História da Keihin: Dos carburadores para a Honda Dream à injeção

By on 25 Agosto, 2021

Dos carburadores de motos à injeção electrónica, a Keihin tem uma história essencialmente ligada à Honda, fundindo-se em 2021 com a gigante Hitachi Astemo. 

A Keihin Seiki Manufacturing Co., Ltd. foi fundada em Kawasaki, província de Kanagawa no Japão, no dia 19 de dezembro de 1956. Um ano depois (1957), a construção da fábrica foi concluída e a Keihin começou a consertar peças de automóveis. Ao mesmo tempo, a empresa japonesa desenvolveu o seu primeiro protótipo de carburador para motos. No decorrer do ano, esse primeiro carburador fica concluído, e começa desde logo a ser usado em dois modelos, o Rabbit da Fuji Heavy Industries, mas principalmente na Honda Dream.

Foi o início de uma longa e sólida relação com o fabricante japonês, e foi também com ele que Keihin se lançou nos carburadores de automóveis em 1963. À medida que a parceria se fortalecia, a Honda chegaria mesmo a ter a maioria do capitar da Keihin. No entanto, isso não impediu o fabricante de fornecer outros fabricantes japoneses, europeus e americanos.

Enquanto a marca desenvolvia sua atividade em torno do carburador e abria filiais e fábricas na Ásia, novos passos foram dados em 1982. A Keihin estabelece-se pela primeira vez nos Estados Unidos, lançando-se depois nos sistemas de injeção. Assim, a empresa passou a comercializar sistemas de injeção de motos para a Honda e, desenvolvendo em simultâneo injetores para automóveis e ECUs.

A chegada da injeção eletrónica

No entanto, levará 20 anos para que surjam os primeiros sistemas de injeção eletrónica, ao início para motos de pequena cilindrada. As mudanças técnicas e tecnológicas conhecem então um desenvolvimento mais rápido, particularmente durante a década seguinte.

Além dos carburadores, pelos quais a marca foi inicialmente conhecida, a produção foi amplamente ampliada para atender às necessidades de motos, automóveis, segmento de lazer (quadriciclo, SSV …) e motores em geral. A marca agora comercializa uma ampla gama de produtos com sistemas de injeção, coletores de admissão, corpos de borboleta, sistemas de gestão da bateria (BMS), módulos de gestão (ECU), bombas de combustível, sistemas de ar condicionado, várias válvulas …

Em 2021, a Keihin, então já no seio do grupo de empresas da Honda, como a Nissin e Showa, fundiu-se com a subsidiária automóvel da Hitachi para formar a Hitachi Astemo. O novo peso pesado dos equipamentos, que representa nada menos que 90 mil pessoas em todo o mundo, passa então a ser controlado a 67% pela Hitachi e 33% pela Honda.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments