França: Radares em teste para detectar ruído excessívo

By on 14 Junho, 2021

Embora frequentemente nos preocupemos com as novas regulamentações de emissões, os padrões de ruído também entram em jogo nos modelos de motos mais recentes. O que, de certa forma, contradiz um antigo ditado na linguagem motociclista: “Escapes barulhentos salvam vidas”.

A maioria das motos modernas precisa de ficar abaixo de um determinado nível de decibéis para atender às restrições atuais. São muitos os motociclistas que procuram no aftermarket um escape com um som mais audível. É compreensível até certo ponto, porque existem inegáveis vantagens em ser ouvido ao longe; mesmo antes de um veículo estar à vista o som pelo mesmo emitido pode ser entendido como um factor de segurança – muitos automobilistas raramente se apercebem da aproximação de uma moto –  mas, como é sabido, também há o fator exibição nessa troca por um escape mais ruídoso – para mostrar aos amigos ou simplesmente somar uns ‘cavalitos’ à moto!

Quais os limites em vigor?

Na verdade este não é um tema novo, data de 2019, ano em que  a Comissão Europeia publicou vários artigos em que o problema do ruído foi abordado e as motos foram mencionadas como uma importante fonte de ruído. A Comissão Europeia, também produziu um relatório escrito sobre a emissão sonora das motos, ciclomotores e outros veículos da categoria L, como quads, motos elétricas, veículos para deficientes físicos, etc. A razão para isso é que, com os atuais padrões Euro 4 e Euro 5, os limites vão sendo alterados e podem até ser reduzidos ainda mais..

O antigo limite de 80 dB (A) para motociclos desapareceu com a adoção do Regulamento (UE) n.º 134/2014 da Comissão e o artigo relevante foi substituído pela norma do Regulamento UNECE n.º 41, fixando o novo limite em 77 dB (A). Isto parece uma enorme redução (um aumento de 3 dB (A) significa que a intensidade do som é dobrada), mas não é necessariamente o caso. É que, com os novos padrões que entraram em vigor, a forma como o ruído dos escapes é medido também mudou. (UNECE significa Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa).

Radares sonoros em teste

O que é novo é o plano de restrições sonoras que em França já está em marcha, um plano para reprimir aqueles que contornam os limites de poluição sonora, através da colocação de radares sonoros nas principais cidades e subúrbios. Paris já instalou sistemas de detecção de ruído desde 2019. 

No entanto, estes radares têm estado praticamente inoperantes desde essa data na deteção de infrações, a tecnologia pouco tem sido aplicada em infrações – compreensível porque o movimento é menor na pandemia – mas as autoridades francesas vão começarão a testar os recursos do sistema em breve. Acontece que a Cidade das Luzes não é única área urbana na luta contra os escapes ruidosos. Nice, Lyon e Bron, junto com os subúrbios parisienses de Rueil-Malmaison e Villeneuve-le-Roi, também vão ter em testes unidades de medição sonora ainda este ano. Para que os municípios testem o radar de ruído, precisam de esperar pela publicação das portarias no próximo outono. Assim que o desempenho e a precisão do sistema se confirmar, as cidades podem então obter essa aprovação.

Semelhante às câmeras de velocidade, o sistema de detecção de ruído captura uma fotografia da matrícula do veículo quando o limite de ruído é excedido, recebendo depois o condutor o registo por correio pela infração cometidas, 

Se os sistemas de detecção de ruído forem aprovados para uso em estrada podem vir a ser implementados até 2022 ou 2023.

Um tema global

A questão do excesso de ruído está a ser levada a sério por vários munícipios, especialmente na Alemanha e França, mas, como sabemos, mais tarde ou mais cedo estas novas restrições também nos podem atingir, Por esse motivo, nada melhor que seguir com atenção este tema nos próximos tempos. 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments