Moto Guzzi V100 Mandello ‘Aviazione Navale’: Edição especial revelada a bordo do porta-aviões Cavour

By on 21 Setembro, 2022

No espetacular palco do convés de voo do porta-aviões Cavour, a Moto Guzzi e a Marinha Italiana celebraram os laços próximos que os uniram há mais de cem anos.

Repleto de tecnologia, o mais recente ‘membro’ da família Moto Guzzi,  apresenta uma cor única inspirada nos caças F-35B, tornando-se o modelo mais marcante da gama V100 Mandello. A águia-de-asa-aberta, o emblema inconfundível da Moto Guzzi desde a sua criação em 1921, remonta ao serviço militar dos fundadores da companhia, Carlo Guzzi e Giorgio Parodi, no Braço Aeronáutico da Marinha Real Italiana na Primeira Guerra Mundial. Foi em pleno conflito mundial que os dois amigos, e o piloto Giovanni Ravelli, decidiram entrar na produção de motos assim que o conflito terminasse. Ravelli morreu num acidente em 1919 e não conseguiu realizar o seu sonho. Guzzi e Parodi escolheram a Águia como símbolo em memória do seu companheiro.

Este evento foi uma ocasião emotiva, que incluiu a antevisão mundial da Moto Guzzi V100 Mandello ‘Aviazione Navale’, uma edição limitada numerada especial da mais recente chegada à família Moto Guzzi. Uma moto tecnológica ainda mais marcante nesta versão exclusiva, unindo dois grandes nomes com ligações indissolúveis à história de Itália.

O projeto foi possível graças à Difesa Servizi S.p.A., uma empresa interna do Ministério da Defesa italiano, responsável pela otimização dos ativos do Departamento ao longo dos últimos 10 anos, que concedeu à Moto Guzzi o uso da marca “Aviazione Navale” para a produção do V100 Mandello Aviazione Navale.

Produzida numa edição limitada de motos numeradas de 1913, uma homenagem ao ano em que se formou o braço de aviação da Marinha Italiana, a exclusiva Moto Guzzi V100 Mandello Aviazione Navale é um modelo único, a começar pelo seu especial grafismo inspirado nos caças F-35B da Marinha. Os gráficos são uma reprodução fiel das aeronaves, com a insígnia de ambos os lados do capot, juntamente com as típicas riscas de “jet intake”. A decoração é reforçada por um discreto logo com as cores da bandeira tricolor nas laterais do depósito de combustível, o emblema da Aviação Naval italiana, e o logótipo da Unidade de Aeronaves a bordo.

As características do modelos base incluem um sistema de monitorização da pressão dos pneus e punhos aquecidos, enquanto o número de série é gravado a laser no tirante do guiador. Cada uma das motos vem com a sua própria capa e uma placa comemorativa.

A Moto Guzzi V100 Mandello abre um capítulo completamente novo na história da empresa; ilude a categorização convencional, combinando um desempenho brilhante com a vocação para as viagens que está no coração de cada Moto Guzzi. É o primeiro modelo da marca com aerodinâmica adaptativa, com uma plataforma inercial de seis eixos, ABS de curva, suspensões semi-ativas e Quick-Shift, só citar os sistemas mais relevantes.

A V100 Mandello é também a primeira moto Guzzi alimentada pelo novo motor de bloco compacto com características técnicas sofisticadas. A tradição mantém-se pela arquitetura V-twin de 90°, que garante a entrega única de binário e som inimitável de Moto Guzzi, mas o projeto é completamente novo e oferece um desempenho impressionantemente brilhante: potência de 115 cv e binário de 105 Nm, com 82% já disponível às 3.500 rpm.

Aviação Naval

A Aviação Naval italiana – Aviazione Navale – é a componente aérea da Marinha Italiana, criada para operar no mar em estreito contacto com os seus navios. As suas origens remontam a 1913, quando o Serviço Aeronáutico da Marinha Real foi oficialmente formado. As unidades aeronáuticas da Marinha são atualmente chefiadas pelo Comando das Forças Aéreas da COMFORAER, que é responsável pela organização e coordenação das atividades de todas as aeronaves da Marinha, incluindo manutenção, gestão de infraestruturas logísticas e formação para pessoal de voo e terra. Os seus aviões e helicópteros de asa fixa são embarcados em embarcações equipadas com hangares e um convés de voo, em unidades de assalto anfíbios e em porta-aviões. Desde a década de 1980, a Aviação Naval italiana tem estado envolvida em todas as principais operações internacionais.

O porta-aviões Cavour

O Cavour (CVH 550) é um porta-aviões que entrou ao serviço da Marinha Italiana em 2009. Com uma LOA de 244 metros e 220 metros de pista, o Cavour é o navio-almirante da Marinha Italiana, e um dos investimentos tecnológicos mais importantes do sistema de defesa nacional do país. O Cavour é capaz de embarcar e operar com todas as aeronaves utilizadas pela Marinha Italiana: helicópteros (AB 212, EH 101, NH 90), aviões AV-8B e aviões de última geração, como os caças F-35B.

O convés de voo estende-se de proa a popa com uma pista paralela ao eixo longitudinal da transportadora e uma rampa de lançamento, para garantir que as aeronaves podem descolar com a carga máxima. O hangar foi concebido para aguentar até 12 helicópteros ou, em alternativa, 8 aeronaves. O Cavour é tripulado por uma tripulação fixa de 550 marinheiros e pode acomodar até 1.200.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments