7 Dicas fundamentais para viajar de moto nas vossas férias

By on 31 Julho, 2019

Estamos no período de férias e muitos optam por viajar de moto, em grupo ou com pendura, e desfrutar do prazer imenso que é viajar em duas rodas.

  1. Planeamento prévio… recomenda-se

Há quem seja muito organizado e que tenha por exemplo um “check list” preparado para que não lhes falte nada durante a viagem, inclusivamente naquelas situações mais inesperadas que podem sempre ocorrer e por não levarmos connosco aquilo que mais falta faria nesse momento podermos ficar com uma má recordação das nossas férias, coisa que ninguém quer.

Para podermos ir em segurança evitando contratempos ou enfrentando situações inesperadas com tranquilidade e em segurança, tem que existir um máximo de planeamento e um mínimo de equipamento necessário para resolver diferentes situações.

Ter um plano das etapas a realizar é sempre bom, sobretudo se viajas acompanhado pois as nossas penduras normalmente gostam e exigem um mínimo de organização. Que locais visitar e onde pernoitar é sempre bom definir em antecipação e se se possível cumprir o mesmo realizando previamente as marcações necessárias e levando connosco os contactos para numa eventualidade podermos avisar da nossa chegada, caso seja tardia, motivada por algum imprevisto.

Há também aqueles que gostam de viajar sem destino e ao sabor da estrada, normalmente sozinhos, levados pelo vento e guiando-se pela sua própria sombra, como um amigo me comentava que gostava de fazer. Esse é outro estilo que não tratamos neste artigo e abordaremos com um “case study” do tal especialista neste tipo de aventuras sem destino.

  1. Moto com revisão feita e em condições para viajar

Depois de um bom planeamento e dos contactos realizados com os locais onde iremos pernoitar há que garantir que a nossa moto está em condições para percorrer em segurança os Kms que nos propomos realizar.

Nesse sentido recomenda-se uma pequena revisão para garantir que está tudo nas melhores condições. Pneus, bateria e travões assim como o óleo no melhor nível e corrente devidamente lubrificada caso seja esse o meio de transmissão.

  1. Espaço extra para bagagem

Neste apartado normalmente recomenda-se a colocação de malas laterais e top case, com volume suficiente para ser colocada a bagagem que se propõem levar. Algumas malas dos vários fabricantes existentes, ( ex: SHAD ou GIVI ) têm para além das malas rígidas uns sacos à medida dos interiores das mesmas que permitem manter as malas colocadas na moto, e apenas levarmos os sacos, de material maleável, sempre que paramos para pernoitar.

Há quem opte por sacos laterais e de topo do tipo flexível, alguns de material impermeável e outros que têm como opção uma capa impermeável extra que se pode adquirir para o efeito. Há quem prefira este tipo de bagagem pois permite adaptar o seu tamanho à quantidade de items que carregamos e assim a resistência ao ar ser em função do volume que transportamos. Por outro lado provocam menos ruídos e correm menos risco de se danificarem em caso de caída podendo inclusivamente funcionarem como “almofada” amortecendo a queda.

Recomenda-se também a colocação de um saco de depósito onde levamos as coisa de maior valor e que é mais facilmente retirável e transportável sempre que paramos em qualquer lugar para abastecer, alimentar-nos, descansar ou visitar algum lugar.

Sacos GIVI waterproof

  1. Equipamento

Outro dos elementos fundamentais é o nosso equipamento que deve ser selecionado em função da viagem que vamos realizar, as zonas por onde iremos passar, pois não é o mesmo rodar no topo da montanha que à beira mar, a previsão do tempo durante o período de viagem e nos vários locais, a imprevisibilidade do mesmo pois as tão comentadas alterações climáticas têm efeito imprevistos e logicamente a época do ano em que decidimos viajar, pois no verão é uma coisa e no inverno será outra.

NEXX-X Vilitur

Mas comecemos por cima e aí temos o capacete, elemento de segurança mais importante. Deve ser fechado ou modular e incluir viseira interior escura, que pode ser muito útil durante o dia mas que ao anoitecer deve ser recolhida. No caso do capacete ser algo ruidoso poderemos usar tampões nos ouvidos, dos que não nos inibem de manter alguma audição do que se passa à nossa volta.

SENA Intercomm

Há quem opte por montar intercomunicadores, muito úteis se viajarmos a dois, o que torna a viajem mais partilhada, podendo servir não só para conversarmos com o nosso pendura como para ouvir música ou atender chamadas. Alguns intercomunicadores estão ainda dotados de Câmera que permite filmar o exterior ou tirar fotografias.

O Blusão deve ser de qualidade, com proteções no interior ao nível dos cotovelos e ombros, com bolsos exteriores e interiores para colocação de documentação ou pequenos objectos, e ter fechos de ventilação para o caso de em tempo quente podermos abrir os mesmos.

Macna Cooling Vest _ Colete interior de arrefecimento

Se o tempo estiver instável então deverá ser impermeável ou levarmos connosco o fato de chuva. Se no trajecto existir montanha e a temperatura no percurso ser baixa então deveremos também levar um forro térmico na bagagem para para o mesmo. E tudo isto vezes dois caso estejamos a viajar com pendura.

As Calças devem também ser adequadas para moto, resistentes à abrasão e com reforços e proteções nos joelhos e ancas. Se puderem incluir forro para o frio na vossa bagagem tanto melhor.

O calçado deve ser também apropriado e cobrir pelo menos os tornozelos, sendo de preferência em material resistente e impermeáveis.

As luvas são também elementos essenciais para viajar de moto, para proteção contra vento e frio ou em caso de queda minimizar “estragos”. Quem conduz deve levar luvas que mantenham a sensibilidade suficiente para manipular os vários botões situados nos punhos, de sinalética ou de alteração de resposta da moto no caso da mesma ter modos de motor ou ajustes de controle de tração e ou ABS.

Para terminar no final de cada dia deveremos sempre proceder à limpeza pelo menos do capacete, sobretudo da viseira, que certamente terá vestígios do percurso realizado, utilizando líquido especial para o efeito e um papel tipo Kleenex humedecido. Cuidado com alguns papeis que têm uma textura agressiva e podem riscar a viseira.

Uma última dica é a utilização de uma balaclava interior, em seda ou algodão ( nunca em material acrílico ) que aumenta do contacto da nossa cabeça com o interior do capacete e permite ser lavada ao final de cada etapa caso necessário estando seca ( e cheirosa ) no dia seguinte para voltar a ser utilizada.

Quanto à restante roupa será um pouco ao critério de cada um e de acordo com o número de dias e espaço disponível. Se ficarem mais de um dia num determinado local podem sempre lavar parte da roupa já utilizada.

  1. Acessórios para a tua moto

Para além das malas que já comentámos antes existem outros elementos que em viajem fazem sentido contemplar. Exemplo disso poderá ser a montagem de um écran mais alto que permita obter mais proteção em viagem e tornar menos cansativa a exposição ao vento. Outra poderá ser montar proteções para as mãos, do tipo moto Adventure que não protegem de impactos de insectos e pedras como também do frio e da chuva.

Proteções laterais de motor e depósito podem também fazer sentido serem montadas já que em caso de caída, até mesmo com a moto parada, as mesmas podem salvaguardar os elementos principais da moto. No caso das motos mais desportivas há ainda quem monte “cogumelos” deslizadores.

Nas motos do tipo Adventure, que hoje em dia são inclusivamente as mais adoptadas para viajar tendo-se tornado nas novas Tourers, é comum montarem-se faróis auxiliares que aumentam substancialmente a visão em condução nocturna.

Outro dos elementos que normalmente vemos montar são também os suportes de equipamento de navegação, seja telemóvel ou GPS, ninguém parte hoje em dia sem a ajuda preciosa deste tipo de equipamento que ajuda a manter-nos no caminho traçado ou a buscar alternativas com mais facilidade se assim o desejarmos.

  1. Ferramentas e utensílios

Ora bem ninguém está livre por exemplo de ter um furo, ou de num momento determinado ter que apertar um parafuso, por exemplo, que se desapertou com a vibração. Se os pneus são do tipo tubeless então deveremos incluir um kit específico de reparação e eventualmente pedir a alguém que saiba realizar a reparação que nos explique como fazê-lo.

Os kits normalmente incluem uma ou mais botijas de CO2 para enchimento rápido mas a pressão deverá ser posteriormente confirmada num próximo posto de bastecimento. No caso dos pneus serem de câmara, o processo de reparação é mais complicado pois exige desmontar roda e pneu. Se tem essa capacidade então deverá levar consigo uma ou duas câmaras de ar em função da dimensão das rodas. A de dimensão mais pequena poderá ser sempre ajustável à de dimensão maior pois o material é elástico, isto no caso de querer levar apenas uma Câmara de Ar. De todas formas recomenda-se sempre a montagem de câmaras de ar reforçadas que minimizam a ocorrência de furos

As motos normalmente incluem um pequeno kit de ferramentas para os ajustes mais importante mas no caso de furos poderá querer incluir para além do kit tubeless referido, também uns desmontas e chaves específicas para ambos os eixos de rodas e pinças de travão.

 

Outro elemento que deverá sempre incluir é um pequeno estojo de primeiros socorros, com pensos, ligaduras, banda elástica para estancar hemorragias, uma tesoura, adesivo e desinfectantes.

Para além de tudo o que já referimos não podemos deixar de levar o chamado “Kit McGiver” que inclui, um rolo de fita americana ( 3M ), abraçadeiras rápidas ( zip ties ) e um canivete multifunção ( tipo suíço ).

  1. Kit de Hidratação e Energia

Para terminar dois elementos essenciais que nos deverão sempre acompanhar. A água é fundamental, sobretudo se rodamos com altas temperaturas em que o corpo sofre uma maior desidratação. Há quem leve bolsas interiores dentro do blusão com tubo para sempre que necessário beber e hidratar. No entanto haverá espaço certamente na bolsa de depósito para colocarem uma pequena garrafa térmica de aço inox ( mais resistente que o plástico ou o alumínio ), com uma porção de água fresca, que deverá ser renovada todos os dias.

Para assegurar que a energia não se desvanece, sobretudo quando pretendemos realizar etapas mais longas para chegar a um determinado destino, e não havendo tempo para grandes refeições pelo caminho, o levar umas barras energéticas ou qualquer outro tipo de alimentos que reponham rapidamente os nossos níveis de energia torna-se fundamental. Qualquer loja de desporto ( Decathlon por exemplo ) tem disponíveis todo o tipo de alimentos energéticos, escolham aqueles que mais apreciam.

Como princípio e para que nada fique esquecido façam mesmo um “check list” assim há a certeza de que estão devidamente equipados para tornar a vossa viagem inesquecível. Boas Férias e conduzam com cuidado.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!