Rumores sobre o interesse da KTM na Ducati

By on 12 Dezembro, 2018

O Director Geral da KTM, Stefan Pierer, comentou numa entrevista recente o seu interesse pela Ducati e a sua relação próxima com a marca italiana que, segundo o mesmo, poderia ser muito positiva a aquisição da marca italiana pelo grupo austríaco.

Depois de alguns anos em que se afirmava que a Ducati seria possivelmente adquirida pela Audi eis que é a agora a KTM,  em face das declarações de Stefan Pierer que manifesta o seu interesse na marca italiana com aproximações e afirmações de que “a Ducati é a Ferrari das marcas de motos”.

Numa entrevista realizada a Pierer sobre temas desportivos realizada pela Speedweek em que se comentaram os excelentes resultados obtidos pela KTM nas várias modalidades desportivas, Pierer comentou que a KTM foi comprada em 1992, totalmente falida, com 150 colaboradores e vendas de 6.000 motos anos e neste momento são mais de 5.000 colaboradores e vendem mais de 265.000 motos ano, contando com Husqvarna que foi comprada entretanto ao Grupo BMW. E tudo isto sem contar com a marca de suspensões WP onde trabalham mais 500 colaboradores.

No curto prazo a KTM está concentrada na comercialização do seu novo modelo 790 Adventure da qual pretendem vender 15.000 unidades em 2019. Também sobre a possibilidade de expansão do negócio para outras plataformas e segmentos com motores de mais de 1 e 2 cilindros Pierer descartou a intenção de desenvolver um 3 cilindros pois esse é um segmento que a Triumph está a trabalhar e onde não pensa competir.

Já no que toca a motores de 4 cilindros Pierer confessa que é apaixonado pela marca Ducati e que neste momento seria a única marca interessante para fazer parte do Grupo KTM, sobretudo agora com o novo motor V4. Mais do que adquirir a marca italiana seria interessante para já desenvolverem-se projectos em conjunto dentro de um espírito de que “juntos seríamos mais fortes”.

 

Sobre um possível negócio de venda da Ducati à KTM é preciso lembrar que o Grupo Volkswagen pagou 740 milhões pela marca italiana, mas neste momento o Grupo alemão talvez esteja mais concentrado no desenvolvimento de tecnologia relacionada com a mobilidade eléctrica e menos interessado numa marca de motos, comentou Pierer.

Se todo este discurso de “namoro” acabará numa relação de facto ou não passará de uma tentativa de sedução, só o tempo o dirá… vamos estar atentos.

 

 

 

 

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!