maioria, ser anunciadas. Assim, pode ser surpreendente descobrir que a primeira patente de uma motocicleta elétrica foi lançada na década de 1890, mas só recentemente a necessidade e novas tecnologias permitiram emparelhar sonho e realidade.

Os números exatos de vendas globais são difíceis de definir, mas num momento em que as vendas de motocicletas diminuem em vários segmentos, não nos deve surpreender se as elétricas ainda são um produto de nicho. Estatísticas para França, por exemplo, indicam que que se venderam 194 motos elétricas em 2016, e em 2017 a KTM admitiu que vendeu apenas 3.000 da sua Enduro. No entanto, as estatísticas preveem que cerca de 55 milhões de motocicletas elétricas e scooters serão vendidas globalmente até 2024.

A Energica EGO1 por sua vez, vem de Itália

As motocicletas elétricas oferecem muitas vantagens. Além dos benefícios ambientais, os motores elétricos são incrivelmente eficientes. Toda a aceleração através da fixa de utilização é tratada diretamente pelo motor, o que significa que não há necessidade de uma caixa de velocidades ou embraiagem –menos peso, complicação e custos. E enquanto a falta de ruído do motor pode ser desconcertante para os puristas, atualmente pistas por todo o mundo atraem número recorde de reclamações de pessoas que não têm a paixão das duas rodas e passam muito bem sem barulho. Segue que veículos movidos a eletricidade poderão ser o futuro dos desportos motorizados que precisam de coexistir com o público.

Fundamentalmente, isso significa que, como as scooters, as motos elétricas são atualmente mais adequadas para determinadas situações. Eles são as viajantes urbanas ideais – a natureza de pára-arranca das viagens urbanas ajuda a energia das baterias a recuperar, aumentando a autonomia. O consumo de energia é nulo quando imóvel e muito menor do que um motor de combustão interna em marcha lenta, e se as motos forem equipadas com travagem regenerativa, pequenas quantidades de energia podem ser recarregadas prolongando a autonomia.

Ainda há, no entanto, muita incerteza e confusão sobre as regras e restrições relacionadas com motos elétricas, ciclomotores e bicicletas – especialmente em relação aos modelos de baixa potência. Em princípio, é preciso ter carta de condução para guiar qualquer coisa que não tenha pedais e seja mais rápida que 25 Km/H. Então, como está o mercado real?

A Zero S é Americana e está em plena produção

Zero

A Zero, que são indiscutivelmente os líderes do mercado global e, provavelmente, a melhor aposta para quem não seja milionário, continuam a melhorar e expandir a sua gama de motos.

Na verdade, eles expandiram de apenas um modelo em 2006 para oito modelos construídos em duas plataformas. Divididos em projetos de estrada e todo-terreno, a Zero tem uma das maiores gamas elétricas de qualquer fabricante. Os destaques incluem a Zero S, lançada em meados de 2017, uma moto urbana estilo streetfighter com uma autonomia de 320 Km por carga.

O modelo tem metade da autonomia da DS normal, mas uma bateria menor, o que não só ajuda a torná-la mais manobrável, mas também permite que seja conduzida por pessoas com carta de 125s. É claro que uma moto para iniciados por cerca de 12.000 Euros limita, digamos assim, o mercado de vendas.

A Zero até oferece modelos projetados tendo em mente as necessidades da polícia e das forças armadas.

Além disso, melhoraram recentemente a oferta, agora com tempos de carregamento mais curtos e baterias mais potentes por um preço menor. O acréscimo de 10% na autonomia por menos custo é ótimo, embora alguém que tenha comprado uma o ano passado poderá ficar um pouco irritado.

Energica

A Energica também ganhou força, com a Ego a tornar-se na primeira moto de produção elétrica a competir na corrida da Ilha de Man TT Zero. A sua moto de corrida de MotoE também entrou em cinco rondas da MotoGP em 2018, e em 2019 parece mesmo pronta para ser pilotada por alguns ex-pilotos de MotoGP.

Os dois modelos originais do primeiro fabricante italiano de motos elétricas são a Eva, uma moto de estilo streetfighter e a desportiva Ego, que é capaz de voar a 150 km/h. Obviamente, esta velocidade terá um efeito na autonomia, e só pode percorrer 145 Km a 80 Km/h com uma carga – descendo para 100 Km a 100 Km/h.

A mais recente adição ao seu estábulo de máquinas de alta qualidade é a Eva EsseEsse 9, em homenagem à estrada italiana originalmente construída pelos romanos que passa pelo que hoje é conhecido como o Vale dos Motores. Os toques de estilo retro ajudam-na a destacar-se de outras motos elétricas.

Vendida por quase 20.000 Euros, não é nenhuma surpresa que a Energica só planeasse fazer 400 unidades em 2018. A esperança é que, com o tempo e economias de escala, os preços caiam com novos avanços na tecnologia, especialmente no preço das baterias.

O mais recente projeto da marca, chamado Smart Ride, é uma colaboração com a Samsung. Ligando a tecnologia da Samsung com a moto, eles esperam conseguir uma experiência de pilotagem inovadora, além de garantir níveis mais altos de segurança nas estradas.

A Super Soco ainda parece um protótipo por acabar

Super Soco

Esta empresa afirma ser a número um do Reino Unido em venda de elétricas – a Super Soco. A Super Soco TS custa cerca de 4.000 Euros mas falta alguma da sofisticação de acabamentos que as suas primas mais caras exibem – a carroçaria é principalmente de plástico e a velocidade máxima é de apenas 30 km/h. Mas, para quem está a considerar um ciclomotor elétrico ou uma scooter para andar pela cidade, é obviamente uma opção. A marca também lançou um modelo um pouco mais elegante, a Super Soco TC, no final de 2018, com um terceiro modelo – a Super Soco CUX, pronta para ser lançada num futuro não muito distante.

O que há de novo?

Houve um influxo repentino de novos fabricantes, em grande parte impulsionados pela China, que tem mais de 3.000 fábricas (leram bem!) a produzir baterias e está investir pesadamente em veículos elétricos, ao mesmo tempo que desencoraja o desenvolvimento de motores de combustão interna. No entanto, o foco é principalmente em carros, já que a China não tem a mesma cultura da moto que outros países.

Evoke

A Evoke é um desses fabricantes Chineses. Apontam para o mesmo tipo de mercado que a Zero e Energica, mas são um pouco mais meigos nas finanças. A Urban S, com design moderno e autonomia de 120 Km, está disponível por cerca de 9.000 Euros, o que significa que já se pode obter um VE com um orçamento modesto.

(continua)

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!