Técnica: O motor Revolution Max da Harley-Davidson

By on 17 Março, 2021

O novo motor HD, Revolution Max que alimenta os novos modelos Pan America 1250, é um dos mais ambiciosos e avançados criados até hoje pela empresa norte-americana. Vamos conhecê-lo ao pormenor.

Com a introdução de uma das motos mais importantes da história da Harley-Davidson, a empresa de Milwaukee também revelou uma de suas unidades mais tecnologicamente avançadas até agora.

Para uso no modelo Pan America 1250 e Pan America 1250 Special este novo motor foi projetado para ser flexível e envolvente, com bom binário médio e potência máxima suficiente para deixar um sorriso no condutor. Mas precisa ser mais do que isso. A nova plataforma motriz Revolution Max irá futuramente servir uma vasta gama de novos modelos, a começar pela 1250 Custom que está a ser desenvolvida. Neste artigo vamos nos concentrar sobre este motor que é um dos principais argumentos da nova Pan-America, falando-lhe das suas características principais e analisando como o mesmo vai poder ser aplicado na nova linha de modelos da H-D.

Desenhado a partir de uma folha em branco

O novo biciclindrico em V a 60 graus, com 1250 cm3 e 150 cavalos de potência que serve a nova Pan América tem um design completamente novo, não tendo nenhuma semelhança com qualquer outro motor da marca americana. Uma das alterações mais notáveis prende-se com o sistema de arrefecimento 100% líquido. A Harley-Davidson aplicou o arrefecimento líquido em alguns modelos anteriores, como a Road Glide Ultra de meados dos anos 2010 – com as suas cabeças refrigeradas por água – embora a grande maioria dos motores HD sejam arrefecidos por ar.

Para quê a refrigeração a água?

Sendo uma verdade que esta mudança pode não agradar aos mais puristas, devem no entanto compreender que sem os benefícios que o resfriamento líquido traz, provavelmente não veríamos – nem de perto nem de longe – os bons valores de desempenho da nova Pan America. O arrefecimento líquido ajuda em muitas frentes, sendo o principal elemento que ajuda a reduzir parte do ruído mecânico dentro do motor, ajudando a apaziguar os deuses do Euro 5. Mantém ainda o motor a uma temperatura mais constante, permitindo que tolerâncias internas mais próximas sejam obtidas.

O projeto estrutural do motor

Como é bastante comum no mundo da moto, o motor da Pan America é um membro estrutural integrante do quadro, servindo assim melhor as maiores exigências da pilotagem offroad. Ao optar por essa solução, a equipa de design poderia concentrar-se em conceber um quadro menor e mais leve do que um item convencional.

Aparafusados ao motor Revolution Max estão três elementos de quadro: um quadro frontal, um quadro médio e a seção traseira. O quadro frontal lida com todas as forças de travagem, curva  e aceleração que passam pela moto durante o seu uso. O parafuso de seção de armação média e traseira na parte traseira e superior do motor, carrega a maior parte da carga estática da moto – piloto, bagagem, combustível e assim por diante. Com tantas forças exercidas na unidade motriz, os engenheiros da Harley tiveram que pensar em maneiras de aumentar o músculo interno do projeto, com alumínio 345 de alta resistência, sendo essa apenas uma das formas de lidar com essas forças.

Com cames convencionais à cabeça acionadas por corrente (outra raridade numa Harley) e quatro válvulas por cilindro, o novo design é substancial o suficiente para dobrar ter a rigidez e flexibilidade a par do quadro da Pan America. O ponto onde o quadro aparafusa com a cabeça precisa de alguma flexibilidade, mantendo o resto das tolerâncias necessárias para áreas como a câmara de combustão.

Válvulas de comando variável

A unidade Revolution Max também possui válvulas com tempos de abertura variável controlados por computador (VVT), e é outro aceno para obter desempenho onde é necessário, ao mesmo tempo em que facilitou a chegada â importante certificação Euro 5. O sistema funciona tanto nas válvulas de entrada quanto nas válvulas de escape, contando com uma faixa de 40° de rotação da cambota. O resultado líquido deve ser uma maior difusão de binário na gama média, com uma corrida agradável para a linha vermelha do conta-rotações apenas para manter as coisas interessantes.

Devemos no entanto referir, que esta foi apenas uma curta e breve introdução às características deste motor, que detalharemos mais em profundidade num próximo teste com a nova Pan America, mas um esclarecimento necessários aos nossos leitores face à  importância do Revolution Max, um passo significativo para o futuro nas orientações técnicas do fabricante.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x