Hydra: Uma radical moto elétrica movida a hidrogénio

By on 10 Agosto, 2022

Dois designers do prestigiado estúdio internacional Kiska imaginaram como seria uma moto elétrica de grande performance movida a hidrogénio, servindo de base para uma gama completa de configurações.

A busca por tecnologias de emissão zero baseadas na eletrificação da propulsão não afeta apenas os veículos de quatro rodas. As motos elétricas são ainda uma franja de mercado, mas o segmento que mais está a crescer em todo o mundo, ciclomotores e scooters que estão cada vez mais presentes nas cidades. No entanto, para motos de maior cilindrada e com capacidade de andar no trânsito, o peso das baterias afeta a sua autonomia e por isso a solução é complicada. Nesse ponto, a célula a combustível de hidrogénio pode ser uma solução, devido à autonomia que oferece e aos tempos de recarga muito curtos.

A Hydra é uma criação dos designers Anton Brousseau, Andre Taylforth e Anton Guzhov  que trabalharam no prestigiado estúdio internacional de design Kiska Design. A moto apresenta um visual futurista conceitual, movido a hidrogénio . Todos os três autores dizem que a ideia fundamental subjacente é aplicável a uma ampla gama de configurações de motos de diferentes estilos e tipos.

O funcionamento técnico da Hydra é semelhante ao que pode ser encontrado em carros elétricos a hidrogénio que foram lançados no mercado, como o Toyota Mirai ou o Hyundai Nexo. O motor que aciona a roda traseira da moto é elétrico. Para fazê-lo funcionar, o hidrogénio armazenado num depósito pressurizado escondido atrás da carenagem central da Hydra é usado para alimentar uma célula de combustível que gera eletricidade a partir do oxigénio do ar, resultando num escape apenas com a saída de água a torna num veículo de emissão zero.

As vantagens dessa tecnologia em relação às baterias eletroquímicas, que também podem alimentar um motor elétrico, são a autonomia e a velocidade de reabastecimento proporcionadas pelo hidrogénio, semelhantes às de um combustível fóssil. Num veículo de duas rodas, o compromisso entre o peso das baterias e a autonomia está num ponto muito delicado que pode ser difícil de resolver.

O hidrogénio, que em teoria traz várias vantagens, também traz muitos inconvenientes . Vários obstáculos técnicos e económicos ainda precisam ser superados antes que possa ser considerado como uma fonte de energia comumente utilizável. A principal delas é a produção sustentável e acessível de hidrogénio, que é um processo que exige muita energia. Inevitavelmente, para atender à sua definição de ‘emissões zero’, deve ser o hidrogênio verde , aquele produzido a partir de energias renováveis. Uma vez encontrada a maneira de conseguir isso, o problema da disponibilidade imediata de combustível de hidrogénio deve ser abordado. .

A Hydra não é a única moto elétrica (e conceitual) que foi apresentada recentemente. Empresas como a Yamaha e Kawasaki estão a investir fortemente nesta tecnologia e até a Segway tornou realidade o seu protótipo Apex H2 com o qual pretende desenvolver um modelo de produção antes do final de 2023. Naturalmente, a intervenção de grandes fabricantes como estes, capazes de investir grandes quantias em pesquisa, podem acabar com a ainda inviabilidade dessa tecnologia para o seu uso normal.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments