Contacto Voge 650 DSX e Voge 500 DSX – Aventura sem compromissos

By on 20 Outubro, 2021

Estivemos no antigo reino de Aragão, mais propriamente nas montanhas circundantes a Teruel, na apresentação ibérica das novas Voge 500 DSX e Voge 650 DS e DSX. Se a primeira já era nossa conhecida, agora recebe jantes raiadas de 19″ e ganha mais polivalência (e um “X”…), a 650 DS é uma máquina completamente nova. Desenhada à volta de um bem conhecido (e bem sucedido!) monocilíndrico, promete agitar o mercado com a sua atitude aventureira, com uma premissa de eficácia por baixo custo. Fomos conhecê-las melhor…

A marca da Loncin está com uma gama de modelos cada vez mais completa, apresentando soluções nas categorias naked, pequenas desportivas, trail utilitárias e agora trails com clara vocação off-road, com motores de 300 e 500cc e fazendo renascer o lendário monocilíndrico de 650cc utilizado pela Rotax nas máquinas bávaras, com resultados surpreendentes a nível de fiabilidade e facilidade de utilização.

Este regresso deixou-nos a pensar que a intemporalidade de uma peça de engenharia bem construída, merece uma nova roupagem, um face-lift que lhe permita continuar actual. A Voge fez isso mesmo, arquitectou uma trail acessível, sem rodeios para o seu propósito.

O Monocilindrico de 650 cc (debitando 47,5cv @ 6500 rpm e 60 Nm @ 5500 rpm) agora preparado para o Euro 5 continua vibrante (no sentido literal), solícito e disponível desde as baixas rotações. O trabalho feito na injecção sobretudo na modularidade do acelerador, escamoteando o soluço inicial na actuação, faz com que a utilização em estrada seja mais suave de explorar sem aquela sensação de on-off típica de um grande piston. A 650 DS é uma moto com postura de dual-sport, com boa distância ao solo, e com um setting de suspensões (Forquilha invertida Kayaba Ø41mm com 180 mm de curso; Monoamortecedor ajustável na pré-carga com 58 mm de curso) que consegue um bom compromisso para não se tornar demasiada vaga no asfalto nem demasiado saltitante fora dele.

O assento acessível (820 mm de altura) mas algo rijo e a posição de condução descontraída permitiram-nos rolar pelas montanhas e vales com atitude de viajante à procura do próximo desvio que nos leve a caminhos mais inatingíveis. O para brisas é regulável em altura e o deposito de 18 L promete autonomias na ordem dos 400 km, e tendo em conta os valores por nós observados, acreditamos ser possível atingir esses números, mas com especial atenção que a caixa de 5 velocidades tem as ultimas relações curtas, não permitindo grandes velocidades de cruzeiro. Mas o espírito não é esse!

A jante 19” surge raiada na versão X (a Voge 650 DS vem com jante de liga leve no mesmo diâmetro, 19”), e permite montar aqueles pneus que fazem tudo bem, com boa borracha para o tapete escuro mas com relevo suficiente para nos darem confiança quando falta o atrito, e podemos sempre optar por variações mais extremas (pneus: Metzeler Tourance na versão DS e Pirelli Scorpion Rally STR na versão DSX).

A Voge 650 DSX ganha sentido nestas condições, a aspereza do mono convida à tracção, as suspensões acompanham os movimentos de chassis e a travagem (maxilas de piston duplo Nissin, duplo disco flutuante de 298 mm (fr); Pinça de um piston com disco de 240 mm (tr); ABS de dois canais comutável na roda traseira) está claramente desenhada para ser suave no accionamento, sendo que temos a possibilidade de desligar o ABS na roda traseira. A falta de mordacidade e alguma potência no travão dianteiro, evidente em estrada, mostravam agora a razão do seu dimensionamento. Não é uma moto que se sinta estupidamente leve (219 Kg em ordem de marcha) e ágil, mas a sua neutralidade de reacções favorece o controlo.

Boa posição de condução, feeling natural e espaço para nos movimentarmos, e uma sensação de robustez dada pelo conjunto, tudo o que queremos numa máquina que se quer interminável para as condições mais agressivas. Até o ecran TFT a cores (ecran TFT a cores, igual ao da Voge 500 DS, apresentado indicação da pressão dos pneus) apresenta o practico indicador de pressão dos pneus, e as protecções de carter, colectores e crash-bars garantem que a se a brincadeira correr mal, vamos poder seguir caminho.

Malas de alumínio são opcionais no catálogo de acessórios, para que possamos colocar os autocolantes de todos os sítios fantásticos onde nos aventuramos. A ficha USB servirá para ligarmos um GPS e não termos de perguntar nada a ninguém e com o descanso central podemos olear a corrente sozinhos. Ficamos com mais tempo para stories em locais maravilhosos, até porque a 650 DS tem boa pinta para influencer (Iluminação Full LED e 3 cores disponíveis, Vermelha, Preta e Azul)..

A outra grande novidade, num espectro completamente diferente, era a Voge 500 DSX, sendo que a grande diferença (aparente) para o modelo por nós testado era a jante dianteira 19”. Bom exercício, perceber o que uma medida de roda maior faz à dinâmica de uma moto. O bicilindrico (motor bicilindrico em linha com 471 cc, debitando 47 cv @ 8500 rpm; 40,5 Nm @ 7000 rpm; Euro 5) de resposta linear e a fisionomia compacta desta máquina, tinha-nos deixado agradavelmente surpresos com a sua capacidade de se deixar levar sem levantar grandes questões, um conjunto intuitivo e fácil de explorar.

Muito embora apresente também um ABS desligável, o que indica a possibilidade de a conseguirmos dominar melhor no fora de estrada, foi no asfalto mais partido e exigente que a 500 demonstrou uma nova atitude, mais composta, estável e segura. A suspensões kayaba (Forquilha invertida Kayaba com Ø41mm, 156 mm de curso (fr); Monoamortecedor ajustável na pré-carga com 61 mm de curso) foram revistas e casam na perfeição com esta presença e a travagem está claramente dimensionada para esta realidade (ABS de dois canais comutável na roda traseira para uso no fora de estrada). A Voge 500 DSX ganhou em muito com estas alterações

A dimensão de uma jante 17” trazia-lhe benefícios a nível da precisão, mas o motor não acompanhava esta imediata necessidade, a sua ciclistica é agora mais honesta nas suas capacidades, mais filtrada, mais rolante e estável. Gostámos bastante do novo equilíbrio do conjunto. Abre-se o espectro de uma goma mais aventureira (Voge 500 DSX equipada com Metzeler Tourance), é certo, mas acreditamos que que o seu reinado será sempre mais estradista, seja por característica motriz, seja pelo dimensionamento e tipologia do conjunto. E continua com aquele ar simpático de quem quer agradar…

Por 7395 € conseguimos comprar uma Voge 650 DS (Voge 650 DS desde 7395€ e DSX por 7695€) e se quisermos as jantes raiadas teremos de desembolsar mais 300 €. Um preço canhão para uma moto que se quer objectiva no seu propósito, uma máquina polivalente, baseada num motor intemporal, e com uma honestidade e acessibilidade que agradará aqueles que procuram as suas primeiras aventuras.

A Voge 500 DSx estará disponível por 6895€ (Voge 500 DSX a partir de 6895€), e esta jante 19”, mais do que lhe atribuir valências de fora de estada, torna-a numa moto mais completa e mais lógica na sua utilização. A marca vinda do Oriente está ao rubro, muitas novidades surgem no horizonte.

Falou-se numa 300 rally na apresentação…mal podemos esperar.

 

Gostámos (Voge 650 DSX)

  • Honestidade do motor
  • Afinação das suspensões
  • Posição de condução no fora de estrada

A melhorar (Voge 650 DSX)

  • Assento algo rijo
  • Vibrações a rolar a ritmos de AE

Gostámos (Voge 500 DSX)

  • Estabilidade do conjunto
  • Conforto de rolamento
  • Binómio jante 19″ // parametrização das suspensões

A melhorar (Voge 500 DSX)

  • Caixa demasiado curta nas relações mais altas

 

Ficha Técnica

Motor

Voge 500 DSXVoge 650 DS / DSX
Tipo de motorBicilindrico paralelo DOHCMonocilindrico DOHC
Cilindrada471 cc652 cc
Potência46,9 cv @ 8500 rpm47,5 cv @ 6750 rpm
Binário40,5 Nm @ 7000 rpm60 Nm @ 5500 rpm
TransmissãoCaixa de 6 velocidades, final por correnteCaixa de 5 velocidades, final por corrente

Ciclística

Voge 500 DSXVoge 650 DS / DSX
QuadroMultitubularMultitubular
Suspensão dianteira / traseiraForquilha invertida Kayaba de 41 mm, 156 mm de curso / Amortecedor com bielas Kayaba, 61 mm de cursoForquilha invertida Kayaba de 41 mm, 179,5 mm de curso / Amortecedor com bielas Kayaba , 58 mm de curso
Travagem dianteira / traseiraDuplo disco flutuante (298 mm), pinças NISSIN de 2 pistões (ABS – Bosch) / Disco (240 mm), pinça NISSIN de 1 pistão (ABS – Bosch)
Nissin, duplo disco flutuante (298 mm), pinças de 2 pistões (ABS) / Disco (240 mm), pinça de 1 pistão (ABS)
Pneus120/70 R17 ; 160/60 R17 (Metzeler Tourance)110/80 R19 ; 150/70 R17
(Metzeler Tourance com jante de liga leve na DS ; Pireli Rally com jante de raios na DSX)

Dimensões e Preço

Voge 500 DSXVoge 650 DS / DSX
Altura do assento821 mm820 mm
Distância entre eixos1445 mm1485 mm
Capacidade do depósito16,5 L18 L
Peso205 Kg 219 Kg
PreçoDesde 6,895 €Desde 7,395€ (DS) ; 7,695€ (DSX)

 

Galeria:

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments