História da Arai: Da antiga chapelaria à fama nos capacetes

By on 17 Agosto, 2021

Quem não conhece o nome Arai nas duas rodas, é porque anda neste mundo hà pouco tempo. É um nome que dispensa apresentação mas, o que poucos sabem, é que esta marca de capacetes centenária e de grande prestígio, nasceu de uma antiga chapelaria japonesa. 

Foi em 1905 que nasceu o japonês Hirotake Arai, filho de um chapeleiro e futuro fundador da famosa marca de capacetes. Com a morte do pai, Hirotake Arai decidiu assumir a loja e iniciou a sua jovem carreira como estilista de chapéus. Na véspera da Segunda Guerra Mundial, o governo japonês pediu-lhe que desenhasse capacetes para o exército e também isolamento térmico. Rapidamente, a pequena chapelaria se transformou numa verdadeira oficina e nasceram os primeiros capacetes Arai.

O primeiro capacete Arai

Hirotake Arai deu continuidade ao comércio de chapéus e capacetes, desta vez destinados à construção civil. Paralelamente, a empresa passa a exportar camisas e t-shirts. No início da década de 1950, a empresa começou a produzir capacetes de fibra de vidro. 

Motociclista desde sempre, Hirotake Arai teve a ideia de aplicar essa nova tecnologia à prática do motociclismo. Começa por o fazer modificando um dos seus capacetes projetados para a construção, cortando-o ao meio e acrescentando um interior, fazendo assim nascer o primeiro capacete japonês para motociclistas.

Forro interior

O fabricante japonês não para por aí, pois, pouco depois, decide integrar a tecnologia de estiroporo (poliestireno condensado) nos seus capacetes após ler um artigo sobre o assunto. Este material inovador substitui o tradicional forro de cortiça. Nesta altura, a Arai torna-se uma das primeiras empresas a produzir capacetes para motociclistas ao lado da marca americana Bell . Os produtos passam a ter as iniciais HA, assumindo as iniciais de Hirotake Arai.

A exportação para os EUA

Já na década de 60, a Arai começou a exportar os seus produtos para o continente americano e tem grande sucesso. No entanto, o importador norte-americano insinua que o nome HA não é o mais adequado para produtos desse género… lembra vagamente o som de risos! É nesta altura que os responsáveis da Arai acham um novo nome, e simplesmente decidem optar pela designação Arai.

Para desenhar o logotipo da marca, o importador americano convida um jovem estudante de uma escola de belas artes. Este último tem a promessa de um jantar com todas as despesas pagas e 50 dólares se conseguir criar um logotipo correto. No dia seguinte, o jovem voltou com uma proposta de logotipo que foi imediatamente aceite e que continua a ser o emblema da marca até hoje.

Na década de 70, a Arai foi se desenvolvendo à medida que novos players entravam no mercado de capacetes para motos. Em 1976, Hirotake Arai passou o testemhunho para o seu filho Michio, que assumiu a direção da empresa. Esta última investe muito dinheiro e esforço na pesquisa e desenvolvimento dos seus produtos, antes de colocar os seus novos  capacetes no mundo do motociclismo.

Piloto nas horas vagas, Michio Arai usa os seus contatos para apresentar os capacetes de sua empresa aos diversos campeonatos japoneses de carros e motos.

Arai e Freddie Spencer

Mas, tal como o seu pai, é para os Estados Unidos que Michio Arai olha, pois sabe que conquistar o mercado americano foi a chave do sucesso internacional da empresa. Com o capacete Arai debaixo do braço, o futuro diretor da Arai America percorre as principais corridas nacionais para tentar convencer alguns pilotos a usar os produtos da marca. 

Infelizmente, muitas pessoas imaginam que os capacetes japoneses são apenas produtos asiáticos baratos. Porém, com perseverança, os capacetes Arai conseguiram convencer um jovem prodígio americano de nome Ted Boody Jr. Foi então que Skip Askland se torna um dos embaixadores da marca. Este último demonstra a qualidade dos capacetes japoneses durante um dia de testes em Daytona. Vítima de uma queda, a sua cabeça atinge o solo com violência, mas o piloto levanta-se com facilidade e começa a correr novamente.

Foi também nessa época que Michio Arai descobriu um jovem piloto promissor chamado Freddie Spencer. Depois de ver este jovem americano de apenas 14 anos, Arai continua cativado pela altivez e pelo talento desta semente de campeão e decide oferecer-lhe um capacete.

O sucesso na Fórmula 1

Foi uma jogada de mestre de Michio, pois alguns anos depois, em 1983, Freddie Spencer conquistaria o título de campeão do mundo na categoria rainha de 500 cc com um capacete Arai. No ano seguinte, os capacetes japoneses entram na Fórmula 1 com Keke Rosberg. Em 1986, o fundador Hirotake Arai faleceu e deixou o seu filho Michio para ocupar o lugar de presidente da empresa, numa altura em que 26 dos 28 pilotos inscritos na Fórmula 1 tinham um capacete da marca.

A garantia de 5 anos

Em 1993, a Arai torna-se a primeira marca de capacetes para motociclistas a garantir seus produtos por 5 anos. Quase totalmente fabricados no Japão, os capacetes da marca japonesa são projetados de forma idêntica, independentemente do uso. Os trabalhadores não sabem se o capacete que fabricam se destina a ser usado por pilotos de MotoGP ou um motociclista médio. Uma política atípica, mas que permitiu à Arai posicionar-se entre as marcas de maior prestígio e oferecer produtos de invulgar qualidade.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments