História: APE (1948-2021): 72 anos de uma história italiana

By on 18 Maio, 2021

Hoje proliferam Tuku-Tukus, vários modelos de três rodas, mas tudo nasceu com a Ape. Setenta anos de sucesso, de encanto único, de um veículo famoso em todo o mundo com versatilidade inigualável. Nenhum veículo comercial pode vangloriar-se de tamanho historial. Um veículo de três rodas que sempre acompanhou os tempos, transportando uma Itália funcional.

1ª Parte – Da criação às primeiras evoluções

1948

Ape A 1949

A Constituição da República Italiana entra em vigor e Luigi Einaudi é eleito Presidente a 11 de Maio. Gino Bartali vence o Tour de France pela segunda vez, Torino vence o campeonato italiano de futebol, e os Jogos Olímpicos de Londres vêem vitórias para Zatopek e Consolini. Os Óscares vão para o filme “Ladrões de Bicicletas” de Vittorio De Sica, Hamlet e Laurence Olivier.

Os livros publicados incluem House of Liars de Elsa Morante, Don Camillo de Giovanni Guareschi, The Naked and the Dead de Norman Mailer, e The Young Lions de Irwin Shaw. As novas invenções incluem o disco LP, o transístor, e a cibernética. O rendimento anual per capita dos italianos é de 139.152 liras.

O número de scooters Vespa nas ruas continua a aumentar em Itália e em toda a Europa. A produção de Piaggio salta para 19,822, um grande pico em comparação com as 2,464 scooters produzidas quando a Vespa foi lançada em 1946. A economia italiana está a recuperar arduamente, e a indústria, o comércio e as empresas artesanais estão de novo a recuperar. As mercadorias são transportadas utilizando grandes camiões que claramente derivam de veículos militares, veículos comerciais convencionais de quatro rodas ou carrinhas de três rodas que são pesados e lentos; na cidade, os triciclos a pedal e os carrinhos de mão são predominantes.

Ape A 1949

Tal como com a Vespa, a observação cuidadosa das necessidades diárias inspira Enrico Piaggio e Corradino D’Ascanio a criar um novo produto. Ao tirarem uma costela metafórica da Vespa, criam o Símio, que é posto à venda pela primeira vez em 1948. “O “Ape” moto-van está destinado a um grande sucesso – escreve a revista italiana Motociclismo – é uma máquina extraordinariamente moderna, com um preço muito baixo e baixo consumo de combustível, tornando-a acessível mesmo para os negócios mais pequenos, mas concebida sem falsa economia de acordo com os critérios mais racionais tanto em termos de função como de construção”.

A primeira Ape mantém todas as características fundamentais da Vespa – embora numa estrutura de três rodas – bem como a secção frontal, claro, e o motor de 125cc que, a partir de 1948, equiparia também a scooter Piaggio, originalmente apresentada com um motor de 98cc. A etiqueta de preço é de 170.000 liras.

Nas palavras do brilhante engenheiro aeronáutico D’Ascanio, que criou tanto a Vespa como o Ape: “O nosso objectivo era preencher a lacuna no mercado dos transportes utilitários na era imediata do pós-guerra, oferecendo uma pequena carrinha de três rodas motorizada que era barata para comprar e servir, fácil de conduzir, ágil mesmo no tráfego urbano mais movimentado e, acima de tudo, uma solução adequada, rápida e viável para a entrega ao domicílio de mercadorias compradas nas lojas.”

Os primeiros a beneficiar directamente do novo veículo nestes primeiros dias são os pequenos e médios retalhistas, o público alvo quando se trata da campanha inicial de publicidade do Ape: “O Ape contribui para acelerar o ritmo do comércio e das vendas, desenvolvendo, por assim dizer, a quantidade de tráfego para uma loja e criando uma ligação bem-vinda com o cliente”. O sucesso desta ideia brilhantemente intuitiva é espantoso. Os enxames de veículos Ape (“ape” significa abelha em italiano) começam a zumbir em torno de uma Itália que ainda vive “a preto e branco”, o nome da empresa fornecido – em belo roteiro – na caixa de carga.

1952. A primeira evolução

Ape C Piannale

No Verão de 1952, a potência é aumentada – o tamanho do motor da Ape passa de 125 para 150cc – com a capacidade a aumentar em conformidade, apenas 200 kg até esse ponto. A próxima coisa a mudar é o convés, feito de aço em 1954.

Ape C de passageiros 1956
Ape C Furgão de 1956

Uma vez concluídas todas estas actualizações, um novo modelo faz a sua estreia, o Ape C, um minúsculo camião que pode transportar até 350 kg. O lançamento deste novo Ape é acompanhado por uma impressionante campanha publicitária, com milhões de panfletos impressos em cinco línguas e uma importante iniciativa promocional realizada em concessionários. O boom económico italiano está a bater à porta.

De 1958 a 1968 As dimensões aumentam, assim como os equipamentos, apresentando uma Ape com … cinco rodas!

O mundo das Ape está em evolução contínua. 1958 vê o nascimento da Ape D, com dimensões aumentadas, uma cabina completa com portas, um farol montado na frente da cabina em vez do guarda-lamas e motor de 170 cc. Com conteúdo engenhoso e praticidade revolucionária, este veículo de três rodas torna-se universalmente sinônimo de transporte comercial leve. A Ape está agora desenvolvendo uma imagem firmemente estabelecida e, aproveitando a onda das tendências sociais e culturais da época, a Piaggio cunhou o slogan “Ape, o veículo que o ajuda a ganhar dinheiro”.

A evolução técnica do Ape continua: em 1961, Ape dá o “salto” às cinco rodas com o modelo Pentarò, um veículo original com uma carga útil significativa (700 kg), que segue o exemplo dos camiões maiores. 1966 pertence ao Ape MP, cuja cabine pretende oferecer ao motorista (e eventual passageiro) um maior conforto, semelhante ao das carrinhas automóveis.

O motor de dois tempos é aumentado para 190 cc, mas mais importante, uma série de novas soluções técnicas e de design são introduzidas para tornar o Macaco ainda mais funcional do que nunca. O motor é instalado na parte traseira em estrutura de “trenó” e a transmissão por corrente é substituída por semi-eixos que acionam diretamente as rodas traseiras, agora suspensas por braços de aço prensado, elementos de mola de borracha e amortecedores hidráulicos. Em 1968, o volante faz sua estreia no Ape MPV como opcional, uma alternativa ao guiador tipo scooter padrão.

1969. Nasce o “Apino”: um verdadeiro veículo comercial com um minúsculo motor de 50 cc

Outra importante adição à família chega apenas um ano depois, em 1969. A Piaggio apresenta a Ape 50, um evento marcante por si só, pois é o primeiro modelo da gama Ape a ser classificado como scooter. Como sempre ocorreu na história dos produtos Piaggio, a Ape 50 foi concebida para replicar o sucesso da Vespa 50 no mercado de duas rodas, que foi lançada em 1964 em resposta a uma nova regulamentação do Código Rodoviário Italiano que fez a licença placas obrigatórias para veículos com motores maiores.

1971. Apresentando o Ape Car

Mas a verdadeira “revolução” chega em 1971, com o lançamento do Ape Car, um modelo que poderia competir com vans leves e que se destaca pelo design, extremamente moderno para a época. O Ape Car apresenta uma nova carroçaria, que é maior para acomodar uma cabine mais espaçosa e confortável. O Ape Car tem um volante adequado, enquanto o motor 220 cc a dois tempos é, como antes, instalado na parte traseira em uma estrutura específica de “trenó”. Até a propaganda da Piaggio na época se concentrava em comparar as capacidades do novo modelo com as dos veículos comerciais derivados diretamente do carro.

As campanhas publicitárias

A evolução do Ape de 1949 a 1971

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments