Yamaha XSR900 2022: Com espírito dos Grandes Prémios

By on 4 Novembro, 2021

Com cores e estilo a lembrar as motos desportivas da Yamaha dos anos oitenta, a nova XSR900 de 2022 tem uma aparência que nos faz recuar no tempo, é uma moto retro a 100%, mas que sintoniza a eletrónica sofisticada com um motor e quadro revistos para oferecerem agradáveis sensações de pilotagem.

A primeira XSR 900 foi apresentada pela Yamaha há cinco anos atrás e,  desde então, o segmento Sports Heritage vem apresentando modelos que são uma homenagem a algumas das motos mais icónicas da marca japonesa. A XSR900 do próximo ano apresenta-se com um design mais musculado e claras melhorias na eletrónica, mas é impossível começar a escrever sobre ela sem de imediato destacar dois aspetos. Em primeiro lugar a sua cor na tonalidade ‘Legend Blue’, um azul que nos traz à memória as Sonauto Yamaha de Christian Sarron dos idos anos 80; segundo aspecto, o seu novo quadro de alumínio Deltabox que é uma evolução da estrutura que surgiu na mesma época, revolucionando o mercado e que foi introduzido em diversos modelos de asfalto. Hoje, na XSR900 de 2022 este quadro é apresentado pela Yamaha como mais leve, mais robusto e mais preciso, por forma a oferecer uma maior agilidade ao condutor e uma melhor sensação em curvas.

E quem melhor para se sentar nela que o campeão de 1984 de 250cc que também seguiu com a marca japonesa nos Grandes Prémios de 500 até 1990… o grande piloto francês Christian Sarron!

Outra das novidades da nova XSR900 foi a incorporação de um novo motor CP3 de 899 cc adaptado aos regulamentos Euro5, aumentado em 43 cc na capacidade e com mais 4 cv de potência por forma a atingir os 119 cv (87,5 kW) às 10.000 rotações por minuto. O binário também foi incrementado em 6%, atingindo 93 Nm a apenas 7000 rpm, 1500 rpm a menos que no modelo anterior.

Algo que não poderia mudar foi o distintivo farol clássico e redondo, mas que na XSR900 de 2022 conta agora com a adição de tecnologia de iluminação LED. Além disso, tanto a luz traseira “escondida” sob a parte de trás do assento quanto os indicadores também contam com a mesma tecnologia.

As melhorias eletrónicas são substanciais. Aproveitando a eletrónica já introduzida pela Yamaha R1 em 2015, a nova XSR900 inclui uma nova Unidade de Medição Inercial (IMU) de 6 eixos que emprega dois sensores para medir velocidade e aceleração em três eixos. Sendo 50% menor e 40% mais leve que a R1 original, é responsável por transmitir os dados à ECU para informar o sistema de controle de tração sensível à inclinação, que possui três níveis de intervenção disponíveis: o sistema de controle de deslizamento – que prevê a derrapagem das rodas traseiras e a ajusta – a entrega de potência para manter a tração, e o sistema de controle de elevação das rodas dianteiras que apresenta toda a tecnologia MotoGP.

Novo quadro Deltabox em alumínio

Uma característica chave na nova XSR900 é a utilização de um novo quadro em alumínio compacto e leve que utiliza os mais recentes processos de fabrico CF da Yamaha, sendo este assim um dos designs mais esguios, leves e compactos da sua classe. Isto permite que o guiador seja montado mais baixo para dar à XSR900 uma posição mais agressiva, e combinado com outras alterações no quadro reflete-se numa redução de 14% na inércia em torno do eixo de direção em comparação com o modelo anterior – permitindo ao motociclista curvar-se de forma rápida, precisa e confiante.

O quadro utiliza secções de diferentes espessuras de modo a que o nível de rigidez corresponda às diferentes cargas colocadas em qualquer área específica. A espessura varia de 1,7 mm a 3,5 mm. A estabilidade em linha reta também é potenciada pelo ajuste de um braço oscilante de alumínio de secção retangular, 55 mm mais comprido do que o modelo anterior, para dar uma distância entre eixos de 1495 mm – e é apresentado um subquadro totalmente novo, específico do modelo, sob o qual está montado o largo assento com dois níveis de altura distintos para condutor e ‘pendura’.

Para além do novo subquadro que vinca a influência dos anos 80 na nova XSR900, existem ainda novos suportes para os pés dos passageiros, que se desdobram perto do subquadro, reforçando as linhas elegantes desta moto de alta tecnologia de herança desportiva.

Depósito inspirado nos GP’s dos anos 80

O depósito de combustível da XSR900 é inspirado nas motos utilizadas nos Grandes Prémios dos anos 80 da Yamaha, apresentando entradas de ar na frente que não só ajudam a aumentar a eficiência do motor, como também transmitem o poderoso som do motor em velocidades mais altas.

A relação entre o depósito de combustível esculpido de 15 litros e o banco plano confere uma posição de condução mais recuada, em relação ao ponto médio da moto, quase acima do eixo traseiro. Os painéis laterais compactos ventilados dão à XSR900 um aspeto minimalista, e a tampa do depósito ao estilo de corrida evidencia a herança desportiva da moto.

Travagem e amortecimento de alto rendimento

Os componentes de alta qualidade são evidentes na XSR900, Começando pela pinça radial dianteiro da Brembo muito semelhante à da R1, aqui um pistão move.se paralelamente à manete do travão ajustável – sistema que de acordo com a marca traz um feedback preciso dos discos frontais duplos de 298 mm, e proporciona uma superior potência de paragem. Atrás existe um disco traseiro de 245 mm.

Ao nível do amortecimento, a nova XSR900 conta com uma forquilha dianteira invertida da KYB totalmente ajustável, com acabamento dourado que realça o design da moto, e a suspensão traseira tipo biela apresenta um monoamortecedor KYB inclinado para a frente, praticamente invisível, dando à traseira uma aparência limpa e elegante.

As novas jantes XSR900 foram fabricadas utilizando uma tecnologia de rotação exclusiva da Yamaha, com a qual foi possível tornar o conjunto de jantes dianteira/traseira 700 g mais leve do que as anteriores.

Pormenores e construção

A qualidade e a atenção ao detalhe premium são óbvias de todos os ângulos. O cockpit foi melhorado com uma mesa de guiador maquinada de topo, tampas da suspensão perfuradas e logótipo XSR em alumínio. Outras características incluem uma placa traseira de alumínio em relevo, pedais forjados, reservatórios de travões pretos e espelhos nas extremidades do guiador que mostram que esta moto está pronta para impressionar – e não apenas quem a conduz.

Motor CP3: Euro5 e novo escape

Uma das característica do conhecido motor de dois cilindros paralelos CP3 da Yamaha – uma das unidades mais vendidas da Europa – que na nova XSR900 teve ganhos de potência e binário, é a sua capacidade de fornecer um torque magnífico que os engenheiros da Yamaha quiseram manter intacto. Para esse efeito foi adicionado um novo sistema de escape, com coletores de comprimento diferente entre si e saídas duplas que emana o rosnar habitual do motor CP3, aumentando a dose de emoção ao rodar o punho do acelarador.

Para lidar com os níveis de binário aumentados de forma acentuada na XSR900, a embraiagem A&S foi melhorada com diferentes discos de atrito, e o ângulo de cames da embraiagem foi alterado de 30 graus para 33 graus. Estas alterações reduzem a carga nas molas de embraiagem e, por isso, embora o motor esteja a fornecer mais binário a velocidades mais baixas, a embraiagem sente-se mais leve na manete. Para corresponder ao aumento da potência e do binário da XSR900, a transmissão de 6 velocidades foi otimizada com relações de velocidade ligeiramente mais elevados – com a 1ª velocidade a passar de 2666 para 2571 rotações por minuto e a 2ª velocidade de 2000 para 1947 rotações por minuto.

Eletrónica sofisticada

Em 2015, a R1 abriu novos caminhos com a sua eletrónica de ponta, e 6 anos depois, este sistema foi desenvolvido, aprimorado e “miniaturizado”. No coração do novo sistema da XSR900 está uma Unidade de Medição de Inércia de 6 eixos (IMU) que utiliza dois sensores para medir a velocidade de três eixos e a aceleração de três eixos. Esta nova unidade envia dados à ECU que informam as três ajudas ao piloto: Sistema de controlo de tração sensível a inclinação, sistema de controlo de deslizamento (SCS) e o sistema de controlo de elevação da roda dianteira (LIF). O grau de intervenção do Sistema de Controlo de Tração é calculado pela IMU em relação ao grau de inclinação, e o motociclista pode selecionar um dos três modos de intervenção ou até mesmo desligar completamente o sistema.

No Sistema de Controlo de deslizamento (SCS), quando uma derrapagem lateral da roda traseira é registada pela IMU, a potência do motor é ajustada para manter a tração. Tal como acontece com o TCS, existem três níveis de intervenção, bem como um interruptor para o desligar. Por último o anti-cavalinho (LIF) é uma tecnologia do MotoGP adaptada ao mundo real. O LIF que impede o levantamento do solo da roda dianteira quando se acelera arduamente.

O sistema de controlo do travão da XSR900 controla e modera a pressão do travão dianteiro e traseiro para evitar bloqueios acidentais da roda, o Sistema de Mudança Rápida (QSS) da XSR900 leva o desempenho a outro nível, permitindo que o condutor faça mudanças de aceleração sem embraiagem para uma ótima aceleração. A nova XSR900 apresenta ainda quatro modos de potência do motor no Modo D, em comparação com os três do modelo anterior. O modo 1 é o modo de potência máxima mais agressivo, enquanto os modos 2, 3 e 4 proporcionam graus de resposta progressivamente mais suaves em resposta às condições de condução adequadas. 

A tudo isto há ainda a acrescentar o sistema de Cruise Control – facilmente programável torna as viagens mais longas ainda mais agradáveis, e tem a vantagem adicional de permitir que o motociclista observe limites de velocidade sem ter de olhar de forma constante para o painel, neste caso constituído por um ecrã TFT de 3,5 polegadas a cores.

Disponível em Março de 2022

O XSR900 estará disponível nos concessionários Yamaha, por um preço oficial ainda a ser definido, a partir de março de 2022 em dois esquemas de cores: Legend Blue , azul ciano e amarelo com forquilha e rodas douradas e Midnight Black com detalhes vermelhos. controles em preto.

Destaques técnicos da XSR900

  • Design inspirado na história Yamaha Racing
  • Detalhes de alta qualidade e materiais premium
  • Posição de condução flexível e descontraída
  • Luzes LED de assinatura XSR
  • Iluminação LED traseira escondida
  • Assumir as cores históricas
  • Conjunto de ajudas para o piloto, IMU de 6 eixos
  • Controlo de Tração, Controlo de Derrapagem, Controlo Anti-cavalinho
  • Versátil motor EU5 CP3 de 889 cc de alto binário
  • QSS, Cruise Control, e embraiagem A&S
  • Chassis leves de estilo Deltabox lançado por CF
  • Jantes leves moldadas por rotação
  • Suspensão ajustável de alta especificação
  • Discos dianteiros duplos de 298 mm com Cilindro principal Brembo
  • Pedais forjados em alumínio
  • Subquadro de baixo perfil específico da XSR900 com apoios dos pés dos passageiros dobráveis
  • Indicadores LED completos
  • Espelhos nas extremidades do guiador
  • T e mesa maquinados
  • Depósito de combustível inspirado nas motos de corrida com 15 litros e tampa de enchimento ao estilo das motos de corrida

A MOTO DE GRANDE PRÉMIO DE CHRISTIAN SARRON

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments