Honda quer atingir a meta de zero acidentes mortais até 2050

By on 2 Agosto, 2021

Entre várias as áreas nas quais a marca alada se está a concentrar para o futuro, um dos focos é o da segurança rodoviária, mas esse caminho ainda é longo e dispendioso. 

Além de ter declarado os seus planos de emissões (até 2050 alcançar a neutralidade de carbono para todas as atividades, incluindo quatro e duas rodas), a Honda está também trabalhar muito na segurança dos seus clientes, em especial os motociclistas, categoria “frágil” na estrada em termos de taxas de acidentes e mortalidade. Nesse sentido, a ideia do gigante japonês é explorar tecnologia para evitar acidentes fatais .

OBJETIVOS…

“Em termos de expansão da gama das nossas tecnologias de segurança – diz a Honda – como muitos acidentes fatais de motos envolvem carros, vamos nos esforçar por aplicar o nosso avançado sistema de assistência à condução omnidirecional (ADAS) a todos os novos veículos que apresentaremos até 2030. 

Aproveitando o conhecimento e know-how que acumulamos por meio da pesquisa e desenvolvimento das nossas tecnologias de condução automatizada de nível 3, melhoraremos ainda mais a inteligência do ADAS para aumentar a percentagem de padrões de colisão cobertos pelo nosso sistema” 

A meta é equipar os carros novos com tecnologia de segurança até o final da década. Um exemplo é o que aconteceu este ano com o Honda Vezel, o HR-V, no Japão, que foi equipado com um sistema que trava automaticamente caso detecte uma colisão iminente com uma moto.

SEGURANÇA RODOVIÁRIA

Embora a segurança no trânsito seja um tema de fundamental importância, muitos são os fatores a serem analisados ​​nos planos da Honda. Por exemplo, mais que nos países desenvolvidos, muitos acidentes com veículos da marca acontecem em países em desenvolvimento ou emergentes. Isso significa que muitos deles não podem beneficiar das tecnologias de segurança que a Honda pretende aplicar aos automóveis para melhorar a segurança no trânsito e reduzir acidentes com veículos de duas rodas. Como resolver este problema? 

A empresa afirma que os seus esforços nesses países se centrarão principalmente no plano das infraestruturas e políticas governamentais. Mas sabemos bem que pode ser um processo longo, cansativo e nada certo do ponto de vista dos resultados. 

A tecnologia é provavelmente a melhor arma para aumentar a segurança no trânsito, mas fazer isso nos países em desenvolvimento requer um investimento económico muito maior do que equipar motos e scooters com faróis de LED e sistemas de travagem combinada (CBS).

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments