Downshifting: Separando os iniciantes dos mais experientes

By on 15 Setembro, 2020

UMA DAS MARCAS QUE DISTINGUEM OS MOTOCICLISTAS MAIS EFICIENTES É A SUAVIDADE QUE APLICAM SOBRE OS COMANDOS DA MOTO. DOWNSHIFTING OU REDUÇÕES, E TRAVAGEM, SÃO DOIS DOS ATOS QUE  REQUEREM MAIS FINESSE NA CONDUÇÃO.

Praticando-os de forma bruta e sem qualquer medida, sentirá o chassis instável – arriscando na pior hipótese, um acidente. É por isso, que recomendamos aos mais recentes encartados dominar algumas técnicas de condução, como a travagem e reduções, por forma a evitarem surpresas desagradáveis e a evitar que um simples passeio domingueiro se torne num pesadelo.

No seu sentido mais básico, a mudança de marchas consiste em apenas três atos: apertar a manete de embraiagem, baixar uma velocidade no seletor de mudanças, e deixar a manete voltar ao seu estado neutro.

No entanto, há a importante questão de combinar a velocidade do motor com a velocidade da moto. A maioria dos novos condutores enfatizam uma liberação lenta da manete de embraiagem, que permite que a velocidade do motor suba para corresponder à velocidade de rolamento.

Contudo, se o fizer muito abruptamente, vai ter uma inclinação muito maior da moto na redução e, nos casos extremos, isso pode levar ao ressalto de roda traseira, o que explica por que muitas motos desportivas surgem no mercado com uma embraiagem do tipo deslizante. Assim, a melhor forma é usar a embraiagem faseadamente, por forma a harmonizar as rotações do motor (rpm) com o rolamento em estrada – conseguindo um bom controlo do moto sem movimentos desnecessários (e por vezes perigosos!) da moto. Múltiplas reduções (downshifts) tornam a redução de velocidade numa eternidade – embora muitos as prefiram por uma questão de estilo e sonoridade!

STAY CALM TO GO FAST…

Siga a trajetória correta. À medida que a pilotagem vai melhorando e adquirindo-se novas qualidades, começa-se então a combinar uma libertação da embraiagem mais rápida e consentânea com a rotação do punho de acelerador. Quando funciona, o downshift é tão suave que é quase imperceptível. Se as rotações caírem precisará então de dar um pouco mais de acelerador antes de libertar a embraiagem. Se a moto parece disparar à bruta, dê menos aceleração no punho, mas de qualquer forma já vai ser menos agradável e mais difícil entrar na linha de trajetória ideal em curva.

Enquanto você pratica combinando a velocidade do motor com a velocidade de rolamento, facilite as entradas em curva, por exemplo, antecipando a travagem. Conseguindo um bom compromisso da rotação do motor com o rolamento, estará no bom caminho para fazer o downshifting de forma quase intuitiva e eficaz.

Combinando bem a travagem e o downshifting (com a dose certa no acelerador), pode então começar a tirar muito maior partido e diversão da sua moto desportiva. Se ainda não estava a andar com dois dedos na manete de travão o tempo todo, precisa de o fazer a partir de agora. Além disso, colocar a mão na posição adequada vai simplificar o processo de reduções. Quando o acelerador está completamente fechado, o seu pulso ainda deve ter uma leve curva descendente – não estilo de piloto de arrasto sufocado – à medida que você descansa os dedos na alavanca do travão.

PRESSÃO DE TRAVAGEM E POSICIONAMENTO

Mantenha uma pressão constante e leve no travão, deixe os seus dedos deslizar sobre a manete enquanto você reduz o acelerador para fazer o downshift. Antes de praticar esta técnica em estrada, sente-se na sua moto parada e ensaie manter uma pressão constante na alavanca do travão enquanto roda o acelerador. Lembre-se disto: embora seja um desafio modular o travão e o acelerador em simultâneo, será depois capaz de reduzir muito a distância necessária para reduzir a velocidade logo que passe a dominar com naturalidade esta ação.

Ter o pulso numa posição nivelada ou ligeiramente para baixo, torna mais fácil operar o travão e o acelerador em simultâneo. Ou seja, enquanto o lado direito do seu corpo está a manusear os travões e o acelerador, o lado esquerdo do seu corpo estará ocupado a mudar de marcha e a modular a embraiagem. Este é o ‘segredo’ para tornar as reduções mais fáceis: apenas precisa de puxar a alavanca o suficiente para desengatar os discos de embreagem; puxar a mante todo o caminho é um esforço desperdiçado, e que torna mais difícil passar de engrenagens na caixa de velocidades.

CONDUÇÃO EM CONDIÇÕES CLIMÁTICAS ADVERSAS

Cobrir a manete de embraiagem com dois dedos nem sempre resulta. Por exemplo, para garantir que desengata totalmente o motor numa paragem, o melhor é usar todos os quatro dedos da mão.

Há um truque para o seu pé, também: Embora a mudança pareça ser simultânea à ação da embraiagem, é necessário pré-carregar a alavanca do selector, pressionando-a um pouco antes de desengatar a embraiagem para que a transmissão deslize para a próxima marcha. Solte a caixa como normalmente faria quando a embraiagem está totalmente engatilhada.

O processo é o mesmo, não importa quantas engrenagens você esteja a passar. Deixe a embraiagem sair rapidamente entre cada mudança. Não toque em mais de uma marcha enquanto a embraiagem estiver pressionada. Fazer o downshift(s) no início da travagem ajudará a mascarar quaisquer pequenos erros que você cometa ao combinar com a velocidade do motor. Isso também permite que você se concentre em definir a velocidade de entrada em curva e sair dos travões no momento certo.

O dedo do pé do piloto está a pressionar a caixa contra a resistência da transmissão. Assim que a embraiagem for desengatada, a alavanca vai levá-la para a engrenagem inferior.

Eliminar o movimento desnecessário das mudanças de marcha ajudará os downshifts a serem muito mais suaves. Para a operação de embraiar com um mínimo de movimento dos dedos, certifique-se de que o ponto de desengate da embraiagem total esteja o mais longe possível da aderência, permitindo ainda permitir 2 a 3mm de freeplay no final da alavanca. Da mesma forma, a alavanca da caixa deve ser configurada para que você não precise levantar o pé do pino para pressionar o câmbio, mas não configurá-lo tão baixo que comprometa as mudanças.

Tornar-se proficiente em travagem e downshifting simultânea vai trazer bons dividendos na cidade, na estrada e em pista. Estando na engrenagem correta para a sua velocidade, você será capaz de se afastar de problemas ao redor da cidade, ou estabilizar o chassis para a aceleração a partir da saída de curva. Tudo o que é preciso é praticar.

Por último, travar suavemente enquanto a mudança é engrenada é também um fator de segurança no piso molhado.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments