Escapes. Som ou barulho? Parte I

By on 28 Janeiro, 2019

Desta feita, vamos debruçar-nos sobre o som, ou barulho, dos escapes e olhar um pouco para as questões legais em redor do assunto. Com a implementação das normas Euro 4, tanto o limite de decibéis como os métodos de testar o nível de ruído nas motos foram alterados. O som está-se a tornar numa questão importante e a forma como não só o motociclista médio, mas também alguns fabricantes de acessórios, lidam com os silenciadores de reposição, pode vir a determinar se legislação mais restritiva é introduzida muito em breve ou não.

Alguns escapes são obras de arte… o ruído, nem tanto

Som ou barulho?

O som é um assunto delicado no nosso mundo da moto, e tem sido assim há algum tempo. Dum lado, as autoridades e os não-motociclistas em geral. Como com festas ruidosas, máquinas mal isoladas, ou obras incomodativas, o ruído de escapes abertos em motos é considerado irritante, poluente e uma coisas sem a qual as pessoas passariam muito bem. Do outro lado da equação, estão os motociclistas que querem ouvir, e ser ouvidos.

Nos EUA, houve uma campanha que ainda aparece muito em T-shirts e autocolantes e diz simplesmente: “Escapes barulhentos salvam vidas”. Ou seja, num ambiente em que se calhar 80% dos acidentes com motos são provocados por um automobilista e acabam com a frase “não vi a moto”, há distintas vantagens em ser ouvido ao longe mesmo antes de estar à vista. Depois há o fator exibição.

Para algumas pessoas, o som da sua moto nunca é alto o suficiente. Ser visto e ouvido numa moto dotada de um potente motor faz parte da experiência de usar uma motocicleta e, claro, “escapes barulhentos salvam vidas”. Muito do défice de imagem de que por vezes sofremos passa por aí.

Alterando os limites

Recentemente, a Comissão Europeia publicou vários artigos em que o problema do ruído foi abordado e as motos foram mencionadas como uma importante fonte de ruído. A Comissão Europeia também produziu um relatório escrito sobre a emissão sonora das motos, ciclomotores e outros veículos da categoria L, como quads, motos elétricas, veículos para deficientes físicos, etc. A razão para isso é que, com os atuais padrões Euro 4 e Euro 5, os limites vão sendo alterados e podem até ser reduzidos ainda mais.

O antigo limite de 80 dB (A) para motociclos desapareceu com a adoção do Regulamento (UE) n.º 134/2014 da Comissão e o artigo relevante foi substituído pela norma do Regulamento UNECE n.º 41, fixando o novo limite em 77 dB (A). Isto parece uma enorme redução (um aumento de 3 dB (A) significa que a intensidade do som é dobrada), mas não é necessariamente o caso. É que, com os novos padrões que entraram em vigor, a forma como o ruído dos escapes é medido também mudou. Já agora, UNECE significa Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa.

Normas euro

Vamos começar no início. Com a introdução das normas Euro 3, o som máximo que uma motocicleta pode produzir no ensaio de homologação foi estabelecido em 75 dB (A) para uma moto pequena com uma capacidade máxima de 80cc, 77 dB (A) para uma mota maior até 175 cc e 80 dB (A) para motocicletas com capacidade cúbica acima de 175 cc. Isto é medido com o método de teste Wide Open Throttle (WOT). A motocicleta entra na área de testes a uma velocidade fixa de 50 km / h, 10 metros antes dos microfones começarem, deve acelerar ao máximo e 10 metros depois dos microfones o acelerador é completamente fechado. Durante todo esse tempo os microfones registram o som, que não deve exceder os limites mencionados acima.

Naturalmente, equipamentos e todos os outros tipos de variáveis ​​e circunstâncias são descritos em detalhe. Ao lado do teste WOT, a motocicleta também é testada enquanto estacionária com (na maioria dos casos) metade da velocidade máxima do motor. A emissão sonora em dB (A) e a velocidade do motor com a qual foi medida são mencionadas na chapa VIN para os objetivos de aplicação. VIN significa Número de Identificação do Veículo, vulgo número de quadro. Com a implementação das normas Euro 4, inicialmente nada parecia ir mudar; os limites permaneceram nos 75, 77 e 80dB (A). Contudo, com a adoção do Regulamento UNECE 41 pela União Europeia, as novas normas são as do presente regulamento.

Regulamentos da ONU

O Regulamento UNECE 41 acima mencionado tem limites diferentes. As normas Euro consistem em três limites, que variam com a capacidade do motor e apenas consideram testes WOT para determinar se uma motocicleta não produz ruído excessivo. O ECE R.41 também conhece três limites, mas aqui não é a capacidade do motor que varia os limites, mas um índice de razão de potência-massa (PMR), que é calculado dividindo-se a potência nula pela massa do veículo, mais 75 kg, e multiplicando o resultado deste exercício por 1.000.

O resultado para (quase) qualquer motor será algo acima de 50, o que significa que o limite de som para motocicletas é de 77 dB (A). Isso parece uma redução muito grande, porque uma diminuição de 3 dB (A) significa que o limite de som será cerca de metade do atual. Há outra diferença: o limite de som para o ECE R.41, que é descrito como Lurban, consiste num teste de aceleração máxima (WOT) e um teste com velocidade fixa. Portanto, esses novos padrões não significam necessariamente que as novas motos ficarão mais silenciosas.

Sistemas de escape ou silenciadores com múltiplos modos de operação ajustáveis ​​manualmente devem atender a todos os requisitos em todos os modos de operação. Os níveis sonoros reportados serão aqueles resultantes dos níveis de som mais altos registados. Os silenciadores removíveis ou abafadores de som terão que ser instalados de maneira que não possam ser facilmente removidos.

O Regulamento UNECE 41 diz apenas respeito a motociclos a solo. Outros veículos da categoria L fazem parte de outros regulamentos. Para (entre outros) motociclos com sidecar, aplica-se o Regulamento 9 da UNECE, que ainda tem um limite de 80 dB (A). A Comissão Europeia quer agora que as motos com sidecar façam parte da ECE R.41. Para concluir esta parte sobre os regulamentos da UNECE, os silenciadores do mercado pós-venda têm o seu próprio regulamento, UNECE R.92.

ASEP

A menção da UNECE R.92 leva-nos ao tema seguinte. Quando um silenciador de reposição for instalado, o som não pode exceder o do silenciador original da moto. Existem muitos silenciadores no mercado que podem ser ajustados, por exemplo, por uma válvula que pode ser aberta ou fechada. Dentro da largura de banda e na mudança usada com o teste de aprovação de tipo, a válvula é fechada e o silenciador não excede os limites de som. No entanto, estes silenciadores são programados para ter a válvula aberta fora desta largura de banda e em outras mudanças e, logo, fazer muito mais ruído. Para evitar estas situações, o Regulamento UNECE 41 é alargado com um anexo ASEP (disposições avançadas sobre emissões sonoras). Isso faz parte do regulamento e amplia a largura de banda usando uma velocidade inicial mais baixa de 20 km/h em vez de 50 km/h.

(continua)

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!