Gasolinas: Cuidados a ter no uso do combustível

By on 17 Junho, 2021

A irreversível perda de propriedades da gasolina com o tempo, o seu armazenamento, o indíces de octanas (95, 98…), ter mais ou menos etanol, a sua volatilidade e as melhores escolhas para manter em forma o motor da sua moto, são alguns dos aspectos que analisamos neste artigo sobre combustíveis.     

Quer se tratem de motores a quatro ou dois tempos, com carburador ou sistema de injeção, tendo um ou mais cilindros, alinhados em linha, V4 ou boxer – todos têm pelo menos uma coisa em comum: nada funciona sem combustível. Nos motores de combustão, o combustível e o ar são comprimidos pelo pistão e, em seguida, inflamados até à fase de explosão, quando a energia química armazenada na gasolina é libertada. Se um motor funcionar corretamente, este sistema complexo e ao mesmo tempo simples, funciona de forma relativamente suave; a gasolina entra, limpa constantemente os canais de circulação e todo o sistema de combustível, deixando apenas pequenos depósitos como um produto residual da combustão.

Indíce de octanas: 95 ou 98?

A tendência habitual é optar pela gasolina de 95 octanas, mais em conta para o bolso, mas quase sempre desaconselhada para motos de alta performance

Uma das perguntas mais frequentes, é a de saber qual o índice de octanas certo para a moto. Neste caso, a resposta varia consoante o tipo de motor, género de moto e idade da mesma. Por exemplo, não podemos colocar no mesmo patamar de exigência uma moderna superdesportiva e uma antiga moto de enduro de dois tempos. Nesta última não será uma preocupação o número de octanas, porque o motor funcionaria com gasolina abaixo do padrão europeu de pelo menos 95 octanas.

No entanto, o índice de octanas prescrito pelo fabricante não deve ser reduzido, especialmente no caso de motores de alta performance. Um exemplo concreto sucedeu com um proprietário de uma KTM RC8 que teve um furo no pistão depois de apenas três quilómetros de aceleração ao máximo com combustível de 95 octanas em vez do recomendado Super Plus 98; resultando numa avaria grave do motor. 

Um número de octanas mais elevado significa mais resistência à detonação, isto é, uma ignição da mistura mais controlada e ajustada com maior precisão

No caso desta RC8, havia frentes de chama espontâneas e indesejadas no motor, que colidiram com a regular, o que levou a enormes picos de pressão que provocaram o referido dano. 

A gasolina não só precisa de fazer a ignição no tempo certo, mas, o que é mais importante, precisa fazê-lo bem! Os seus vários hidrocarbonetos evaporam ou fervem numa faixa entre 30 e 200 graus Celsius, permitindo assim que a mistura de gasolina-ar entre em ignição. 

Nas gasolinas premium, um número de octanas mais alto significa mais resistência à detonação, ou seja, uma ignição mais controlada e precisa da mistura

‘Envelhecimento’ da gasolina é um problema?

No caso de um arranque a frio, os componentes voláteis da gasolina são particularmente importantes – mais no inverno do que no verão. Depois de um longo período de tempo do combustível no depósito, as moléculas gasosas escapam gradualmente da gasolina, evaporam-se para fora dos depósitos de plástico e escapam através do sistema de ventilação dos depósitos de metal. No caso de um longo tempo inactiva, este é um fator significativo de ‘envelhecimento’ da gasolina, que se torna mais pesada (componentes menos leves) e perde muita da sua inflamabilidade.

O que fazer no caso de longos períodos de inactividade?

Durante as ‘férias’ de inverno que dá à sua moto, especialmente em baixas temperaturas este é o menor dos problemas. Qual a razão então para tomar medidas defensivas com a gasolina no depósito? Basicamente, a gasolina é um produto com vida útil limitada. 

O envelhecimento da gasolina começa assim que sai da refinaria e, portanto, do seu local de origem. De acordo com a BP, operadora da maior rede de postos de gasolina alemã Aral, a sua gasolina premium Ultimate 102 pode ser armazenada com segurança por cerca de um ano – desde que armazenada corretamente. No fundo, é como as vacinas que se não forem guardadas a baixas temperaturas, perdem muitas das suas propriedades. 

Acima de tudo, há a questão de como exatamente a gasolina é armazenada. Quanta luz e ar entram no combustível e a que flutuações de temperatura o combustível está sujeito  

Diversas amostras de combustível em análise laboratorial

Melhor ou pior a mistura com etanol?

Possivelmente, alguns de vocês já repararam nas incrições E5 a E10 existente em muitos postos de abastecimento. Esses índices, indicam a proporção do chamado bioetanol, ou seja, álcool adicionado de matérias-primas renováveis.

Genericamente, diz-se que o combustível E10 mais barato e ecologicamente correto (menos CO2!) tem um consumo maior

Um teste em 30.000 km realizado há já algum tempo confirmou-o: uma frota de veículos movida a E10 consumiu quase um por cento a mais, cerca de 0,06 litros por 100 km. Nesse aspecto, a vantagem de preço em relação ao E5 é real. 

O problema do etanol como combustível é outro, e traz-nos de novo de volta ao tema do armazenamento. Como é bem sabido, o álcool tem uma vida útil muito longa. No entanto, danifica o combustível se não for usado por muito tempo: o etanol é higroscópico, por isso atrai água do ar ambiente.

Assim, após longos períodos de inatividade da sua moto, é conveniente abastecer com combustível sem etanol, ou no máximo gasolina como o índice E5 e não E10. Especialmente durante o inverno, as misturas de etanol e água são muito agressivas, são mais pesadas ​​que a gasolina, cedem e, como “solventes”, podem destruir as dobras de tanques de metal com a ferrugem.

Deixar ou não gasolina no depósito?

Combustíveis premium por hábito não contêm etanol, são um pouco mais caros, mas o motor funciona melhor. É verdade que um pouco de ar sempre entra na gasolina por meio da ventilação do depósito. No entanto, existe uma solução para o evitar:

Atestar o depósito ajuda a minimizar essa “respiração do depósito”, deixa de existir espaço entre a gasolina e a parede interna do depósito, menos oxigénio chega ao combustível e menos condensação existe. 

Para um armazenamento longo da moto, especialmente em depósitos plásticos ou de fibra como acontece nas motos de todo-terreno, estes devem ser esvaziados por completo e a gasolina ser armazenada num jerrican metálico. Mesmo os depósitos de metal que fiquem fora de serviço durante muito tempo, ficarem também a seco vale a pena, mas isso também envolve outras partes do sistema de combustível. Por exemplo, deve também esvaziar o carburador (se não for motor de injeção) que é particularmente propenso a corrosão e depósitos. Portanto, abra o bujão de drenagem e retire com cuidado a gasolina fluindo, ou esvazie as câmaras da bóia com a válvula de combustível fechada e o motor a funcionar.

Sejamos claros: quando a gasolina envelhece, as substâncias de baixo ponto de ebulição que são importantes para uma partida a frio evaporam primeiro. O fornecimento inevitável de ar ao sistema de combustível, também faz com que a água se acumule no depósito – o risco aqui é menor com a gasolina sem etanol. A água promove corrosão e pode danificar o depósito e tubos de circulação da gasolina.

Porque deve ser evitada a oxidação?

O terceiro processo indesejável é a oxidação numa gasolina parada durante muito tempo. De acordo com especialistas, o oxigénio que chega ao combustível pode criar dois tipos de compostos: compostos insaturados no combustível, chamados olefinas (que podem reagir com o oxigénio do ar) e formação de polímeros, tudo resultados numa espécie de resinosa  que pode obstruir linhas, carburador ou bicos de injetores. Os restauradores de motos antigas conhecem bem esse fenómeno irritante! 

Por comparação pense nisto: mesmo uma corrente não lubrificada pode funcionar de alguma forma, mas certamente não para sempre. O combustível antigo ainda pode funcionar, mas de forma deficiente e imprópria para manter o motor com boa ‘saúde’.

2ª Parte: Usar aditivos na gasolina é recomendável?

Continua…

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments