Históricas: As motos mais marcantes dos Anos 70 (2ª Parte)

By on 5 Maio, 2022

Para muitas gerações andar de moto é sinónimo de liberdade. Apesar de tudo, a moto nem sempre foi aclamada pelo grande público e, de fato, nem sempre esteve no centro das atenções. No entanto, a década de 1970 marcou uma verdadeira viragem.  Uma comunidade de “motociclistas” começou a surgir, impusionada com o lançamento de modelos de motos cada vez mais marcantes.

Os entusiastas das motos começavam a reunir-se para trocar informações, movendo-se em grupos pelas estradas e a conduzir motos cada vez mais sofisticadas e velozes. Os mecânicos de motos também eram cada vez mais numerosos, não só para fazer reparações como melhorar as próprias performances de cada modelo.  A moto passou a gerar  satisfação e um profundo sentimento de independência.

É nos anos ’70 que se assiste à ascensão da moto como veículo de transporte particular, ao mesmo tempo que aparecem os ‘pilotos de café’, comumente designados ‘Café-racers’, que enfatizam a velocidade e o desempenho das máquinas. A década de 1970 também marcou o lançamento de modelos icónicos da Harley Davidson, Suzuki, Honda e outras grandes marcas de fabricantes, cada uma mais eficiente que a outra. E mesmo que os anos 70 nos levem quase 50 anos atrás, é claro que algumas motos dessa época ainda são extremamente populares na atualidade. Vamos então continuar a conhecer alguns dos modelos mais marcantes dos “Seventies”:

Triumph Bonneville 650 T120 (1970)

A marca Triumph Bonneville ficou conhecida graças a um piloto, o texano Johnny Allen, que venceu as corridas de motos na década de 1950 com a Triumph de 1956. Para que saiba, na época a Triumph Bonneville era simplesmente chamada de “Triumph”… Mas tendo vencido o campeonato em Bonneville, a marca acrescentou o nome da cidade para celebrar essa ocasião. Desde então, a marca fez grande sucesso e ainda e tornou-se muito popular, especialmente nos Estados Unidos. Quanto à Triumph Bonneville de 1970, esta não parecia se destacar muito das suas concorrentes quando foi lançada. Estava munida de um motor de dois cilindros paralelos a 4 tempos com uma simples árvore de cames e que tinha uma potência anunciada de 50 cv. A Triumph Bonneville aperfeiçoou esse motor depois de apenas três gerações, e foi um sucesso! A caixa da Benneville de 1970 era de 4 velocidades.

Motor: 2 cilindros paralelos 4T arrefecido a ar (649cc)

Potência: 50 cv @ 7000 rpm

Peso a seco: 181 kg

Kawasaki Z1 (1972)

Foi em 1972 que a marca japonesa Kawasaki lançou a Z1 900, o que a tornou numa forte concorrente da Honda CB750. A Z1 foi então considerada, não apenas uma espécie de pioneira no seu género, mas acima de tudo uma moto “universal” que atendia a todos os requisitos em termos de regulamentos estabelecidos por órgãos governamentais em todo o mundo. A Z1 apresentava um motor de 4 cilindros de alta cilindrada (903cc) e um sistema de duas árvore de cames (DOHC) com duas válvulas por cilindro. A travagem era assegurada á frente por um disco de 296 mm e por tambor de 200 mm atrás.

Motor: 4 cilindros em linha 4T arrefecido a ar (903cc)

Potência: 82 cv @ 8500 rpm

Peso a seco: 230 kg

Yamaha XS650 (1976)

Sendo uma das marcas de motos mais populares, a Yamaha começou a dar-se a conhecer no final do século XIX na comercialização de instrumentos musicais. Só em 1955 é que a Yamaha construiu as suas primeiras motos e em 1968 a Yamaha Motor Company lançou a sua primeira motos de tamanho médio, a Yamaha XS650. A empresa comercializou e vendeu este modelo durante quase 10 anos (!), até 1979. Este modelo muito popular foi exportado para a Europa onde teve um enorme sucesso.

Motor: 2 cilindros paralelos 4T arrefecido a ar (653cc)

Potência: 53 cv @ 7200 rpm

Peso a seco: 191 kg

BMW R69S (1969)

Existem três modelos de BMW R69S: o R69US, o R69 e o R69S. Esses modelos de motos despertaram o interesse de pessoas que procuravam uma moto desportiva, mas com aparência legal. A BMW projetou e fabricou todas as unidades localmente em Munique. Todos os modelos vinham com um motor Boxer com 594 cc. De 1955 a 1969, foram vendidas cerca de 15.000 unidades da R69S que fez um verdadeiro sucesso.

Motor: 2 cilindros horizontais Boxer 4T arrefecido a ar (594cc)

Potência: 42 cv @ 7000 rpm

Peso com combustível: 200 kg

Yamaha SR500 (1978)

Em 1978, a Yamaha Motor Company apresentou o seu novo modelo  Yamaha SR500. Munida de um robusto motor monocilíndrico refrigerado a ar, este modelo foi comercializado até ao ano 2000. O que era excepcional e atraente com a Yamaha SR500 é que ela custava muito menos do que as suas concorrentes. Era, portanto, particularmente acessível a jovens estudantes, mas apesar do seu baixo preço, não era uma moto menos eficiente do que qualquer outra. Alimentada por um carburador Mikuni, tinha o arranque por pedal e caixa de 5 velocidades.

Motor: monocilíndrico 4T arrefecido a ar (499cc)

Potência: 31,5 cv @ 6500 rpm

Peso a seco: 158 kg

Yamaha RD350 (1973)

De 1973 a 1975, a Yamaha comercializou a RD350. Houve uma forte procura por esta moto devido às suas especificações técnicas especiais: era uma moto com caixa de 6 velocidades, equipada com travão de disco à frente. Tinha também um motor de 2 tempos refrigerado a ar com reed valve. A Yamaha teve muitos pedidos para este modelo durante os anos 70 e até 1990. O modelo RD400 substituiu o RD350, oferecendo um motor muito mais silencioso.

Motor: 2 cilindros paralelos a dois tempos arrefecido por ar (347cc)

Potência: 39 cv @ 7500 rpm

Peso com combustível:  155 kg

Royal Enfield 750 Interceptor

O fabricante britânico comercializou o modelo Royal Enfield 750 Interceptor do início dos anos 60 ao final dos anos 70. Este modelo foi resultado da atualização da Constellation. A Royal Enfield ajustou a Constellation várias vezes até que a empresa chegou à conclusão de que o resultado era bom o suficiente para ser comercializado como compatível com offroad. O modelo 750 Interceptor foi assim lançado oficialmente em 1962. Ficou conhecido pelo novo motor bicilíndrico de 736 cc e pelo triângulo ergonómico formado pelo assento, guiador e apoios para os pés que são colocados de forma a que o condutor fosse confortavelmente instalado.

Motor: 2 cilindros paralelos com refrigeração líquida (750cc)

Potência: 46 cv

Peso a seco:  n.d.

Suzuki GT750 (1971)

Sabia que a Suzuki GT750 foi a primeira moto japonesa a ter um motor refrigerado a água? E isso não é tudo. Estava equipada com um motor de 3 cilindros a 2 tempos! A Suzuki comercializou este modelo de 1971 a 1977. A moto, no entanto, teve a sua estreia no Salão de Tóquio em 1970. O modelo fez tanto sucesso entre os clientes que agora faz parte da lista de 240 monumentos da tecnologia japonesa compilado pela Sociedade de Engenheiros Automóveis do Japão.

Motor: 3 cilindros tranversais a dois tempos com refrigeração líquida (738cc)

Potência: 70 cv @ 6500 rpm

Peso a seco: 230 kg

Continua…

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments