Indústria: Ainda a compra da Ducati pela KTM

By on 24 Março, 2021

Stefan Pierer, CEO da KTM, tem vindo a falar das negociações para compra da Ducati ao grupo Audi, que acabaram por dar em nada

“Hoje temos de ir para a Ásia com o negócio de motos!”

Stefan Pierer, KTM

A KTM e a Ducati são adversários ferozes no Campeonato do Mundo de MotoGP. Recentemente, os dois fabricantes assinaram novos contratos de cinco anos com a Dorna até ao final de 2026.

A Ducati venceu o Campeonato do Mundo de Pilotos com Casey Stoner na classe mundial de 2007 e o campeonato mundial de construtores em 2020.

Além disso, já conquistou 17 títulos mundiais de marcas e 14 títulos mundiais no Campeonato do Mundo de Superbike.

A KTM são líderes indisputados no TT, onde a marca já conquistou 311 títulos mundiais até agora e triunfou 18 vezes seguidas no Rali Dakar até 2019.

Desde 2003, a especialista em todo-o-terreno KTM, cujo slogan é “Ready to Race”(Pronta a Correr) também tem tido sucesso em corridas de velocidade internacionais – primeiro nas classes 125 e 250 cc do GP nas 2 tempos, depois desde 2012 em Moto3, e desde 2017 em Moto2 e MotoGP.

“Quando entrei para o negócio de motos de TT em 1992, quando assumi a KTM, a marca Husqvarna foi a referência para mim. Logo percebi que a indústria automóvel desempenha frequentemente um papel pioneiro na indústria de motos”, diz Stefan Pierer.

“Quando o Grupo Volkswagen desenvolveu a estratégia da plataforma com todas as suas marcas, vi isso como um modelo. Comprámos a Husqvarna em 2012 quando os nossos amigos da BMW nos pediram ajuda. Havia muitas vozes críticas na época. Disseram-nos que só íamos ter problemas com isso. Mas graças à VW, sabíamos como fazê-lo, ousámos fazê-lo. Hoje em dia, os motores e o chassis são parcialmente idênticos para as três marcas, mas não trabalhamos uns contra os outros em nossa casa.  Pelo meio, podemos oferecer três marcas sob um só teto, incluindo GasGas, aumentando assim a frequência do cliente.”

“Tenho uma relação emocional com a Ducati”, garantiu o CEO da KTM, repetidamente nos últimos anos. “Ducati é Ducati, não há nada a esquecer. A única marca que nos convém é a Ducati. Podem esquecer tudo o resto. A MV Agusta é muito pequena.”

Já há uma parceria em posição entre os dois grupos, pois a KTM tem equipado os seus carros desportivos X-bow com motores Audi há anos.

O Grupo VW pagou cerca de 740 milhões de euros pela Ducati em 2011. Mais recentemente, ouvimos falar de ofertas para a compra de 1,5 mil milhões de euros. Será que tal quantia alguma vez seria atingida?

“Sempre suspeitei que a Audi poderia em breve ter prioridades diferentes das de gerir uma fábrica de motocicletas devido ao caso do gasóleo e aos investimentos milionários em mobilidade electrónica.  Como disse, a Ducati é a Ferrari da indústria de motos. Claro que seria interessante ter uma marca assim no nosso grupo. Não se trata de uma questão de preço, mas sim de uma questão de quando é que todos se apercebem da situação em que se encontram…

Novos desafios na homologação estão a chegar. Temos o Euro5, por exemplo. Em 2024, o tema do ruído será acrescentado. As tendências demográficas na Europa também estão em jogo. Hoje tens de ir para a Ásia com o negócio de motos, para a Índia. Se não tiveres sucesso lá, a dada altura vais desaparecer. A Ducati não tem a ver com o preço de compra, mas com a questão: “Como podemos ficar mais fortes juntos?”

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x