Top 10 Motos Sport-Touring

By on 16 Dezembro, 2018

Prosseguindo a nossa lista hipotética de Top Tens, é a vez das Turísticas… Compromisso ideal para passeios ou viagens em conforto, elas ocupam o topo da tabela de cilindradas e são as mais bem equipadas em muitos aspetos, inclusivamente preservando algumas capacidades desportivas graças ao bom desempenho dos pneus e suspensões atuais. Muitos modelos definem-se como uma moto de turismo desportivo, mas quantas realmente correspondem ao nome?

Quais são as máquinas desportivas que são suficientemente confortáveis ​​para fazer uma Turística competente? Ou é o contrário: que máquinas turísticas têm uma vantagem desportiva? Dependendo de com quem se fale, a definição real do que uma moto de turismo desportivo é pode mudar drasticamente.

À semelhança de listas anteriores, criámos uma compilação dos melhores modelos de turísticas-desportivas que conseguem unir o melhor dos dois mundos sem comprometer muito nenhum de ambos. Dito isto, esteja preparado para ver algumas escolhas excêntricas.

Há quem considere os modelos Suzuki GSX-S 1000F e Kawasaki Ninja ZX-10 como modelos de turismo desportivo, graças à sua enorme potência e velocidade, porém de natureza fácil de conduzir e confortável. Outros utilizadores preferem que a sua moto de turismo desportivo venha equipada com uma suspensão de curso mais longo, uma postura mais ereta e uma natureza mais versátil, como a BMW R1200RS ou a Honda Gold Wing. Ninguém está certo ou errado, e todas essas sugestões acabam por ser ótimas opções para uma moto de turismo desportivo…

 

10. Honda VFR800

Vamos começar pela escolha óbvia: a Honda VFR800. É quase impossível encontrar defeitos na VFR800, o modelo já é uma lenda por si só. Com um potente motor V4 de 782 cc com refrigeração líquida que é capaz de impressionar, apesar de não ultrapassar 104 cavalos de potência às 10.250 rpm e 55 lb-ft de pico de binário às 8.500 rpm, a VRFR800 tem muita saída no ponto certo da faixa de utilização. Embora exiba uma estética desportiva com carroçaria aerodinâmica, a verdade é que o VFR800 é incrivelmente confortável para percorrer longas distâncias também.

A posição do corpo é muito natural e descontraída, mas graças ao seu sistema de injeção de combustível EFI inteligente, sistema de travagem integrada e atuação da válvula VTEC, o VFR800 é uma tourer de longa distância económica e agradável de pilotar pela sua suavidade. Num mundo ideal, a VFR estaria em primeiro lugar nesta lista… mas, ao mesmo tempo, já precisa de uma atualização real para ser considerada superior a dez. Mesmo assim, a descontinuada ST1300 ou a atual VFR1200X da Honda não se portam tão bem como a VFR800, que ainda por cima custa só 13.100€.

 

9. Yamaha Tracer 900 GT

No papel, a Yamaha Tracer 900 GT é uma máquina difícil de bater. Com um estilo moderno e agressivo e construída sobre uma plataforma já experimentada, testada e apreciada, o mais novo membro da família Tracer está posicionada para ser uma favorita entre as Sports Touring. Movida por um motor de 3 cilindros em linha de 847cc com refrigeração líquida, que é mais comummente encontrado na MT-09, a Tracer 900 GT oferece condução bastante desportiva, com 115 cv, 64,5 lb -ft de binário máximo e uma velocidade máxima de 225 km/h.

Equipada de origem com um conjunto de ajudas à condução, incluindo o exclusivo controle de aceleração da Yamaha, a tecnologia de ajuste de resposta do acelerador, um sistema de controle de tração de vários níveis, piloto automático e um quickshifter, é fácil ver porque se tornou uma favorita. Ah, e a Yamaha esforçou-se para realmente fazer da Tracer uma turística desportiva eficiente, com uma posição de condução ajustável, nova suspensão aprimorada, um para-brisa ajustável, tomada elétrica de 12V e suportes de bagagem integrados.

Foi uma decisão difícil listar a nova Tracer 900 GT em relação à clássica da Yamaha, a FJR1300, mas achamos que a Tracer oferecia uma nova perspetiva mais atraente para o futuro. A Yamaha já confirmou que a Tracer 900 GT de 2019 é idêntica à actual, falta confirmar se o preço do modelo permanece nos 12.595€.

 

8. Suzuki GSX-S1000F

A GSX-S1000F da Suzuki não é a escolha óbvia para uma motocicleta turística desportiva, mas certamente acaba por preencher todos os requisitos: especificamente a desportiva. Adotando o DNA mecânico da era K5 da GSX-R1000 da Suzuki, a GSX-S1000F é movida por um motor de quatro cilindros em linha de 999cc que produz potência e binário suficientes para uma turística desportiva rápida. Além disso, que mais tem a oferecer?

Na sua iteração atual, a GSX-S1000F possui uma combinação de travões Brembo e ABS Nissin, suspensão KYB sofisticada, controle de tração avançado, sistema de assistência de embraiagem da Suzuki, e uma série de outras ajudas à condução, todas escondidas atrás da carenagem completa turística da GSX- S1000F.

Como já devem ter adivinhado, este modelo é mais uma moto desportiva na qual nos podemos locomover e não se compara a outras motos desportivas no departamento de versatilidade. No entanto, o que falta em versatilidade é mais do que compensado em potência e desempenho com foco na rua. Se quer uma máquina turística de desporto principalmente para viagens curtas, mas com a opção de ir mais longe se quiser, não pode errar muito com esta beleza. O PVP é atualmente €13.499 para o modelo básico equipado com ABS.

 

7. MotoGuzzi California 1400 Touring

Em 1970, quando a Moto Guzzi V7 police venceu o concurso para entrar na frota do LAPD (Los Angeles Police Department), foi a primeira vez que uma moto estrangeira conquistou a américa e um contrato de fornecimento, derrotando, além do construtor nacional, a concorrência inglesa. Conhecida por todos, amada por muitos e venerada pelos devoradores de quilómetros, durante a sua carreira de quarenta anos, a Moto Guzzi Califórnia patrulhou as auto-estradas norte-americanas, escoltou reis e presidentes e hoje em dia, totalmente atualizada, o bicilindrico em V de maior cilindrada produzido na europa oferece um binário de 120 nm a apenas 2.750 rpm, controlo de tração e tecnologia ride by wire multimapa, com três opções de motor: turismo, veloz e chuva.

O conceito de “motor elástico”, introduzido no intuito de obter um novo conforto de condução, consiste na fixação do motor ao quadro através de um sistema único que permite que as oscilações naturais do motor sejam filtradas e impedidas de ser transmitidas ao condutor e passageiro. Desta forma, além de garantir um alto nível de conforto, são obtidos altos níveis de rigidez. Por outro lado, os 740 mm de altura do banco permitem uma excelente maneabilidade, digna de uma scooter, apesar das malas de 35 litros. Preço, 20.628,00 €

 

6. Kawasaki 1400GTR Concours

A Kawasaki voltou à carga nas turísticas, depois da saudosa GTR de 1986, com uma enorme 1400, a Kawasaki ZX-14, seguida em 2007 da versão turística 1400GTR Concours. O motor de 1.352cc e 153 cavalos (chegando aos 157 com o efeito Ram-Air) foi revisto para privilegiar os regimes mais usados em viagem, incluindo um comando de válvulas variável e acompanhado de sistema de travagem integrado, e modo de economia de combustível.

Punhos aquecidos, ignição sem chave, vidro ajustável, computador de bordo, e bagagem dedicada, além dum compartimento porta-luvas trancável tornaram a 1400 numa das turísticas mais procuradas, apesar do preço não ser meigo. O último modelo é o de 2017, a 17.980€, já que em 2018 apenas houve uma atualização para ir de encontro às normas Euro 4.

 

5. BMW R1200RT

Comparada com outras como a Concours 14 da Kawasaki, ou a Yamaha Tracer, a BMW R1200RT pode não ser tão desportiva, mas certamente tem bastante DNA de turística. Dito isto, também já  não é lenta, na sequência do últimos avanços ao motor Boxer. Na verdade, pisa a linha entre a moto desportiva e a máquina turística, tornando-a uma concorrente valiosa para a coroa de “rainha das Sports Tourers”.

O propulsor é o habitual boxer bicilíndrico de 1.170 cc da BMW, que não vai colocar os números da S1000RR em jogo, mas o humilde boxer ainda é capaz de produzir cerca de 113,5 cavalos de potência e 82,7 kgfm de binário. Já que acoplado a este motor está um chassis bastante eficiente, a R1200RT acaba pro oferecer condução bastante leve, mostrando agilidade e conforto, ou não fosse a escolha de tantas forças policiais pelo mundo fora.

A experiência de condução é obviamente mais confortável e descontraída quando comparada com outras máquinas aqui listadas, e a BMW torna-a ainda mais luxuosa com a adição de modos de passeio selecionáveis, cruise control, suspensão semi-ativa, um computador de bordo inteligente, malas, um para-brisas operado eletronicamente, punhos aquecidas e uma ignição sem chave. Falta um pouco de “uau”, mas faz o trabalho e faz bem. Por tudo isto, há que pagar um total de 18.500€.

4. BMW K1600GT

A BMW K1600 GT entrou no seu sétimo ano de produção em 2017 com uma nova revisão para o modelo de 2018. O motor de seis cilindros em linha torna-a única e coloca-a na categoria super-tourer só à custa dos números de binário e potência de 160 cavalos, que lhe dão um desempenho sólido, apesar do seu peso não desprezível de quase 350 Kg.

Feita para viajar, a K1600 estabelece um equilíbrio entre espaço de bagagem e estética para uma espécie de visual “Euro-bagger” que se compara bem com a nova Goldwing da Honda, já que ambas dispensaram com o “top case” em favor de um visual mais esguio da traseira. Este mastodonte bávaro traz uma atitude estilosa de alta tecnologia para o jogo, com desempenho à altura a apoiá-la e todos os tipos de ajudas como controlo eletrónico da suspensão, ABS utilizável em curva, controlo de tração, acelerador eletrónico e vários modos de pilotagem. Não admira que seja das mais caras, a € 29.443.

 

3. Honda GL1800 Gold Wing

A Gold Wing original recua no tempo até 1976 e ainda hoje parece majestosa, suave e bem equilibrada. Completamente redesenhada para 2018, com um novo quadro, motor e sistema de suspensão, em conjunto com uma grande redução de peso, a nova Goldwing conta com 4 modos de condução, DTC, sistema “throttle by wire” e diversas outras funcionalidades inovadoras e interligadas.

O modelo emblemático da Honda continua a dominar nos capítulos do conforto e do luxo, seja na cidade ou em viagem. Fiel às suas raízes, mas agora com 4 válvulas por cilindro e cabeças de cilindros Unicam, a sonoridade e a sensação oferecidas pelo motor da Gold Wing sempre foram e continuam a ser únicas. O motor de 6 cilindros opostos surge colocado numa posição mais avançada no quadro, o que oferece condução mais equilibrada e com melhor feedback.

A aceleração rápida, desde as baixas rotações e a sonoridade distinta do escape depressa trazem um sorriso ao condutor, assim que os limites da cidade ficam para trás. Todo este equipamento reflete-se no preço de 31.000€.

 

 2. Ducati Multistrada

A Multistrada vem numa ampla gama de tamanhos e paladares nos dias de hoje, mas como esta é uma lista hipotética, vamos olhar para a máquina de topo de gama da Ducati, a Ducati Multistrada 1260 Touring S. Não é uma escolha convencional para uma turística escolha, mas pode muito bem ser uma das melhores.

Ao longo dos anos, a gama Multistrada tem sido muitas coisas, desde uma tentativa feia de uma moto de Tour-aventura até os atuais modelos sofisticados de hoje, mas não importa que modelo seja colocado à sua frente, todos concordamos que a Multistrada oferece bastante capacidade desportiva e turística para se aguentar bem com outros modelos de Sports Tourer.

A 1260 Tourer S é movida por um potente motor de 2 cilindros em V desmodrómico que é capaz de produzir 158 cv e 95,5 lb-ft de binário, o que é mais do que suficiente para satisfazer a maioria, mas para tornar as coisas mais interessantes, a Ducati ainda apresenta suspensão ajustável eletronicamente, modos de passeio selecionáveis, controle de tração, ABS em curva, controle de wheelie, controle de cruzeiro, conectividade Bluetooth completa e muito mais. Tudo por uns meros 20.995€. É a rainha das Sports Tourers? Bem podia ser, mas temos mais uma concorrente para ver…

 

 1. Kawasaki Ninja H2 SX

A Kawasaki adicionou lenha à fogueira das motos turísticas desportivas quando lançou asua nova H2 SX. O que aqui temos é uma moto muito desportiva feita sob medida para dominar o mercado das turísticas. Armada com o mesmo motor sobrealimentado de 1000cc encontrado na H2 e H2R (ligeiramente afinado para dar ainda mais binário) com um sistema de sobrealimentação revisto e entrada, pistões revistos, um novo cabeçote, um novo cilindro, cambota e árvores de cames, e uma data de outras partes novas também, a H2 SX continua a debitar 200 cv, com 101 lb-ft de binário e uma carga inteira de emoções.

No entanto, as revisões realmente tornaram a H2 SX mais amigável e mais fácil de pilotar do que as irmãs puramente desportivas, graças ao melhor binário em médias, e uma economia de combustível mais sensata. Para tornar as coisas mais orientadas para a turística, a Kawasaki adicionou um tanque de combustível maior, reviu a aerodinâmica e acrescentou capacidade de bagagem. Pode não parecer muito, mas é um grande salto em frente.

Para facilitar a pilotagem, a Kawasaki ofereceu à H2 SX os melhores componentes eletrónicos, incluindo uma Unidade de Medição Inercial de 6 eixos para controle de tração, controle de cruzeiro, ABS inteligente, três modos de potência selecionáveis, e quickshifter bidirecional… que deve dar jeito num motor sobrealimentado! E quanto a esse preço de 20,995 €… depois disto tudo, quase parece barato, não é?

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!