Motos Baixas ou Altas – Chegar com os pés ao chão é determinante ?

By on 20 Maio, 2020

 Há motos altas e pessoas de estatura baixa e esta realidade muitas vezes pode gerar insegurança e desconforto e condicionar a compra de um determinado modelo.

Vamos por isso aprofundar este tema e desmistificar algumas realidades que no mercado podem limitar o potencial de podermos ter a moto que desejamos. O facto de sermos baixos pode não ser tão limitador como à partida se possa pensar.

Triumph Riger 900 GT Low – 760mm

Aliás se formos analisar constatamos que muitos dos melhores pilotos de competição têm estaturas que podem ser consideradas baixas. Por exemplo o Dani Pedrosa com os seus 1,58 e o Capirossi com 1,63…  perfeitos exemplos do que estamos a comentar. Inclusivamente no todo-o-terreno o famoso piloto belga Gaston Rahier, Campeão do Mundo de Motocross nos anos 70 e vencedor por duas vezes do Paris-Dakar nos anos 80, tinha apenas 1,64m de altura.

No entanto há que considerar que em pista e em competição raramente se colocam os pés no chão o que, no caso do comum dos mortais que pretende adquirir uma moto para lazer ou para o seu dia a dia, sobretudo no pára arranca no transito citadino, o colocar pelo menos um pé no chão é determinante para se manter o equilíbrio e podermos circular com maior segurança ( os dois pés o ideal, claro está ).

Triumph Street Twin – 760 mm

Portanto torna-se evidente que uma das questões que sempre colocamos quando pretendemos adquirir uma moto é “ será que é demasiado alta para mim ? “ Esta questão torna-se especialmente relevante quando é formulada por uma pessoa de estatura baixa.

Nesta altura é importante percebermos que na evolução tecnológica das motos, sobretudo na competição, a altura das mesmas tem vindo a aumentar ao longo dos tempos. Se no passado se apostava numa altura menor das mesmas, procurando baixar o seu centro de gravidade, hoje em dia a geometria dos quadros e toda a ciclística tem vindo a fazer com que as motos sejam cada vez mais altas, já que está provado que existem benefícios claros na agilidade e estabilidade que obtemos na sua pilotagem. Poderemos por isso assumir à partida que quanto mais desportivas as motos forem mais altas serão ( não estamos a considerar aqui as motos de todo-o-terreno que pelos cursos de suspensão que têm são naturalmente mais altas  ).

Honda CMX 500 Rebel – 690 mm

Mas a cada estilo de moto varia também a sua altura média já que, se por um lado as desportivas têm tendência a ser mais altas, por exemplo as Cruisers e as Custom são motos de estilo mais baixo.

Os fabricantes são também sensíveis à condicionante altura dos seus modelos e por exemplo no segmento das Adventure vemos a serem adoptadas várias opções de forma a que as motos se possam adaptar às limitações ( psicológicas e físicas ) dos seus potenciais clientes. Aliás no segmento das Adventure quase as motos vêm de fábrica com a possibilidade de se regular a altura do assento entre duas ou três posições ( uma dita normal, outra mais alta e outra ainda mais baixa ) e vemos inclusivamente marcas a terem o mesmo modelo especialmente adaptadas a utilizadores de estatura mais baixa ( ex: Triumph Tiger 900 GT Low ).

Honda MSX 125 – 765 mm

Queremos no entanto reforçar a ideia de que uma moto alta não está limitada a pessoas de estatura alta.  Aqui como é óbvio é importante o factor experiência e confiança, para além do objectivo de utilização da própria moto. Os critérios serão distintos se pretendemos comprar uma moto para circular em cidade todos os dias ou se pretendemos uma moto para viajar ou ainda para aventuras que incluam algum fora de estrada.

Assim devemos definir sempre um contexto pessoal antes de avançarmos para a decisão de compra, já que por exemplo uma pessoa de estatura baixa pode perfeitamente conduzir uma moto alta, ou seja, as limitações devemos estabelecê-las em função de várias realidades e não considerar que a nossa estatura possa ser a condicionante máxima.

Kawasaki Vulcan S – 705 mm

Para além de tudo o que acabamos de comentar é importante saber que existe sempre a possibilidade de baixar a altura de uma moto. Isto é particularmente relevante quando estamos focados na compra de um determinado modelo e nos colocamos a questão da sua altura. Assim podemos sempre questionar as marcas e/ou o concessionário da mesma, sobre a possibilidade de baixar a altura do assento.

Existem sempre possibilidades para o efeito, seja mudando o próprio assento para outro mais baixo, da própria marca ou de qualquer outra, ou podendo alterar a configuração do assento original, realidade que poderá ser feita por um estofador especialista, ou ainda alterar parâmetros nas suspensões da moto, seja baixando naturalmente as mesmas na sua fixação nas mesas da suspensão dianteira, seja introduzindo um kit de fixações ( bieletas ) que alteram a altura do amortecedor traseiro. Ao nível das suspensões podemos sempre alterar a pré-carga de molas e vermos se com o nosso peso a moto não ficará suficientemente baixa para a utilizarmos com mais confiança.

Kawasaki Ninja 650 – 790 mm

É bom não esquecer que todo o tipo de alterações na altura da moto irá também alterar o seu desempenho e se na fase inicial de adaptação à moto nos sentimos menos à vontade, à medida que formos ganhando confiança na sua condução o factor altura passa a ter cada vez menos relevância, podendo a maior altura oferecer, como já comentámos, maior agilidade e estabilidade na sua condução.

Por isso se a moto que elegemos é de facto demasiado alta para chegarmos com os dois pés ao chão, que isso não seja impedimento de concretizarmos a sua aquisição. Na sua condução, sobretudo quando nos imobilizamos, o chegar apenas com um pé ao chão é mais do que suficiente, só temos que aprender a deslocar-nos sobre o assento, de um lado para o outro, de forma a obtermos o equilíbrio e o apoio necessário de um dos pés no solo.  Se não tiverem demasiada experiência na condução de motos recomendamos que treinem em casa, parados na garagem com a moto no descanso, o moverem-se de um lado para o outro na moto, mudando o pé de apoio. 

Ducato Scrambler – 770 mm

Outra técnica é a de utilizar o descanso lateral para subir e descer da moto, colocando o pé na peseira no lado do mesmo, um pouco como se fosse um estribo de um cavalo. Há quem, ainda em andamento, coloque o descanso lateral e depois trave de forma a que a moto descaia já parada para o lado esquerdo, apoiando-se no descanso sem tirar os pés das peseiras, mas essa é uma manobra que não recomendamos de todo numa fase inicial. No entanto o descanso lateral joga um papel importante em termos de confiança extra quando conduzimos uma moto alta.

Um nota final sobre o facto de que independentemente do estilo existem motos mais baixas e mais altas em cada segmento, demos aqui alguns exemplos, e que mesmo as mais altas são passíveis de podermos reduzir a sua altura. Por isso os limites não estão à partida definidos pela nossa estatura mas sim pela nossa atitude e confiança, sabendo que esta última aumentará sempre com a experiência.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments