Suzuki Hayabusa 2021: O regresso do falcão

By on 7 Fevereiro, 2021

A Suzuki revelou todos os pormenores da última geração da Hayabusa, com a nova – e calorosamente antecipada – terceira geração da lendária hiper-desportiva. Fiél à imagem assustadora da feroz ave de rapina da qual herda o seu nome, a nova Hayabusa tem mais de 550 novas peças, otimizou as suas linhas, acolhendo as mais recentes tecnologias para proporcionar maior controle e mais conforto sem perder a sua velocidade vertiginosa.

Lançada em 1999, a Hayabusa surpreendeu o mundo do motociclismo e deu origem à categoria hiper-desportiva. Tomando o nome do falcão peregrino japonês e com uma performance incomparável, tornou-se imediatamente reconhecível graças à sua silhueta icónica, passando a desenvolver desde então um estatuto de culto. O seu motor grandioso permitia uma entrega de potência suave, apesar de poderosa mas com uma flexibilidade e usabilidade que os rivais só poderiam sonhar, enquanto a sua singular carenagem definida no túnel de vento permitia à Hayabusa escorregar pelo ar sem esforço.

O lançamento da segunda geração da Hayabusa em 2008 aumentou a sua capacidade e potência, enquanto uma atualização de médio prazo em 2013 adicionou pinças monobloco Brembo e ABS, atualizações que trouxeram a máquina para o século 21, mas permanecendo fiel ao estilo único que lhe permitiu conquistar um estatuto de ícone.

Quase 200.000 unidades depois, uma terceira geração emprega muita da bem sucedida receita original, mas aproveita as mais recentes tecnologias para fornecer maior controle e maior conforto para manter a sua posição de melhor moto desportiva.

Design: manter a icónica identidade

Após o lançamento do modelo original em 1999, a impressionante silhueta aerodinâmica da Hayabusa tornou-se instantaneamente reconhecível – nada no mundo se assemelha a uma Hayabusa! Durante o design da máquina de terceira geração, o conceito de “a besta refinada” garantiu que os designers da Suzuki não fizessem mudanças por atacado. Em vez disso, garantiram que esta terceira geração ainda fosse imediatamente identificável como uma Hayabusa… 21 anos depois da primeira Hayabusa. Ainda baixa, longa e larga, a nova geração herdou fielmente o DNA das suas antecessoras, mas com linhas mais nítidas e um visual duro e moderno que esbanja refinamento, classe e performance. Foi trazida firmemente para o presente com os olhos postos no futuro. O resultado geral é um visual de maior qualidade e maior luxo fundido com a imagem assustadora da feroz ave de rapina da qual herda o seu nome.

No perfil lateral cada centímetro permanece Hayabusa, mas o design apresenta linhas mais retas e nítidas, desde o novo design do espelho até a famosa corcunda do assento. A frente foi renovada com novos faróis de LED empilhados verticalmente, aninhados entre as novas entradas de ar angulares cercadas pelos piscas integrados. Grande esforço também foi dedicado a projetar o escape lateral que sobe em direção à cauda, onde encontramos novas luzes traseira led, bem combinada com o visual maciço da frente.

Assim como o design da carenagem, também a instrumentação faz parte da identidade desta máquina icónica, tendo sido redesenhados para abraçar a tecnologia moderna – na forma de uma tela TFT colorida – mantendo os elementos que se destacam como Hayabusa: os dois grandes mostradores que flanqueiam o novo display TFT.

O grande tacómetro analógico e o velocímetro ganham uma aparência fresca e mais atraente. As características incluem numeração maior e mais ousada que melhora a legibilidade, e marcas de escala elevadas ao redor da periferia de cada medidor usam iluminação LED para fornecer uma visão mais clara e um reconhecimento mais rápido. A tela TFT colorida exibe uma infinidade de leituras de informações do novo conjunto de eletrónica (descrito na íntegra, abaixo) incluindo as configurações atuais de SDMS ou um display de dados ativo que mostra o ângulo de inclinação, pressão do travão dianteiro e traseiro, taxa de aceleração para frente/reversa e a posição atual do acelerador. O painel também mostra relógio, posição da engrenagem, odómetro, temperatura ambiente, consumo instantâneo de combustível, tempo de viagem, consumo médio de combustível, etc.

Motor: a receita original

Durante o desenvolvimento da nova Hayabusa, muitos protótipos foram avaliados, com muitos a apresentarem diferentes configurações de motores. O designer de motores Naoki Mizoguchi explicou: “Considerámos uma variedade de configurações de motores antes de chegarmos ao desenho final. A experiência incluiu a construção de protótipos com motores de maior cilindrada, motores com turbo, e outros com seis cilindros. No final, chegámos à conclusão de que o pacote original do motor alcançava o melhor equilíbrio geral. Chegámos também à conclusão de que não alterar a disposição básica era fundamental para manter a identidade distinta da Hayabusa. Por isso, aplicámos o melhor das suas qualidades comprovadas. O nosso objetivo foi criar um motor melhor e ao mesmo tempo construi-lo sobre a mesma disposição comprovada”.

Como resultado do trabalho de Mizoguchi, o motor de 1340cc, em linha de quatro cilindros, foi submetido a uma extensa reformulação, com o objectivo de aumentar o desempenho e melhorar a potência e o binário na gama baixa e média de rotações. O resultado – especialmente quando aliado à nova eletrónica que melhora o desempenho – é a Hayabusa de arranque mais rápido, mas também um motor mais fácil de levar e flexível para uso diário, além de maior durabilidade e fiabilidade, também.

Performance limitada a 299 km/h

Enquanto a velocidade da nova Hayabusa permanece limitada electronicamente a 299km/h, supera no entanto as suas antecessoras graças a uma curva de binário mais plana que preenche um ponto plano identificado nas gerações anteriores nas gamas de rotações mais baixas. Esse aumento no desempenho, mais a durabilidade acrescida, provém de uma série de componentes novos ou redesenhados.

Potência, durabilidade e controlo otimizados

Embora o motor já seja famoso pela sua durabilidade e longevidade, os seguintes aperfeiçoamentos visam levá-lo a outro nível. Novos pistões e bielas reduziram o peso das peças móveis dentro do motor. As alterações nas passagens de óleo da cambota melhoram a lubrificação do motor. Os rolamentos de agulha do eixo de transmissão são alongados em comprimento. A atenção aos pormenores foi ao ponto de mudar a forma como os parafusos da caixa do motor são apertados, e mesmo à rosca dos orifícios dos parafusos no cárter superior.

O novo desenho dos pistões e da câmara de combustão Twin Swirl (TSCC) aproveitam plenamente os avanços na análise CAE para trazer mais ar à medida que as válvulas começam a levantar e assim aumentar a eficiência da combustão. A Suzuki Side Feed Injectors (S-SFI) apresenta um novo desenho de injetor duplo que posiciona o injector secundário de modo a que o seu spray atinja uma placa refletora no funil e entre na câmara de combustão como uma fina névoa. Isto combina com o aumento da capacidade de um novo filtro de ar e uma concepção mais longa da tubagem de admissão para otimizar a potência de baixa a média gama, por forma a tornar a Hayabusa mais controlável em situações típicas de condução diária.

O sistema de controlo do acelerador da Suzuki, de controlo de aceleração por cabo, proporciona uma resposta natural com controlo linear, enquanto que uma alteração relacionada para um diâmetro de furo de 43 mm para os corpos de acelerador aumenta a potência de baixa e média gama de potências. Também ajudando a melhorar o desempenho e a controlabilidade nas velocidades mais comummente utilizadas de baixa a média gama são a sobreposição do elevador de válvulas reduzido do novo motor e um novo tubo na cabeça de escape que liga os cilindros 1 e 4.

Electrónica: o salto em frente

Um grande salto em frente da segunda para a terceira geração Hayabusa vem de um novo e abrangente conjunto de eletrónica destinado a melhorar tudo, desde o desempenho ao conforto do condutor, e à segurança.

A versão mais recente do Suzuki Intelligent Ride System (SIRS) é a que se segue:

Suzuki Drive Mode Selector Alpha (SDMS-α) com uma selecção de três modos predefinidos de fábrica e três modos definíveis pelo utilizador, combinados:

Sistema de Controlo de Tracção de Pista de Movimento (10 modos mais desligado)

Selector de modo de potência (três modos)

Sistema de Deslocamento Rápido Bi-direccional (dois modos mais desligado)

Sistema de controlo anti-levantamento (10 modos mais desligado)

Sistema de controlo de travagem do motor (três modos mais desligado)

Limitador de velocidade activo

Sistema de Controlo de Lançamento (três modos)

Sinal de paragem de emergência

Suzuki Easy Start System

Assistência a baixa RPM

Sistema de Cruise Control

Sistema de travagem combinado

Sistema de Travagem por Pista de Movimento

Sistema de Controlo Dependente da Inclinação

Sistema de Controlo Hill Hold

No SDMS-α os pilotos têm a capacidade de escolher entre um de três modos de potência, com o modo de potência total 1, seguido de um modo mais suave, 2, que reduz a potência inicial mas resulta no mesmo pico de potência, enquanto que o modo 3 tem uma potência máxima de saída reduzida.

Existem também 10 modos de Controlo de Tracção de Pista de Movimento a partir de um sistema controlado por IMU que utiliza a mesma tecnologia que a máquina de MotoGP e GSX-R1000R da Suzuki, vencedora de campeonatos mundiais. O sistema sensível ao ângulo inclinado obtém leituras do IMU, sensores de velocidade das rodas dianteiras e traseiras, sensor de posição da manivela, sensor de posição do acelerador, e sensor de posição da engrenagem para detectar uma perda de tração antes do ECU controlar a saída para a válvula do acelerador, bobina de ignição, velas de ignição, e injectores de combustível para limitar a potência. O sistema também pode ser desligado.

Mais 10 modos de Controlo Anti-elevação ajudam a evitar que a roda dianteira se erga numa aceleração forte. Quanto maior for a regulação, maior será a quantidade de controlo fornecida. Também pode ser desactivado. Um quickshifter bi-direccional derivado das corridas permite aos condutores passarem a caixa com o acelerador bem aberto e sem operar a embraiagem, ao mesmo tempo que a necessidade de carregar no acelerador nos downshifts é também erradicada. Dois modos significam que os pilotos podem escolher entre uma resposta mais orientada para a corrida e o desempenho, ou um modo que responda a uma saída mais leve.

Para personalizar ainda mais os sistemas electrónicos avançados da Hayabusa, o condutor pode gerir a força efectiva da travagem do motor para corresponder à sua preferência. Há três configurações adicionais a escolher, bem como a configuração padrão ‘off’, em que quanto maior for a configuração, mais o efeito da travagem do motor é suprimido. Como parte do SDMS-α vêm três modos de piloto predefinidos de fábrica – Activo, Básico, e Conforto – com cada um deles utilizando uma combinação de regulações atribuídas para os sistemas acima referidos.

Ciclística: estabilidade e velocidade refinadas

A Hayabusa desde sempre foi conhecida pela sua notável combinação de estabilidade de alta velocidade e a sua sensação de agilidade surpreendente. Como resultado, os engenheiros da Suzuki concentraram-se em evoluir a configuração do quadro existente para construir na base comprovada, em vez de partir para mudanças desnecessárias.

A estrutura de alumínio de dupla viga usa seções de alumínio extrudido que dão a quantidade certa de flexibilidade e força, alcançando um melhor equilíbrio geral. Um novo subquadro reduz o peso em 700 gramas. Uma nova configuração das unidades de suspensão dianteira e traseira totalmente ajustáveis ajuda a melhorar a estabilidade da moto a velocidades altas, bem como sua capacidade de curvar, e também fornecer melhor aderência dos pneus Bridgestone Battlax Hypersport S22 especialmente projetados para a Hayabusa. Nas novas rodas de sete raios existem discos maiores de 320mm à frente, com maior poder de retenção proveniente das pinças Brembo Stylema.

As novidades profundas na eletrónica, assim como uma mudança importante em termos de ergonomia no que respeita às bainhas da forquilha que ficram 12mm mais próximas do lugar do condutor, permitem ficar diretamente mais conectado à roda dianteira, assegurando mais controle direcional e conforto, o que é uma vantagem no que concerne a viagens mais longas.

Disponibilidade

O modelo vai estar disponível em Portugal a partir do mês de Maio de 2021 com um preço de venda ao público a anunciar em breve e em três combinações de cores:




Hayabusa – GSX-1300RR cor B5L – Preto / Dourado



Hayabusa – GSX-1300RR cor B5M – Cinzento Prata / Vermelho



Hayabusa – GSX-1300RR cor B5N – Branco / Azul

Ficha técnica

MOTOR

Tipo: 4 cilindros em linha, 4T, refrigerado a líquido, DOHC

Diâmetro x curso: 81,0 mm x 65,0 mm

Cilindrada: 1.340cc

Taxa de compressão 12,5:1

Sistema de combustível: Injecção

Sistema de arranque: eléctrico

Ignição: electrónica (transistorizada)

Sistema de lubrificação: Depósito húmido

Transmissão: caixa de 6 velocidades

CICLISTICA

Suspensão dianteira: Forquilha telescópica invertida, mola helicoidal

Suspensão traseira: Tipo Link, mola helicoidal, amortecida por óleo

Ângulo de direção:  23° 00′ / 90 mm

Travões dianteiros: Brembo Stylema®, 4 pistões, disco duplo 320 mm com ABS

Travão traseiro: Nissin, de 1 pistão, disco único, equipado com ABS

Pneus (Fr./Tr.): 120/70ZR17, sem câmara e 190/50ZR17, sem câmara

DMENSÕES E CAPACIDADES

Comprimento total: 2,180 mm

Largura total: 735 mm

Altura total: 1,165 mm

Distância entre eixos: 1,480 mm

Distância ao solo: 125 mm

Altura do assento: 800 mm

Capacidade do depósito de combustível: 20,0 L

Peso total: 264 kg

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x