Um estudo revela a ‘surdez’ dos automobilistas

By on 31 Dezembro, 2020

As duas rodas são muitas vezes negligenciadas pelos automobilistas. Então se eles muitas vezes me ignoram, e não me ouvem, não importa o ruído que eu faça, o que devo fazer pela minha segurança?

Foi na procura de uma resposta a esta questão que a Associação Romena Pró-Motociclos para o Desenvolvimento Nacional do Motociclismo, juntamente com a Universidade Politécnica de Bucareste e os especialistas em emissões de ruído da Enviro Consult, realizaram um estudo para investigar quanto do ruído da moto chega realmente aos carros.

Em particular, eles fizeram a pergunta de onde, e de quando a moto se torna audível no interior do automóvel. Um grupo de pesquisa realizou este teste. Abaixo veja o vídeo com o resumo deste estudo:

Ao mesmo tempo, em que o motor do carro era mantido entre as 2.500 e 3.000 rotações, com o rádio programado para 20 decibéis, a moto foi colocada uma vez a 15 metros, uma vez a dez metros, depois ao lado do carro, e finalmente na frente do carro. A rotação do motor da moto foi colocada a simular a velocidade máxima com uma pressão sonora absurdamente alta.

O resultado foi que com o rádio ligado em volume normal (20 decibéis), a moto não é audível a 15 metros (distância mínima na cidade) atrás do carro. Mesmo a uma distância de dez metros, o isolamento acústico do carro e a pressão sonora de suas próprias frequências são maiores do que a moto perto do regime máximo de rotações.

Pressão sonora não é igual ao ruído

Só abaixo dessa distância a moto progressivamente se torna audível no interior do carro. Mas apenas em termos de pressão sonora, ou seja, o resultado de todas as frequências. No entanto, apenas frequências muito baixas chegaram ao interior e estas são geralmente mais difíceis para a audição humana identificar e ainda mais difícil de isolar em um mish-mash de frequências.

Por outro lado, com a roda dianteira da moto no nível da roda traseira do carro, a pressão sonora da moto pode então ser claramente ouvida no carro pela primeira vez. Mesmo aqui, as outras cinco motocicletas ainda estavam muito abaixo do limite de audição e depois só audíveis no interior quando dirigiam na frente do carro.

Alguns fatos sobre o estudo:

A diferença entre a moto mais audível e a mais silenciosa foi de quase 30 decibéis em velocidade máxima, ou seja, dez vezes o volume percebido. Sete decibéis de pressão sonora foram, em média, na frente da moto e atrás da moto. Atrás da moto, o barulho é percebido no interior do veículo duas vezes mais do que na frente da motocicleta.

Medidos na frente do carro, os valores de pressão sonora no interior caíram novamente, em comparação com a medição ao lado do veículo. Motivo: Os carros são projetados para serem à prova de som da frente, da melhor maneira possível.

Conclusão

A diferença entre ser negligenciado e permanecer ultrajante é que você pode facilmente mudar um deles. Torne-se visível, sobretudo em dias de nevoeiro, o que também pode ser feito com um capacete ou blusão com cores ou listas fluorescentes. Nesse caso, a visão é a forma de compensar a ‘surdez’ dos automobilistas.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x