Teste Yamaha MT-07 – Uma excelente opção urbana

By on 2 Setembro, 2020

A Yamaha chama à sua MT07 uma Hyper Naked, salientando as características desportivas do motor bicilíndrico paralelo de 689cc mas o que ela é, isso sim, é uma excelente moto para utilização mista, acessível, versátil e ágil.

As origens do modelo recuam a 2014, tendo passado a ter travagem ABS como equipamento de origem em 2018, e agora uma atualização estética para 2020.

O Motor

O motor de 689cc da Yamaha MT07 debita 75 cavalos produzidos às 9.000 RPM, e é um bicilíndrico paralelo CP2, que emprega a tecnologia de desfasamento da cambota a 270 graus a que a Yamaha chama “CrossPlane”. Esta tecnologia, proveniente da R1 de Superbike, desfasa a ordem de disparo dos cilindros a 270 graus, em vez dos 180 graus convencionais, e está na origem da sensação de suavidade e excelentes caraterísticas de tração do motor, que parece quase um V2, sempre pronto a responder muito a partir de baixos regimes e aparentemente dotado de uma suavidade infindável. Graças a esta unidade de 8 válvulas, a Yamaha MT 07 está tão à vontade no trânsito citadino como em curtos percursos de Auto-estrada ou a atravessar estradas regionais dando luta a alguma desportiva. O motor é mesmo a estrela deste conjunto, uma unidade espantosamente flexível e agradável, com uma boa sensação de resposta no punho, reação imediata a qualquer solicitação do acelerador e uma suavidade que nega a sua configuração de bicilíndrico paralelo.

Só se permitirmos ao motor baixar muito de regime é que vamos experimentar aquele bater típico deste tipo de motores, de resto, acima das 3.500 até ao redline de 9.000 e um bocadinho para lá, o motor fornece sempre potência, subindo alegremente de regime com suavidade e acelerações adequadas, se não propriamente espantosas, até bem para lá do que seria confortável, ou legal, levar uma naked.

A ciclística

Quando dizemos que o motor é a estrela do conjunto, até porque, como de rigor nas Yamaha, é servido por uma caixa suave, de seleção positiva e bem escalonada ao longo das suas 6 relações, não se entenda por isso que falta alguma coisa ao chassis da Yamaha MT07.

Pelo contrário, dotada de um quadro tubular diamante, também aqui a moto está imensamente à vontade em manobras lentas em cidade ou em curvas profundas e encadeadas a maior velocidade, e revelou muita linearidade, quer na inserção em curva quer na manutenção da trajetória escolhida.

Só que, lá está, com um preço base de €6.995 não se pode pedir muito mais e o calcanhar de Aquiles desta MT07 é um garfo dianteiro sem ajuste e um bocadinho duro demais. A unidade tem tendência a repetir muito qualquer solavanco nas nossas estradas, e embora maravilhosamente complementada por um excelente amortecedor traseiro, montado diretamente nos cárteres, que ajuda à simplicidade do modelo, isso pode tornar condução espirituosa um bocadinho desagradável. Do lado da travagem também não há nada dizer, o excelente disco traseiro de 245 mm dá imensa sensação e é ótimo em cidade, e os dois potentes discos pétala de 282 mm à frente também cumprem perfeitamente a sua função, sem que a mordida por vezes seja tão imediata como outros modelos que poderíamos mencionar.

A MT07 insere-se na série a que a Yamaha vem chamando “The Dark Side of Japan”, um piscar de olhos às suas irmãs maiores MT10 e MT09, essas sim, verdadeiras streetfighters.

A condução desportiva resultante, que é uma vocação escondida desta moto, é ajudada pelos excelente pneus Bridgestone Battlax , em 120/70/17 dianteiro e 180/55/17 traseiro, que muito contribuem para a maneabilidade e comportamento linear nas curvas, sem serem alheios ao ocasional escorregão sobre linhas brancas, mas nunca nos fazendo perder a confiança no conjunto.

Ergonomia

Em termos de ergonomia, a moto também é uma boa combinação de acessibilidade e conforto, vamos sentados algo direitos no banco de 805 mm de altura, com os pés colocados corretamente, nem muito à frente nem muito para trás, e graças ao guiador quase plano, com um bocadinho de inclinação podemos facilmente chegar à frente e tirar o corpo do vento, visto a proteção aerodinâmica ser praticamente inexistente. Isto em velocidades acima dos 140 Km/h, até lá a inclinação normal do tronco dada pelo guiador algo direito e bastante curto é perfeitamente adequada. A informação no pequeno mostrador LED inclui trips, mudança selecionada, nível de combustível, horas, e luzes avisadoras várias. Com a Yamaha a reclamar cerca de 4,3 l de consumo aos 100 para este modelo, confessamos que esperávamos um bocadinho mais de economia, pois na verdade com condução espirituosa o modelo fica-se por volta dos 5,5 l, que mesmo assim, em vista das prestações, não é assustador.

A MT07 tem um bom banco, relativamente confortável para o condutor, mas nem tanto para o pendura, até porque a pequena plataforma que lhe é destinada é um bocadinho afastada para trás e cria um intervalo entre ambos. O seu peso de 182 quilos, tudo inclusivo, acaba por se revelar muito ligeiro em condução, mas talvez gostássemos que o depósito de 14 l levasse um bocadinho mais, porque parece que a cada passeio está a acusar a necessidade de ser reabastecido de novo.

As versões de cor disponíveis deste modelo são três, com a unidade ensaiada o chamado Ice Fluo, um cinza mate onde ressaltam pormenores como as linhas no depósito e jantes a laranja fluo, o Icon Blue, um azul profundo que é muito típico Yamaha e lindíssimo na nossa opinião, e um negro HiTek Black para quem gosta de apostar numa coisa mais discreta.

FICHA TÉCNICA Yamaha MT07
Motor Bicilíndrico Paralelo, refrigeração líquida,
4 tempos, DOHC 8 válvulas
Potência 74,8 cv às 9.000 rpm
Binário Máximo 68 Nm/6.500rpm
Diâmetro x Curso 80 x 68,6 mm
Ignição /Alimentação TCI/ Injeção eletrónica
Emissões CO2 100 g/km de CO2
Cilindrada 689 cc
Embraiagem Multidisco em banho de óleo
Ciclística Diamante em aço tubular
Dimensões 2.085 x 745 x 1090 mm
Suspensão Frente Forquilha telescópica, curso 110 mm
Suspensão Traseira Monoamortecedor em Braço oscilante, curso 75 mm
Angulo direção/ Trail 24.50 graus /90 mm
Pneus, Frente – Trás 120/70 R17 – 180/55 R17 tubeless
Travão dianteiro Discos 282 mm c ABS
Travão traseiro Disco 245 mm c ABS
Altura do assento 805 mm
Distância entre eixos 1400 mm
Distância livre ao solo 140 mm
Transmissão final Corrente
Peso, ordem de marcha 182 Kg
Depósito de combustível 14 litros
Preço 6.995 €

A concorrência

Quanto à concorrência, existe a Kawasaki Z650, que custa 7.390 Euros embora com 68 cv às 8.000 rpm ofereça menos 7 cavalos que a MT07, a Suzuki GSX750A, que com motor tetra cilíndrico tem muito mais potência, 99 cavalos, mas também custa 9,399 Euros e pesa 211 Kg, e a Ducati Monster 797, que oferece exatamente a mesma potência de 75 cv para 175 Kg, mas por um preço também mais elevado de 9.345 Euros… Decerto, as qualidades que salientámos de agilidade, flexibilidade, boa resposta motor e ainda por cima uma excelente relação preço-desempenho colocam a MT07 como a estrela do segmento, uma moto ágil, versátil, agradável de conduzir e confortável.

 Yamaha MT-07 6.995€ / 75 cv / 182 Kg

 Benelli 752S 7.480€ / 76 cv / 228 Kg

Ducati Monster 797 7.345 € / 75 cv/ 175 Kg

Kawasaki Z650 7.390 € / 68 cv/ 197 Kg

Suzuki GSX750A 9.399 € / 99cv / 211 Kg

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments