Teste Honda X-Adv 2021- Um SUV de duas rodas!

By on 4 Março, 2021

Há cerca de 4 anos atrás a Honda espantava o mundo com uma maxi-scooter adventure. Motor da NC750, guiador semelhante ao da Africa Twin, caixa DCT, suspensões de curso longo e pneus mistos. Foi um sucesso de vendas, com um conceito inteiramente novo. Para 2021 a Honda remodelou e aprimorou a X-Adv, chamando-lhe agora de scooter SUV, e deu-lhe uma irmã estradista (testada por nós há umas semanas) a Forza 750. Fomos tentar perceber se faz sentido andar com uma scooter cheia de lama no cidade…

Texto de Pedro Alpiarça

A presença estética desta moto faz-nos lembrar um transformer, de painéis angulosos e robustos, dando-nos uma ideia de que tem um próposito e está pronta para todas as situações. Existe quase uma noção de armadura latente, sobretudo com os extras com que a unidade ensaiada vinha , as protecções laterais, os faróis de nevoeiro, os deflectores extra nas carenagens e nas protecções de punho e também os poisa pés específicos para o fora de estrada.

A iluminação full LED teve o seu design revisto, com novas presenças, e o vidro frontal (com 5 posições de ajuste) assenta numa aranha complexa querendo demonstrar claramente a filosofia da função sob a forma

É impossível não olharmos para o tamanho das suas suspensões (agora com cerca de mais 20mm do que a versão anterior) e para os seus pneus mistos, sem ficarmos com a noção da imponência das suas dimensões, a X-Adv não é de todo um brinquedo, e a sua evolução quer revelar-nos isso.

Mantém a versatilidade de uma scooter, com um excelente espaço de arrumação debaixo do assento (aumentado um litro no seu volume, consegue albergar um capacete adventure, e tem ficha USB tipo C e luz de cortesia), mas a sua manobrabilidade é dificultada com a maior altura do assento (são 820mm) e largura extra do guiador. A protecção aerodinâmica também fica aquém da sua irmã mais estradista, a Forza 750. O fantástico écran TFT a cores de 5” mantém a sua elegância e leitura fácil e também inclui o sistema de Voice Control da Honda na interação com o smartphone. A qualidade de construção é irrepreensível, e a mesa de direção com a bonita peça maquinada é um forte exemplo disso. O compartimento de arrumos é substancialmente menor, cabendo pouco mais do que uma pequena carteira ou as chaves da moto. Continua sem possibilidade de ser trancado.

Sempre que nos afastamos, a Honda X-Adv capta o olhar dos curiosos, e este cinzento azulado denominado de Pearl Mud dá-lhe um ar sofisticado mas continua rija na sua essência, tipo um lutador de MMA de fatinho. Não engana ninguém, é desafiante tentar perceber as suas intenções…Será que é só garganta?

O bi-cilindrico em linha de 745cc debita 58cv e 69 Nm, um ganho de cerca de 5% de potência num claro upgrade que o Euro5 permitiu em relação à versão anterior, e em conjunto com a nova electrónica, surge mais cheio e com uma resposta mais enérgica. A envolvência da caixa DCT dá uma dimensão de condução diferente, colocando o seu dinamismo no mesmo patamar das motos à seria. Em estrada, tínhamos bem presente a referência da sua irmã, e sabíamos à partida que a fasquia seria demasiado alta. Mas ficamos agradavelmente surpreendidos, a X-Adv consegue demonstrar o seu valor numa condução mais empenhada, e ciente das suas limitações, faz juz do seu equilíbrio para dar confiança ao seu condutor.

Basta termos noção de que sendo mais alta, as mudanças de direcção ficam mais lentas, que o guiador mais largo não facilita nas tangentes do trânsito citadino, que as suspensões mais longas lhe dão um pisar mais macio (nada de exagerado, e podem ser ajustadas na pré carga e na extensão), a travagem (embora potente) é inferior à estupenda performace da Forza (em sua defesa a X-Adv monta uns discos menores) e os Bridgestone AX41 de cariz adventure portam-se à altura da ocasião, muito lineares no feedback, mas não são uns T31…

Agora vem a parte interessante. Todas estas características que fazem dela apenas boa no asfalto, tornam-na excelente fora dele. Todas as peças encaixam, e com um comportamento tão previsível, damos por nós a fazer figuras de hoolingan do mato, de sorriso estampado no rosto. A x-adv não é uma moto leve (são 236Kg) mas a sua boa distância entre eixos e o baixo centro de gravidade (tendo em conta a tipologia da máquina) fazem-na ficar sólida e estável. Depois então a entrega previsível do motor, com o acelerador ride-by-wire a dizer-nos exactamente quantas pedras estamos a levantar, as suspensões a trabalharem horas extras sem darem sinais de cansaço, o guiador extra-largo e os poisa-pés a entregarem de bandeja o tão desejado controlo na falta de atrito…transformam-na numa verdadeira fun-bike. O grande problema que os donos da X-Adv irão enfrentar será a dificuldade dos amigos convidarem-nos na 2ª vez para os seus passeios adventure com as big-trails…tal não é o gozo…

O modo Gravel é especifico deste modelo (acrescentado aos restantes Sport, Standard, Rain e User) e coloca o TC no mínimo, a caixa DCT num nível específico (antecipando as mudanças um pouco antes do limite, favorecendo a tracção) e a potência no máximo. Mas nós 10 min depois passámos para a liberdade do modo USER e descemos a potência um nível, desligamos o TC e deixámos o DCT no modo mais desportivo, a partir daí o conjunto equilibrado desta scooter SUV nos mostra-nos o quanto gosta de ficar sujo.

Com uns pneus mais cardados iriamos mais longe…mas ainda bem que não os tínhamos, porque no regresso a casa, levantamos o vidro, colocamos no modo standard e vamos confortavelmente sentados (nota também positiva para o assento do passageiro) como se nada tivesse passado. Com consumos razoáveis para a diversão que tivemos e com a capacidade de vivermos o dia a dia de um modo practico, a Honda X-Adv compre sua função potenciando a sua forma. A sua evolução, não só no capítulo motriz (com o motor e a caixa DCT na mais recente iteração), como a ergonomia melhorada (assento mais estreito e redimensionamento das palatformas para os pés), foi bastante bem conseguida, casando perfeitamente com as novas linhas mais agressivas. Sem rivais directos, a X-Adv irá certamente continuar a trilhar o seu caminho de sucesso.

 

 

Cores disponíveis e acessórios:

 

 

Adventure Pack:

 

Extensões das protecções de punhos, barras de protecção, farois de nevoeiro, deflectores de vento para as pernas e poisa-pés off-road

Travel Pack:

Smart Box e malas de transporte laterais (com encaixes em alumínio e bolsas de transporte internas), bolsa para consola central e punhos aquecidos

Style Pack:

Fixações de guiador e travão de parque maquinados, paines de estrado melhorados e tampas laterais

Smart Top Box de 50L:

 

Ficha Técnica:

 

Motor

Tipo de motorBicilíndrico paralelo, SOHC, 8 válvulas, 4 tempos, refrigeração por líquido
Cilindrada745cc
Potência58cv @ 6.750rpm
Binário69Nm @ 4.750rpm
Embraiagem2 embraiagens hidráulicas húmidas, discos múltiplos
Caixa de VelocidadesCaixa de dupla embraiagem com 6 velocidades, transmissão final por corrente

Ciclística

QuadroDiamante; tubos de aço
Suspensão Dianteira / TraseiraForquilla Showa de 41mm USD, 153.5 mm de curso / Mono-amortecedor com braço oscilante tipo Pro-Link, 150 mm de curso mm de curso
Travagem Dianteira / Traseira2 discos de 296 mm, pinças de montagem radial e 4 pistões de acionamento hidráulico, ABS / 1 disco Ø 240 mm, 1 pinça de 1 pistão de acionamento hidráulico. Travão de estacionamento
Pneu Dianteiro / Traseiro120/70-R17M/C (58H) ; 160/60-R15M/C (67H)

Dimensões e Preço:

Altura do assento820mm
Distância entre eixos1590mm
Capacidade do depósito13,2 L
Peso236kg
PreçoA partir de 12,300 €

 

Galeria:

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x