Teste Macbor Eight Mile 500 versões SCR e STR – Bom gosto e racionalidade

By on 9 Fevereiro, 2022

Ensaio realizado por Óscar Pena – SOLOMOTO

A marca espanhola MACBOR lança-se no muito disputado segmento das motos naked de estilo neo-clássico com duas versões da mesma moto, a versão STR ao estilo Street Racer e a versão SCR ao estilo Scrambler, ambas especialmente dirigidas ao target de utilizadores com carta A2.

Macbor Eight Mile 500 Versão STR – Street

As duas versões da Macbor Eight Mile 500 apresentam bons acabamentos, uma estética muito cuidada, bons componentes e um desempenho notável que nos surpreendeu pela positiva.

Macbor Eight Mile 500 Versão SCR – Scrambler

A Macbor está ainda a digerir todo o sucesso que obteve com o lançamento do seu primeiro modelo no segmento de média cilindrada Trail, a MONTANA XR5, quando se aventura novamente a entrar num dos segmentos de mercado mais disputados que é o das motos naked de média cilindrada e potência próxima aos 50 CV, válidas para carta A2.

A marca espanhola distingue-se pelo carácter e personalidade que imprime nos seus modelos pelo que mais uma vez não pretendeu fazê-lo com uma moto que fosse meramente utilitária e totalmente convencional. E por isso apresenta a sua nova Eight Mile 500 com duas versões disponíveis, modelos com uma estética muito chamativa e uma enorme polivalência de utilização.

Primeiro contacto…

Sem entrarmos para já demasiado em pormenores técnicos e não nos perdermos na diferenciação técnica dos dois modelos, a SCR/ Scrambler e a STR/ Street, podemos no entanto referir que em ambas a posição de condução é muito natural e erguida.

Na versão SCR, com 210mm de altura livre ao solo e 820mm de altura do assento, chegamos perfeitamente com os dois pés ao chão ficando as pernas ainda ligeiramente fletidas. Na versão STR, mais baixa que a SCR, com apenas 790mm de altura do assento, apoias de tal forma os pés no chão que a sensação é quase a de ires numa cruiser, ( exagerando claro está ).

A versão STR está especialmente pensada para ser uma moto ágil e extremamente manejável, a proporcionar uma enorme facilidade na sua condução, ideal para ser utilizada em trajectos urbanos com uma enorme intensidade de veículos a circular, sobretudo considerando utilizadores com pouca experiência ou de estatura baixa, pois a pouca altura e a agilidade da moto facilitam e muito a sua condução, sendo a mais procurada por um público feminino ( sem pretendermos ser discriminatórios ).

Ao ser mais baixa que a versão Scrambler, a Street está mais susceptível de roçar com os poisa-pés no asfalto, realidade que pudemos comprovar sempre que atacávamos determinadas curvas ou rotundas em cidade de forma mais agressiva. As duas versões gozam de uma estética muito bem conseguida, com bons acabamentos e sobretudo um funcionamento muito suave, fácil e intuitivo.

São motos às quais nos adaptamos de imediato, que nos permitem desfrutar de forma fácil o nosso dia a dia e não são apenas destinadas a quem tenha carta A2, pois o seu desempenho e comportamento dinâmico permitem levá-las a testar outros limites nas mãos de condutores mais experientes e em trajectos para além dos urbanos, como já poderão ver maia adiante.

Por estrada e não só…

Fora da selva urbana e já a rodar por auto-estrada verificamos que as Eight Mile mantêm facilmente as velocidades permitidas nas mesmas e até as não permitidas. A falta de proteção aerodinâmica por ambas serem do tipo naked penaliza obviamente as mesmas se tivermos que rodar por muito tempo em estrada aberta e a velocidades mais altas. No entanto o seu assento bastante cómodo e a sua excelente ergonomia compensam a falta de proteção frontal. Já o espaço para o pendura é bastante sacrificado e não tem pegas para que o mesmo se possa segurar.

Já em estradas de montanha com muitas curvas, com bom ou mau asfalto, as Eight Mile 500 revelam todo o equilíbrio conseguido na sua ciclística e estão como “peixe na água”, proporcionando um desempenho excelente e uma condução muito divertida, intuitiva e segura.

Tanto a SCR com maior curso de suspensões e um comportamento mais firme, como a STR, algo mais confortável mas com menos curso, proporcionam uma excelente leitura da estrada, transmitindo ao condutor com precisão e tacto tudo o que vai ocorrendo e gerindo as imperfeições que vai encontrando de forma a transmitir segurança e conforto ao condutor.

A progressividade do amortecedor traseiro merece também uma nota de destaque e o seu funcionamento combinado com as suspensões dianteiras, associado à correcta rigidez do quadro, proporcionam uma grande confiança e uma enorme estabilidade nas travagens à entrada das curvas.

A versão SCR Scrambler permite-nos explorar mais além os seus limites. No caso da versão Street rapidamente chegas aos mesmos, derivado sobretudo da sua pouca altura ao solo, tal como comentámos anteriormente. Já em termos de travões as duas versões apresentam um desempenho de acordo com as suas prestações, sendo suficientemente potente e doseável. Poder-se-ia eventualmente melhorar o tacto na travagem substituindo a bomba convencional por uma radial, no entanto, para motos com as características de ambas, não o vemos como absolutamente necessário.

Durante o ensaio que realizámos atrevemo-nos a fazer uma pequena incursão fora de estrada e perceber o verdadeiro potencial da versão Scrambler. A sensação é quase a de estarmos a rodar numa Montana XR5 com algumas diferenças. Talvez com uma afinação diferente das suspensões pudéssemos chegar muito perto do desempenho da versão Trail . Destaque também para a facilidade com que podemos desligar totalmente o ABS nos dois modelos, realidade que resulta ser uma vantagem em condução OffRoad.

E sobre o motor das Macbor Eight Mile 500 …

Para um motor que de 471cc  que debita 47 CV às 8.500 rpm podemos classificar o seu rendimento de excelente.  Tem um excelente binário nos regimes mais baixos, proporciona uma sonoridade agradável nos médios regimes graças ao seu escape de saída dupla e torna-se silencioso e discreto nos regimes mais altos.

A precisão e resposta do acelerador são dignas de elogio, assim como toda a gestão que é realizada na resposta do motor em todos os regimes, proporcionando uma aceleração constante e progressiva até chegar ao redline situado nos 9.000 rpm. Os consumos são bastante contidos, considerando os declarados 3,9L aos 100 Km, o que se tivermos em conta os 18 litros de capacidade de combustível do seu depósito confere uma autonomia de cerca de 450 Kms.

Notámos alguma brusquidão nas reduções, por força do travão de motor ( parece ser característica de outros modelos que adotam também este motor )  realidade que a adopção de uma embraiagem deslizante poderia resolver definitivamente o problema. Também o curso do pedal das mudanças pareceu-nos demasiado longo e a moto acusa algumas vibrações a rodar acima das 6.000/6.500 rpm, nada que não seja normal.

O motor é um bicilíndrico paralelo, multi-válvulas e DOHC, com refrigeração líquida e injecção Bosch com Dual Oxygen Sensor, que proporciona um ajuste continuo da mistura de forma a obter um menor consumo e aumentar a sua eficiência.

O motor  é fabricado pelo gigante chinês LONCIN e a moto é construída pela empresa COLOVE de acordo com as especificações e indicações da empresa espanhola BORDOY, proprietária da MACBOR. Este propulsor é também utilizado por outras marcas como a VOGE (que pertence à própria Loncin). 

Ciclística que é referência no segmento…

O quadro de secção rectangular está fabricado em aço Q345, que garante maior rigidez e leveza. O pormenor dos eixos das rodas serem ocos revelam a intenção de manter o peso das motos contido. Outros componentes adoptados são em alumínio com esse mesmo objectivo, como é exemplo o guiador, as mesas de direção, os poisa-pés, o descanso lateral, a proteção de cárter e também o monobraço oscilante traseiro, um componente raro e inédito neste segmento de motos.

Monobraço traseiro – Solução inédita neste segmento

As jantes na versão Street são em alumínio forjado e na versão Scrambler são raiadas, sendo ambas tubeless. A iluminação é full LED e o painel de informação é também de tecnologia LED e a cores, inclui velocímetro, conta Kms e odómetro, indicador de mudança engrenada e nível de combustível. Inclui ainda luzes sinalizadoras do ABS  e outras. Não tem porém relógio horário nem indicador de temperatura ambiente. Inclui sim uma tomada USB na lateral.

As cores disponíveis são:

  • a  STR/ Street, em amarelo, vermelho e preto.
  • a SCR/ Scrambler, em cinzento e vermelho.

O que gostámos e o que pode melhorar

MOTO+

  • Personalidade e polivalência
  • Atenção os pormenores
  • Tacto e facilidade

MOTO –

  • Visibilidade da informação
  • Vibrações nos regimes médios-altos
  • Pedal das mudanças

FICHA TÉCNICA MACBOR EIGHT MILE 500 SCR e STR

Motor tipo:                            2 cilindros paralelos, 4T, LC, DOHC

Diámetro x curso:               67 x 66,8 mm

Cilindrada:                           471 cc

Potência máxima:                35 kW (47 CV) a 8.500 rpm

Binário máximo:                  43 Nm a 6.500 rpm

Alimentação:                        Injeção electrónica BOSCH

Emissões de CO2:               N.D g/km

Caixa:                                    6 velocidades

Embraiagem:                       Multidisco em banho de óleo

Transmissão secundária: Corrente

Tipo quadro:             Tubular em aço dupla viga

Braço Oscilante:                 Monobrazo de aluminio

Suspensão dianteira:          Na SCR: KYB Invertida de 41 mm. Totalmente ajustável. Curso 195 mm. Na STR: KYB invertida KYB 41 mm não regulável. Curso 155 mm.

Suspensão traseira:            Na SCR: Mono-amortecedor KYB regulável. Sistema progresivo por bielas. Curso 200 mm. Na STR: Mono-amortecedor KYB regulável em pré-carga. Sistema progresivo por bielas. Curso 165 mm.

Travão dianteiro:                 Dois discos lobulados de 298 mm. Pinças Nissin de 2 pistons.

Travão traseiro:                   Disco lobulado de 240 mm. Pinça Nissin de um único piston.

Medidas Pneus:                   110/80-19” y 150/70-17” (STR). 110/80-18” y 160/70-17” (SCR).

Comprimento:                      2.110 mm

Altura máxima:                    1.145 mm

Largura máxima:                895 mm

Distancia entre eixos:        1.440 mm

Altura assento:                    820 mm (SCR). 790 mm (STR)

Depósito:                               18 litros

Consumo médio:                  3,9 litros

Autonomia teórica: 473 km

Garantía oficial:                  2 anos

Importador:               Motos Bordoy

Web:                                      www.macbor.com

Galeria de Imagens

1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
TEIXEIRAPT
TEIXEIRAPT
4 meses atrás

Ficou a faltar a informação do preço… para variar…