Andar com ‘pendura’: o que precisa saber!

By on 12 Junho, 2020

Andar a dois numa moto, exige método e preparação, e por isso hoje damos alguns conselhos para evitar que o seu passeio ou viagem se torne num pesadelo.

Noções básicas para andar a ‘duo’:

Quando duas pessoas andam de moto, as transferências de peso e os movimentos de compensação são exacerbados, geram movimentos inesperados que podem interferir na pilotagem e no conforto do passageiro. Em seguida, enumeramos algumas regras básicas para o evitar:

  1. Conselhos para o condutor

SEJA PRUDENTE. Com ‘pendura’, não abuse no uso do acelerador e travões: quanto mais for progressivo no uso desses dois componentes, mais suave se vai dar a transferência de massa, portanto, menores inconvenientes para o duo. Esta é também uma ‘regra de ouro’ para não amedrontar o ‘pendura’ e sentir o capacete dele a colidir com o seu.

ANTECIPE MANOBRAS. Devido ao excesso de peso com passageiro, será normal que a moto fique com menor distância ao solo e com mais inércia nas curvas. Portanto, deve inclinar-se menos, até porque haverá menos sub-viragem. Assim, antecipe e cuide das suas trajetórias de um modo mais razoável.

TRAVE PROGRESSIVAMENTE. Use mais o travão traseiro. Ao travar com o elemento dianteiro, todo o peso da veículo tomba sobre o garfo, o que comprime e acentua a transferência de massa. A travagem com o disco (ou tambor) traseiro também desacelera a sua moto, de acordo com o potencial das pinças de travão, mas sem acentuar a transferência de massa.

Numa travagem mais forte, retenha sempre primeiro a velocidade com o travão traseiro, e só depois exerça uma força mais acentuada na manete do travão dianteiro.

Mas, claro, há imprevistos… Caso as pinças da unidade traseira apresentem muito desgaste, e uma resposta menos eficiente por forma a reter a velocidade, deve, excecionalmente, pressionar a unidade dianteira de forma muito progressiva, travando depois com o travão traseiro.  

MUDAR VELOCIDADES. Mude de marchas mais suavemente. Não é só pela aceleração ou travagem que cria movimentos inesperados na moto, mas também quando muda de relação nas engrenagens da caixa de velocidades: um quickshifter atenua essas reacção mas também não as elimina na totalidade. Este componente que já vem de série em algumas motos desportivas, limita os solavancos relacionados com o ‘tempo morto’ da embraiagem, permitindo mudar de marchas rapidamente .

Numa caixa normal dê um toque de acelerador na mudança de marchas. Isto permite reduzir o fenómeno de ‘travão-motor’ ao descer as marchas e reduzir a velocidade, limitando as oscilações e solavancos da moto. Assim, a diferença na velocidade de rotação entre o motor e o acoplamento dos discos de embraiagem será menor e, portanto, o ‘travão-motor’ também irá diminuir.

POSIÇÃO NA MOTO. Na condução a dois não precisa de extremar a sua posição, por exemplo chegando o corpo todo para junto do depósito. Não faça isso. Mantenha a sua postura habitual sobre a moto; braços levemente dobrados para amortecer os choques, pés bem assentes sobre as peseiras, nádegas na parte inferior do assento, porque essa parte é geralmente a mais grossa e assim ganhará mais conforto na viagem. Dessa forma ajudará o seu companheiro(a) a movimentar-se no seu espaço de assento, a apoiar-se nos apoios de mãos (caso existam) ou a agarrar-se ao seu tronco.

Lembre-se disto: na condução a dois, é fundamental adoptar a mais correcta postura, assegurando maior conforto…. e sobretudo segurança, a si próprio e, por consequência a quem o acompanha.   

2. Algumas ‘dicas’ para o pendura

No entanto, não é apenas ao condutor que cabe respeitar certas ‘regras’ no posionamento sobre a sela. Também a nossa companhia deve ter alguns cuidados para não comprometer a própria condução do veículo. Pense nisto: nos side-cars de motociclismo, e mesmo nos ralis de automóveis, o ´pendura’ tem um papel crucial na pilotagem!!!

SUBIDA PARA A MOTO. Primeiro conselho: suba para a moto sem se apoiar nos apoios para os pés, porque ao fazê-lo vai desequilibrar a moto e pode surpreender o condutor. Portanto, avise-o! Se a moto não estiver muito alta e/ou não estiver munida de uma top case, deve de preferência subir para a moto passando a perna sobre a ótica traseira, colocando o traseiro na sela antes de pôr os pés nos apoios.

O condutor pode usar o descanso lateral (ou central, caso exista) para segurar a moto quando você subir para a mesma. E, estacionando a moto junto a um passeio, facilitará a subida ao ‘pendura’!!!

INCLINAÇÃO CONTRÁRIA. Siga o condutor com o seu corpo como se fossem um único elemento. Por medo de curvas, alguns passageiros inclinam o tronco para o lado oposto ao ângulo da moto … Um enorme erro! Além de inútil, prejudica o equilíbrio da moto e atrapalha o condutor, comprometendo a segurança a ambos.

TRAVAGEM. Não ‘esmague’ o condutor. Quando o ‘pendura’ se empolga com a inércia e colide com o piloto numa travagem forte, empurra-o para a frente e pode tocar inadvertidamente nos ombros, braços e mãos, zonas do corpo que são cruciais à condução. Sobretudo, tome cuidado para não atrapalhar os movimentos do condutor.

SEJA FIRME E METÓDICO(A). Um bom posionamento na moto é fundamental para o correto equilíbrio e segurança do veículo. A mão direita do ‘pendura’ deve ser móvel, apoiando-se no depósito durante a travagem, e agarrando o condutor durante a aceleração.

A mão esquerda permanece de preferência nas pegas de apoio para o passageiro. O passageiro também pode usar as pernas para se levantar ligeiramente e amortecer ao passar um choque (buracos…), como faz o piloto, evitando assim choques muito violentos nas vértebras.

APOIO DE JOELHOS. Para estar o mais próximo possível da moto e do condutor, mas também para se segurar melhor, pressione os joelhos contra as coxas do condutor e dobre ligeiramente o corpo, mantendo os braços flexíveis. Isto garante-lhe mais conforto e segurança como segundo ocupante da moto, erradicando aquele ditado demolidor de ‘lugar do morto’!!!

3. Acessórios práticos

Existem vários acessórios para a condução em duo, que tornam as viagens ou pequenos passeios mais fáceis e menos desgastantes:

BANCO ANTI-DERRAPANTE. É uma cobertura de banco antiderrapante para o ‘pendura’. Isso impede que escorregue em direção ao condutor, dificultando a sua condução e, principalmente, reduzindo o esforço de forma apreciável numa longa viagem.

PUXADORES DE DEPÓSITO. Muito utilizados em motos desportivas, estes puxadores podem ser montados em qualquer moto por meio dos parafusos do bocal do depósito. Há também arneses que o condutor veste e aos quais o passageiro se pode agarrar. Isto é frequentemente utilizado para facilitar o transporte de crianças. Para o passageiro adulto, não o recomendamos, pois pode causar movimentos indesejáveis entre o condutor e passageiro.

TOP-CASE. Se por um lado prejudica a estética geral do conjunto, na verdade essa mala traseira é muito eficaz para o passageiro, pois não serve apenas para suporte das costas como substitui a terrível mochila, que é uma verdadeira ameaça para as vértebras de um motociclista.

ALMOFADA DO ASSENTO DO ‘PENDURA’. Ajuda muito ao conforto, sobretudo quando o assento de uma moto é demasiado dura. Essa almofada também o ajuda a ficar mais alto, tendo uma visão melhor do que se passa à sua frente.

INTERCOMUNICADOR. Mais um gadget do que um acessório salva-vidas para o duo, o “intercomunicador” permite que condutor e passageiro comuniquem sem movimentos indesejados. No entanto, esse meio de comunicação obriga também a mais prudência, por exemplo, nos momentos em que aceleramos e desaceleramos a moto, evitando que o capacete do ‘pendura’ colida com o do condutor.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments