“The Red Essence In white”: Nova cor para a Ducati Panigale V2

By on 2 Julho, 2020

A GAMA DE CORES PARA A PANIGALE V2 FOI ALARGADA COM O NOVO ESQUEMA CROMÁTICO WHITE ROSSO, QUE SE CONJUGA COM O MONOCROMÁTICO ROSSO DUCATI. PECCO BAGNAIA EXPERIMENTOU-A…

O novo esquema de cores White Rosso tem o Star White Silk como cor principal. A predominância do branco coloca em evidência o design da Panigale V2, destacando as suas linhas e a pureza das formas geométricas.

Ao mesmo tempo os pormenores em Rosso Ducati sublinham o seu caráter potente e desportivo. O Rosso Ducati dá cor às jantes, às entradas de admissão de ar frontais e aos defletores na parte superior das carenagens. Estes dois últimos toques em vermelho procuram acompanhar o percurso dos fluxos de ar no interior da moto, como o que alimenta o motor e aquele que passa pelo radiador.

A nova decoração fica completa com um toque desportivo adicional graças ao posicionamento nas carenagens inferiores do grande logótipo Panigale V2, inspirado pelo grafismo das motos da Ducati Corse.

A opinião de “Pecco” Bagnaia

Apresentando a Panigale V2 e protagonista da sessão de fotos e vídeo para o novo esquema de cores esteve o piloto da Pramac Racing Team, Francesco “Pecco” Bagnaia. De facto, Pecco desfrutou de uma antestreia da moto ao testá-la no Misano World Circuit “Marco Simoncelli”.

“Desde 2016, o meu lema pessoal tem sido #GoFree. Para mim significa viver com o espírito leve e despreocupado, divertindo-me e dando prioridade às coisas que gosto de fazer. Acho que a Panigale V2 se encaixa bem nesta definição e reflete o meu modo de ser”, diz Pecco Bagnaia, após testar a Panigale V2.”

“A nova decoração, com tanto branco, é muito bela e diferente do habitual. Apesar de ser uma moto de estrada, surpreendeu-me a velocidade que consegue atingir em curva.

É uma moto divertida, muito estável e muito sincera, que nos permite andar depressa em segurança, sem ficarmos cansados, ao mesmo tempo que demonstra uma personalidade muito forte e decidida.”

A Panigale V2, apresentada há menos de um ano e capaz de conquistar de imediato um público entusiasta, é a super-mid das desportivas da Ducati e representa o modelo de entrada na família Panigale. É movida pelo motor bicilíndrico Superquadro de 955 cc (cumprindo com as normas Euro 5) e tem uma potência máxima de 155 cv às 10.750 rpm, bem como um binário máximo de 104 Nm às 9.000 rpm.

A potência da Panigale V2 permite a diversão em pista, entregando nas mãos do piloto uma moto que nunca o coloca em dificuldade e permite ser sempre plenamente explorada. A entrega do motor bicilíndrico é tal que mais de 70% do seu binário máximo está constantemente disponível a partir das 5.500 rpm, permitindo-lhe sair das curvas rapidamente, mesmo das mais lentas.

O chassis da Panigale V2 está assente no quadro monocoque e encontra-se vestido com um elegante e desportivo design inspirado pelo da Panigale V4. A carenagem tem superfícies amplas e limpas que rodeiam os componentes mecânicos, evidenciando as dimensões reduzidas do bicilíndrico Superquadro e criando uma moto visualmente compacta.

O “ar de família” com os outros modelos Panigale é também sublinhado pelo monobraço oscilante, enquanto que a compacta saída única lateral do escape, com silenciador sob o motor, evidencia as linhas limpas da Panigale V2.

O completo e moderno equipamento eletrónico, assente na plataforma inercial de 6 eixos, não deixa m,argem para dúvidas quanto ao ADN desportivo da moto. O pacote de eletrónica, dedicado à segurança ativa e ao controlo dinâmico do veículo, inclui a função “cornering” aplicada ao ABS Bosch, uma caixa de velocidades com Quik Shift que funciona também nas reduções, e controlos de tração, de travão-motor e Anti Wheelie.

Todos os controlos estão integrados com os três Riding Modes (Race, Sport e Street) que podem ser modificados através do ecrã TFT a cores de 4.3’’ do painel, com grafismo e interface desenhados para tornar a navegação nos menus e ajuste de definições intuitiva, bem como permitindo uma identificação imediata do Riding Mode selecionado.

A ciclística conta com uma suspensão totalmente regulável, com uma forquilha Showa Big Piston Fork (BPF) de 43 mm de diâmetro e um amortecedor Sachs preparado para tornar a moto intuitiva, ágil e divertida; para além disto, a calibragem específica dos travões hidráulicos torna-a confortável para utilização em estrada. Os pneus multicomposto Pirelli Diablo Rosso Corsa II, que combinam performance em pista com versatilidade na estrada, também contribuem para as qualidades dinâmicas da Panigale V2.

A ergonomia dos avanços e do assento do condutor oferecem uma posição de condução que não é cansativa na estrada e é eficiente em pista, permitindo ao piloto mover-se livremente.

O equipamento técnico fica completo com um amortecedor de direção Sachs e um sistema de travagem Brembo com pinças monobloco M4.32 ativadas por uma bomba radial. Os discos são de 320 mm de diâmetro à frente, com um disco único de 245 mm na traseira. A travagem é potente, nunca excessivamente agressiva e sempre ajustável.

A Panigale V2 com o esquema de cores White Rosso estará disponível nos vendedores autorizados Ducati em julho de 2020.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!