Segurança Rodoviária – Experiência francesa de ‘circular entre filas’ foi inconclusiva!

By on 18 Fevereiro, 2021

Nas vias analisadas, os acidentes aumentaram 12% durante o período em que decorreu a experiência, mas certos parâmetros do estudo carecem de uma revisão.

Fontes: CEREMAFederação das Associações Europeias de Motociclistas

Circular ou não entre filas de trânsito é um tema muito quente de debate entre motociclistas. Muitos são a favor da prática e dizem que ajuda a aliviar o congestionamento do trânsito. Já entre os automobilistas, estes são mais propensos a expressar fortes reservas sobre serem forçados a não usar os seus telefones enquanto conduzem, uma prática que entendem como mais imprevisível e, portanto, mais perigosa.

A maior ilação que a maioria das pessoas tira provém da observação de que os acidentes aumentaram 12% nas estradas que participaram da experiência ‘Entre Filas’, enquanto diminuíram 10% em estradas que não foram submetidas a esta experiência… No entanto, é preciso mergulhar um pouco mais a fundo no assunto, para se ter uma imagem mais clara do que aconteceu.

5 ANOS NÃO BASTARAM PARA TIRAR CONCLUSÕES

O CEREMA (abreviatura de Centro de Estudos e Perícias em Riscos, Meio Ambiente, Mobilidade e Planeamento) avaliou os resultados desta experiência de cinco anos. A questão de circular entre filas em França, tal como a lei está atualmente, não está regulamentada. Os motociclistas fazem essa prática com frequência, mas não é explicitamente sancionado, nem encorajado.

A experiência do CEREMA começou a 1 de fevereiro de 2016. França divide a sua administração governamental em três subníveis: regiões administrativas, departamentos e comunas. Para lhe dar uma melhor ideia de escala, no geral, a França tem 96 departamentos, com mais cinco localizados no exterior. Apenas dez departamentos participaram desta experiência rodoviária.

Os pesquisadores observaram o tráfego em vários momentos, e também acompanharam os acidentes envolvendo duas rodas que ocorreram dentro do prazo especificado. Além disso, a equipa deste estudo questionou condutores e instrutores de condução sobre as várias facetas da experiência.

AS FALHAS DA EXPERIÊNCIA

Nas zonas experimentais, os condutores de veículos de duas rodas (bem como de três rodas que não são muito largos, como a Piaggio MP3) puderam andar entre filas quando o trânsito circulava a velocidades até 50 km/h ou abaixo desse limite. Esse comportamento, poderia envolver ‘filtrar’ entre os carros até a frente da fila, andando devagar entre linhas de carros que se movimentavam a baixas velocidades.

Enquanto a experiência decorreu, instrutores de condução foram informados do que estava a acontecer. No entanto, eles não foram explícitos a informar os seus alunos sobre isso. O resultado foi que alguns utilizadores da estrada sabiam o que estava a acontecer, enquanto outros não. Nos casos em que os instrutores podem ter falado aos alunos sobre a experiência, não houve treino prático dado para como abordar uma situação entre filas. Apenas vídeos, fotos e outros aparelhos visuais foram as ferramentas utilizadas. Quando inquiridos sobre a experiência, mesmo os alunos que receberam alguma informação sobre a experiência disseram que não se lembravam da mesma.

Além disso, dois terços dos condutores, de acordo com a pesquisa, não acham que a segurança da passagem entre filas seja um problema deles. Em vez disso, dizem, que cabe aos condutores de veículos de duas rodas tornar as coisas seguras por conta própria!

AS CAUSAS DOS ACIDENTES

Na questão sobre os acidentes ocorridos durante a experiência, dois temas adicionais surgiram (e às vezes sobrepostos): Um refere que alguns acidentes foram parcialmente causados por motociclistas que seguiam acima de 50 km/h, e que, em seguida, bateram em outros veículos à sua frente; outro que os acidentes foram parcialmente causados por motociclistas que repentinamente decidiram mudar de faixa sem aviso prévio.

O conhecimento inconsistente desta experiência e a falta de treino prático para condutores são fatores definidos nas descobertas do CEREMA. Embora a equipa tenha achado esses resultados dececionantes, decidiram que mais pesquisas são necessárias para obter uma imagem mais precisa de como tornar as coisas mais seguras para todos os utentes da estrada.

“O objetivo desta experiência foi reduzir os acidentes de duas rodas com motor, enquadrados na prática de circulação entre filas nos departamentos em causa”, disse a delegada interministerial de segurança rodoviária Marie Gautier-Melleray, em comunicado.

“No entanto, o resultado não está acima das nossas expectativas, uma vez que a proporção de acidentes nas vias rodoviárias analisadas, em comparação com outras vias aumentou significativamente. Uma nova experiência, com regras adequadas, poderia, portanto, ser previsto para garantir a continuidade segura dessa prática.”

Um comunicado da Federação das Associações Europeias de Motociclistas acompanha a declaração de Gautier-Melleray: “Uma segunda experiência mais aprofundada deve incluir o alargamento das áreas geográficas em causa, novas regras de tráfego, uma metodologia automatizada de recolha de dados, comunicação adaptada e contínua para aperfeiçoar a educação de todos os utentes da estrada sobre o assunto”.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x