Suzuki GT Experience: A bordo da GSX-S1000GT a (re)descobrir os Alpes

By on 29 Julho, 2022

534 quilómetros, 7 níveis de altitude e um consumo médio de apenas 5,1 litros por 100 km. Estes foram alguns dos dados recolhidos durante a GT Experience, uma viagem de dois dias com a GSX-S1000GT a visitar uma das regiões mais belas do ‘Velho Continente’, entre Itália e França.

Definitivamente, o conceito de motos de sport-turismo tal como as conhecemos durante décadas, aprimorou-se, para melhor. Muito menos peso, mais potência, e sobretudo mais poder de aproveitamente a baixos regimes, o que na prática trouxe ganhos consideráveis nos consumos, na agilidade, mas também no conforto com uma panóplia de equipamento que serve todas as nossas conveniências. O objetivo da GT Experience foi testar a mais recente moto de sport-turismo de Hamamatsu, experimentando-a a alta altitude, pondo à prova a sua fiabilidade, conforto e quilometragem nas condições de uso o mais realistas e exigentes possíveis… e sempre com um fastidioso calor a acompanhar-nos.

O trajeto

A experiência com a GSX-S1000GT começou na quinta-feira, 21 de julho, na sede da Suzuki Italia , na província de Turim. A GT Experience atravessou o Val di Susa em direção ao Col de Monginevro (1.860 m de altitude), antes de descer em direção a Briançon. A partir daqui seguiu-se em direção a Izoard (2.360 m de altitude), descendo antes de uma nova subida em direção a Vars (2.108 m de altitude). O itinerário desenvolveu-se seguindo as indicações para Barcelonnette, antes de virar para Crots, atingindo depois as margens do belo lago artificial de serra Ponçon, onde a GT estacionou para passar a noite.

Na sexta-feira, 22 de julho, a GT Experience partiu da Haute Provence francesa, regressando a Briançon para seguir para Noroeste, em direção a Savoy e Colle del Lautaret, a impressionantes 2.058 metros de altitude.

A partir daqui, a GSX-S1000GT foi levada a escalar até um dos pontos mais altos dos Alpes, o imponente Col de Galibier (2.642 m de altitude), descendo depois ao Col del Téléghaphe (1.566 m de altitude) e para Saint-Michel-de-Maurienne, passando uma última vez no topo do Colle del Moncenisio para chegar finalmente a Robassomero.

Uma viajante confiável, prática e envolvente

A GSX-S1000GT Experience trouxe à tona as qualidades extraordinárias da sport-turismo japonesa, uma moto capaz de satisfazer tanto os amantes da condução desportiva quanto aqueles que amam o turismo de médio e longo alcance.

A rápida A32 destacou a grande estabilidade e excelente proteção aerodinâmica garantida pela carenagem, cuja forma elegante foi estudada em longos testes no túnel de vento. A auto-estrada permitiiu-nos o ajuste de velocidade facilmente através do cruise control da GT para manter a velocidade preferida em total relaxamento. Nas rotas de montanha, foi a vez de expetimentar os dispositivos eletrónicos presentes, o Suzuki Intelligent Ride System (SIRS) assim como o sistema Suzuki Drive Mode Selector (SDMS), que permite selecionar três curvas de entrega de potência distintas, com base nas perferências do utlizador e da situação a ser enfrentada. Tudo muito eficaz! Ainda em termos de eletrónica, destaque para  o sistema “Aprisereno” (Suzuki Traction Control System) que pode ser ajustado em cinco níveis ou desativá-lo e passar de uma marcha para outra sem usar a embreagem graças ao “Quick Shift” (Sistema de troca rápida bidirecional).

A posição de condução é muito vertical na GT, o guiador largo, o assento e os pedais revestidos a borracha ajudam a assumir uma postura ideal, que inspira confiança imediata nas curvas fechadas e que não é muito cansativa mesmo em descidas longas. Nesta perspectiva, o depósito também desempenha um papel importante, esbelto entre as pernas e ainda capaz de armazenar 19 litros de gasolina.

Nas muitas seções mistas da GT Experience, a GSX-S1000GT mostrou também um bom ADN desportivo, associando grande leveza e manobrabilidade herdadas da lendária linhagem da GSX-R. O motor e ciclística, com quadro e braço oscilante de alumínio e suspensão totalmente ajustável, são de derivação desportiva, mas revistos ​​para tornar o seu incrível desempenho acessível a todos.

Por fim mas não menos importante o motor de quatro cilindros configurado para a Euro5 é uma unidade musculada com uma potência máxima de 152 cv (112 kW) e um binário de 106 Nm, disponível principalmente em baixas rotações. É precisamente esta qualidade que permite à GT manter um ritmo relaxado com consumo limitado. De fato, durante o GT Experience a “mil” de quatro cilindros registou um consumo médio de 5,1 l/100 km, equivalente a uma quilometragem de 19,6 km/litro. Excelente!

A GT Experience em números

  • Kms percorridos: 534
  • Diferença de altitude total: 10.300 metros
  • Altitude máxima:2.642 m de altitude
  • Altitude mínima: 332 m de altitude
  • Consumo médio detectado: 5,1 l / 100 km
  • Incidentes registrados: nenhum

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments