Achilles: BMW R1250RS Dragster

By on 19 Junho, 2019

Na Europa, a competição Sultans of Sprint produz algumas Dragster loucas, ano após ano. Está escrito nas regras: os concorrentes disputam o ouro numa pista de 400 metros, mas também são concedidos pontos pela imaginação e criatividade.

Isso significa que acabamos com algumas motos muito excêntricas, como esta moto de corrida movida por um “boxer” BMW.

Achilles entrou na classe “Factory” na Sultans of Sprint, foi construída como um projeto paralelo por um engenheiro e um designer que trabalham no lado dos carros da BMW… e é a completa loucura.

Para dar início ao projeto, a própria BMW doou uma R1250RS novinha e folha. Já testámos o motor boxer de 1.254 cc da nova RS e é ótimo, com os seus 136 cv e 143 Nm de binário. O motor também possui a nova tecnologia “ShiftCam” da BMW, que é efetivamente um sistema de distribuição de válvulas variável que transforma a 1250 numa bala quando se vai prego a fundo.

Philipp Ludwig trabalha em motos sob o nome Kraftstoffschmiede, e é um veterano dos Sultans of Sprint. Ele tem corrido na série desde os seus primórdios e conquistou alguns pódios da classe “Freak” no ano passado com a sua BMW R850R de 1998, altamente modificada.

Mas para este projeto, ele chamou reforços – juntando-se ao designer Krzysztof Szews da Man & the Machines.

Philipp faria o trabalho pesado, com Kris a ajudar no design. “Projetar equipamento de automobilismo exige design industrial na sua forma mais pura”, diz ele. “Não há necessidade de que seja bonito, desde que funcione, certo?”

“Mas isso não é o caso nos Sultans. Essa moto de corrida tinha que ser uma atração absoluta: um foguetão extrovertido e único e um embaixador da identidade desportiva da BMW Motorrad ao mesmo tempo. ”

Para quem é um engenheiro, Phil colocou algumas ideias malucas na mesa. Ergonomia e boa distribuição de peso em linha reta eram obrigatórios, mas que tal uma carenagem estilo moto de corrida, um toque de sabor bagger e uma roda dianteira de 21 polegadas?

“Não é a configuração habitual para uma moto de sprint”, diz o designer Kris.

A Achilles tinha que ser rápida e parecer rápida – e foi com isso em mente que Kris começou a desenhar. O projeto exigia um corpo monocoque que funcionasse em harmonia com o motor boxer e fosse aerodinâmico. Ele moveu todo o peso visual para a frente para abraçar aquela grande roda dianteira e encurtou a cauda, para dar a impressão de um braço oscilante alongado.

“Não é exatamente o estilo que o Phil tinha imaginado no início do projeto”, diz Kris, “mas trouxe um brilho aos olhos dele imediatamente, e ele apaixonou-se pelo design”.

A Wilbers Suspension enviou componentes de suspensão dianteira e traseira totalmente personalizáveis. Os garfos são mantidos no lugar por tês triplos torneados em CNC do projeto de Phil, com um desfasamento de 50 mm para uma maior distância entre eixos e distribuição de peso ideal. As rodas são itens de 19 à frente e 17 atrás da Kineo, feitas sob encomenda, envoltas em pneus Shinko.

Enquanto isto tudo acontecia, a equipe da Kraftstoffschmiede despojou a R1250RS até aos ossos. Phil e o seu modelador de metal, Franz, fabricaram uma nova célula de combustível e cauda de alumínio. Esta última foi projetado para hospedar o sistema de gestão do motor da BMW e um cilindro de Óxido Nitroso.

Outras atualizações incluem filtros K & N, novas condutas de ar laterais e um tampão de combustível de enchimento rápida. A RS veio da BMW com um conjunto de peças opcionais 719 lindamente torneadas; coisas como as tampas das válvulas do motor e as tampas dos reservatórios de fluidos.

As peseiras são personalizadas, colocadas o mais atrás possível e alinhadas para transferência máxima de peso para a roda traseira (e portanto maior tração) da linha de partida.

O sistema de escape é uma instalação personalizada de aço inox da empresa alemã Hattech, que o montou em apenas um dia. Mas se quisermos saber mais sobre a configuração da injeção de NOS, estamos sem sorte: os lábios de Phil estão selados sobre esse assunto.

Uma vez que Phil e Kris concordaram com a direção final do projeto – e o chassis rolante estava praticamente pronto – a moto foi digitaizada em 3D duma ponta à outra. Kris trabalhou com a KKN Engineering de seguida, que transferiu o projeto para visualizações digitais ajustadas à forma.

O plano inicial era moldar a carroçaria com fibras de basalto – mas isso ficava fora do orçamento. Assim, a carroçaria foi impressa em 3D a partir de material de poliamida pelos especialistas Creabis. Foi produzida em várias seções, que foram então unidas e reforçadas com fibra de carbono em áreas-chave.

No lado da engenharia, Phil teve que lidar com o padrão Euro5 a que a R1250RS de origem se cinge. Isso significou muitas noites sem dormir otimizando a configuração no banco de ensaio e uma mudança nas relações de transmissão da R1250GS.

Mas não foi sem contratempos: nos testes iniciais, a eletrónica teimava em falhar sob a forte aceleração. Phil finalmente resolveu todos os problemas, apenas um dia antes da primeira corrida.

Levou à Kraftstoffschmiede e Man & the Machines apenas seis meses para terminar a moto de corrida. “Foi um grande desafio”, diz Kris. “Um protótipo completo de corrida, com um acabamento perfeito, construído à noite, ao mesmo tempo que tentava manter um equilíbrio saudável entre vida e trabalho.”

“O Phil deu uma contribuição muito valiosa para o design e aprendeu sobre design industrial e o processo de design de motocicletas”, diz Kris, “enquanto eu aprendi tudo sobre as exigências das motos de corrida e decisões comerciais difíceis”.

Como a colaboração funcionou tão bem, Phil e Kris vão unir-se para mais projetos, sob a bandeira da Rennstall Moto. A sua primeira versão – uma K75 – já está na bancada, e mal podemos esperar para a ver terminada…

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!