Uma Laverda impressionante

By on 8 Junho, 2019

Cada Laverda em que Jean-Louis Olive põe as mãos recebe um tratamento de luxo. A maioria dos seus projetos são restauros, mas esta Jota America de 1978 foi um trabalho personalizado completo. E foi tão bom que até apareceu nas páginas da revista Practical Sportbikes no Reino Unido.

Jean-Louis é mais do que um pouco obcecado pelas Laverda. Ele teve o seu primeiro encontro com a marca em 1977 e está apaixonado desde então. Já escreveu vários livros com temas de Laverda e lançou o site e a associação de proprietários da Laverdamania.

Jean-Louis refere-se à sua paixão como “apenas um hobby, mas quase um trabalho a tempo inteiro!” Levou alguns anos para acabar a Jota, porque estava a trabalhar no estrangeiro à data. Como tal, o tempo de trabalho estava limitado às férias, quando podia voltar para a sua casa em Aubagne, uma pequena cidade perto de Marselha que também abriga a famosa Legião Estrangeira.

De acordo com Jean-Louis, a ideia era “construir um especial com a mais moderna tecnologia, mantendo alguns aspectos visuais fortes da identidade original da Laverda. Portanto, é uma mistura entre o moderno e o antigo ”.

“É uma espécie de oposto da atual moda neo-retro ”, continua ele. “Enquanto muitos desses projetos oferecem um design vintage numa base moderna, a P12XX coloca a tecnologia moderna numa base antiga”. Por outras palavras, é um restomod.

Porquê “P12XX?” O “P” significa projeto, o “12” para a designação do modelo e o “XX” porque Jean-Louis não sabia qual seria a capacidade do motor.

E isso não é uma piada; este motor sofreu das modificações mais completas já aqui apresentadas.

Todo o trabalho de tornearia e reconstrução foi feito por Peter Herrmann, um engenheiro na Alemanha. A colaça do cilindro é uma unidade rara de TT F1, construída pela fábrica para competir na Ilha de Man nos anos 80. Ele foi modificado com janelas alargadas, válvulas grandes e novas sedes.

Também está equipado com cames de corrida de endurance provenientes da fábrica, ligeiramente reformuladas, e pistões revestidos de cerâmica da Ross Racing com uma taxa de compressão de 10,5: 1. A cambota foi aligeirada e equilibrada, e as bielas são da Carillo USA.

Muito esforço foi empregue a tirar peso ao motor, e Jean-Louis calcula que agora esteja cerca de 10 kg mais leve. Ele tem uma caixa de velocidades nova (também aligeirada) e um sistema especial de embraiagem hidráulica da Redax Laverda vindo da Austrália (“para lidar com a potência extra”).

A Redax Laverda também forneceu uma ignição programável e um sistema de carga atualizado. Todo o sistema elétrico foi refeito com componentes Motogadget (até os interruptores e velocímetro), com uma bateria Deka leve e iluminação LED em ambas as extremidades. Os carburadores são itens da série Mikuni RS de guilhotina.

O sistema de escape é de titânio e aço inoxidável feito sob medida, projetado digitalmente pela Burns Stainless nos EUA. “Todos os tubos são cortados a laser e dobrados à mão”, diz Jean-Louis. “Os coletores têm formato cónico de 38/44 mm e o coletor final tem formato de venturi.”

A P12XX tem um pacote de upgrade de chassis para combinar com o novo motor. O quadro é original, mas foi aligeirado e endurecido, com o avanço ligeiramente reduzido.

Os garfos são unidades Marzocchi, atualizadas com um kit Racetech e tês Redax Laverda. Jean-Louis também equipou a moto com amortecedores traseiros Öhlins, um par de rodas Suzuki GSX-R 1100 e um conjunto de travões Brembo.

Há peças de bom gosto por toda a moto, desde os veiso das rodas feitos em titânio de grau aeronáutico a uma série de peças de alumínio 7075.

Até mesmo a carroceria visa um aumento de desempenho: é toda feita de fibra de carbono, com adição de Kevlar para o depósito. Foi construído e enviado pelo especialista em carbono da Sérvia, Slobodan Vukomanovic. Jean-Louis só tinha elogios pelo seu trabalho.

O design é uma versão ligeiramente alterada da carroçaria da Laverda 750 SFC. Com nada senão um par de listas de corrida a adornar as seções de carbono, o efeito geral é elegante e deliberado.

E esta Jota tem o desempenho para acompanhar a aparência: agora faz 120 cv à roda traseira e pesa 192 kg. Para referência, os números originais eram 80cv à cambota e 60 kg a mais na balança.

“Mesmo quando o tricilíndrico da Laverda era um modelo lendário”, diz Jean-Louis, “e a motocicleta de produção mais rápida em meados dos anos 70, tinha algumas desvantagens comumente vistas em motos antigas desse período – particularmente o excesso de peso”.

“Eu sonhava em ter uma Laverda de 3 cilindros muito leve, para salientar as capacidades desse fabuloso motor.”

Parece que Jean-Louis encontrou a fórmula mágica.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!