Honda Double 750 Flat Racer: Tão extrema que foi apelidada de ‘Anti-Cristo’

By on 24 Janeiro, 2022

Esta moto equipada com dois motores é tão extrema que foi chamada de ‘Anti-Cristo’. Contruida a partir da base de uma icónica CB750, foi criada para derrubar recordes no deserto salgado de Bonneville Salt Flats.

Bonneville Salt Flats é um deserto de sal com cerca de 260 km², localizado ao nordeste de Utah, nos Estados Unidos. A região é famosa pelas corridas de alta velocidade, com motos que chegam a ultrapassar os 1000 km/h. A Honda Double 750 Salt Flat Racer “Anti-Cristo” de 1972 é uma moto que alberga dois motores Honda CB750 que trabalham em conjunto para estabelecer recordes de velocidade em Bonneville. Esse foi o sonho não concretizado pelo seu criador.

Duplicar motores numa moto pode parecer estranho, um pouco insano até. Mas foi essa a solução encontrada por Boris ‘Bob’ Guynes para acrescentar potência, realizando esta CB750 bimotor que vai em breve a leilão depois da sua morte.

Guynes faleceu no final do ano passado e viveu uma vida incrível. O veterano do exército americano, acumulou mais de 60 anos de corridas e na construção de motos. Tentou num ano estabelecer um recorde de velocidade no famoso lago salgado de Bonneville, para no ano seguinte participar no infame TT da Ilha de Man. A sua colecção de motos foi mantida graças ao seu filho, Lawrence. Quase todas são Honda, até porque o seu pai era um fã das vintage da marca japonesa.

“O meu pai adorava a teoria mecânica da Honda; sempre gostou muito de engenharia e subscreveu a sua filosofia”, explica Lawrence. A obra prima da sua coleção é esta Honda Double 750 Salt Flat Racer, de 1972, apelidada de Anti-Cristo devido à rebeldia do seu conceito. Segundo Lawrence, Guynes sonhou com uma construção tão extrema, que nem mesmo a própria Honda a criaria.

A moto está equipada com um par de motores da Honda CB750 modificados e acoplados um ao outro. Estes motores eram uma boa base para uma máquina tão selvagem como esta, a sua engenharia avançada fez deles uma referência na época. Caracterizados pela montagem transversal do bloco de quatro cilindros em linha com uma árvore de cames e fiabilidade à prova de bala… muitos deles ainda hoje circulam na estrada, prova evidente da sua durabilidade.

Um único motor da CB750 tem 68 cavalos, dois somam pelo menos 136 CV, antes das modificações. Na ‘Anti-Cristo’ o factor mais importante é que os motores estão ligados entre si através das suas transmissões primárias. O ‘monstro’ é alimentado por  dois gigantescos carburadores por motor que aspiram o ar directamente. Normalmente, cada motor obteria ar e combustível a partir de um grupo de quatro carburadores com difusores mais pequenos. A lubrificação provém de um sistema de óleo de cárter seco. O escape também é bastante curioso, uma vez que passou de oito tubos para quatro.

Os dois motores assentam numa estrutura construída à medida, coberta com um depósito de combustível de uma Honda 450 twin. Para parar todo o peso da moto não são utilizados discos, mas sim clássicos travões de tambor ventilados. Lawrence diz que esta moto foi concebida para fazer uma declaração em Bonneville de que o seu pai não estava a brincar. O amigo de Guynes, Ray Byrne, conseguiu participar com a moto, mas infelizmente notou que a rapidez não é o seu maior argumento. A ‘Anti-Cristo’ também não permite circular de forma legal na estrada. No entanto, com a adição de uma luz de travagem, piscas e espelhos, vários estados norte-americanos emitiriam uma placa de matrícula para esta moto.

Lawrence espera que o futuro proprietário da Anti-Cristo não tenha a ideia correr com esta moto indiabrada. No entanto, isso só se saberá depois do ‘encontro com o diabo’  marcado para o dia 27 de janeiro em Las Vegas, no dia em que a CB750 bimotor fôr a leilão. Depois disso, o filho de Guynes diz que ‘adoraria vê-la com uma matrícula a percorrer uma auto-estrada’.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments