Crescem as áreas proibidas a motos nas capitais europeias

By on 27 Junho, 2022

A proibição de circulação por motivos ambientais para automóveis já é uma realidade em muitas cidades. Mas as motos também só podem entrar em algumas zonas urbanas de forma limitada. Londres, por exemplo, expandiu a zona de proibição de novo e limitou o acesso a motos a partir do Euro 4.

A mais recente notícia para a proibição de conduzir em cidade, que também afetará os motociclistas, vem da Espanha. Desde janeiro, os veículos mais antigos com motores de combustão interna estão proibidos de circular entre as 7h e as 20h durante a semana em Barcelona. Isto também se aplica aos ciclomotores e motos construídas em 2002 ou antes. Isto destina-se a melhorar a qualidade do ar na área do centro da cidade. A zona proibida cobre uma área de 95 quilómetros quadrados dentro dos anéis viários de Barcelona. Para poderem fiscalizar esta medida, as autoridades locais emitem autocolantes para veículos que ainda estão autorizados a dirigir. Proibições semelhantes estão em vigor nas principais cidades francesas desde 2016.

De acordo com o “Plano de Ação do Ar Limpo” da cidade de Amsterdão, a capital holandesa quer proibir todos os veículos a gasolina e diesel a partir de 2030, se possível, e isso também se aplica a motociclos e scooters.


A partir de 2023, quase todo o distrito administrativo de Londres será zona de pagamento para motos antigas

No caso da capital britânica, Londres, esta só expandiu significativamente a sua Ultra Low Emission Zone (ULEZ) no dia 8 de abril de 2019, que permite apenas a entrada de motociclos que atendem pelo menos ao Euro 3. Os britânicos anunciaram depois uma expansão significativa do ULEZ em outubro de 2021. A próxima etapa desta zona de baixas emissões deve ocorrer em 2023 e incluirá não apenas a cidade de Londres, mas toda a região londrina. Ou seja, dos 21 quilómetros quadrados iniciais em 2019, a zona de baixas emissões aumentará para cerca de 1.569 km2 e quem pretenda aí circular com um veículo deve tem de comprar um bilhete diário por 12,50 libras. Quem for apanhado em infração terá que pagar uma multa de 1.000 libras, o correspondente na nossa moeda a 1160 euros!

E passamos à capital francesa. Desde o dia 4 de julho de 2019, apenas motociclos registados após 30 de junho de 2004 e, portanto que cumprem a Euro 2, são permitidos entrar em Paris de segunda a sexta-feira (8h às 20h). Um novo regulamento foi preparado para vigorar a partir do dia de julho de 2022, que também se aplicará a veículos registados após 1 de janeiro de 2007, ou seja, motociclos e scooters Euro 3. Em fevereiro de 2022, no entanto, foi anunciado que essa proibição seria adiada por seis meses. A partir de 2030, apenas veículos com acionamento elétrico ou célula de combustível serão permitidos em Paris. Em Estrasburgo, existe uma proibição de condução situacional para todos os motores de combustão. Em geral, é necessário um crachá Crit’Air na França para entrar nas zonas de baixas emissões.

Finalmente, em Itália os motores de dois tempos estão agora completamente proibidos de entrar em cerca de 200 cidades. A capital Roma tem um modelo escalonado que só permite a entrada de veículos de duas rodas Euro 2 ou Euro 3, dependendo da área e do impacto ambiental.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments