Europa faz um acordo para a produção de baterias

By on 12 Abril, 2022

A França e Alemanha iniciaram uma política industrial comum em torno das baterias. Um projeto criado para combater o estrangulamento asiático no segmento. As duas primeiras células de bateria já foram produzidas numa fábrica-piloto.

A mobilidade elétrica vai de vento em popa, com muitos países da União Europeia apostados na energia elétrica para o futuro dos transportes, nomeadamente para fazer face às reduções significativas de emissões de CO2 impostas até 2030. Mas a ascensão dos veículos elétricos envolve inevitavelmente o desenvolvimento de baterias. O problema é que estas últimas são desenvolvidas principalmente na Ásia e mais particularmente na China , Coreia do Sul e Japão. Para contrariar este monopólio, um projeto de política industrial europeia foi proposto há algum tempo. A França e a Alemanha deram o primeiro passo para o que designam como o “Airbus da bateria”, concordando com a abordagem a ser adotada.

“Os governos alemão e francês, em cooperação com a Comissão Europeia, desenvolverão uma abordagem estratégica para estabelecer uma célula industrial de produção de baterias na Europa. Este acordo é um verdadeiro avanço. Se não unirmos os nossos esforços, a Europa deixará de produzir baterias amanhã.” Disse na ocasião Bruno Le Maire , Ministro da Economia francês. “Ou tomamos as decisões necessárias para nos tornarmos uma potência industrial com todos os meios financeiros e tecnológicos necessários, ou nos tornaremos dependentes de outros continentes, principalmente da China e dos Estados Unidos.”

O acordo assinado pelo ministro francês e pelo seu homólogo alemão Peter Altmaier prevê nomeadamente que a Alemanha destine mil milhões de euros ao projeto até 2022.

Bateria ‘Airbus’ inicia produção

Para reduzir a dependência da Europa em relação aos países asiáticos na produção de baterias para veículos elétricos, Alemanha e França iniciaram um projeto industrial conjunto, apelidado de “ o Airbus das baterias ” que se concretizou no início de 2020 com o estabelecimento da joint venture “Automotive Cell Company ” ou ACC. Nascida da união da Saft, uma subsidiária da TotalEnergies e do grupo Stellantis (PSA/Opel), a Automotive Cells Company passou a integrar a Mercedes-Benz. No outono passado, a ACC inaugurou o seu centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Bruges, perto de Bordéus.

Este centro acaba de ser colocado em uso, porque a Automotive Cells Company produziu oficialmente suas duas primeiras células de bateria no seu local de produção-piloto baseado em Nersac. As duas células foram enviadas para Bruges para serem testadas a fim de validar a montagem e a produção realizada em Nersac. Os primeiros resultados foram promissores.

A primeira fábrica será inaugurada em Hauts-de-France e será acompanhada por uma segunda fábrica na Alemanha no futuro. Em última análise, a ACC estabeleceu como meta atingir uma capacidade de produção de 120 GWh até 2030 para produzir mais de 2,5 milhões de baterias por ano.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments