Como o incidente no Suez está a afectar o fornecimento de motos

By on 4 Maio, 2021

Na semana passada, o presidente da Yamaha Europe, Eric de Seynes, apressou-se em  explicar por que o fabricante está a lutar para acompanhar a alta procura das suas motos.

No entanto, basta um olhar atento aos feeds de notícias globais das últimas semanas, para se perceber que há um real problema na indústria automóvel que está consumindo bit a bit todos os principais fabricantes: a “escassez global de chips”.

Embora isso possa não parecer muito importante, esses chips podem ser encontrados em tudo, desde carros a motos e tudo o mais, como ABS, chaves inteligentes e ECUs. Em suma, os chips têm um papel literal a desempenhar em cada novo modelo que sai da linha de produção, e sem esses chips semi-condutores, os modelos não podem, portanto, ser concluídos e enviados para os seus clientes.

Trata-se de uma crise que já afetou alguns dos maiores nomes da indústria automóvel; JLR, Mini, Toyota, Nissan e Honda já reduziram a produção para aliviar a pressão sobre os problemas da cadeia de suprimentos, e agora a Yamaha veio explicar as razões para os atrasos nas encomendas.

Há uma razão para que isto esteja a ocorrer. A procura por motos voltou das calmarias de 2020, quando chegou a crise do Covid-19, mas foi durante esse período que os fornecedores viram os pedidos cancelados, na expectativa de um retorno mais constante à capacidade de produção total. No entanto, a retoma da produção plena chegou mais rápido do que o previsto e os fornecedores agora não conseguem acompanhar os pedidos, com o presidente e CEO da Yamaha, Eric de Seynes admitiu.

Com a procura alta em toda a indústria, que no caso da Yamaha inclui ATVs e barcos, esta questão piorou ainda mais com o recente incidente do Canal de Suez durante o qual o Evergiven ficou preso na hidrovia crucial que, por sua vez, levou a um enorme atraso de outros fretes marítimos, com a Yamaha a dizer que tinha “vários milhares” de produtos no navio atingido.

Embora a maioria das empresas tenha feito um comunicado de imprensa, a Yamaha preferiu um contato direto com os consumidores e revendedores, com o seu CEO europeu a explicar exatamente o que está a acontecer e fornecer alguma tranquilidade, ainda que se fale que possa levar meses o regresso à normal atividade – arrastando-se para 2022 – antes que a crise seja finalmente resolvida e toda a indústria esteja alinhada. O problema é particularmente frustrante para a Yamaha após uma enxurrada de novos modelos – incluindo as novas MT-09, Tracer 9, as revistas MT-07 e Tracer 7 GT – lançadas durante o período de inverno.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x