Ensaio da Yamaha Ténéré 700 – Quando o Limite está no Horizonte

By on 17 Maio, 2019

A marca “Ténéré” remete-nos para um passado histórico marcado por mil e uma aventuras e vitórias obtidas nas competições mais duras disputadas mundialmente nas últimas décadas. Essa é a essência que inspira a Yamaha e que pretende recuperar no seu novo modelo Ténéré 700 agora formalmente apresentada de forma a proporcionar a todos os que procuram na moto o prazer da aventura e da liberdade a melhor forma de o concretizarem.

Foi essa realidade que ficou provada nesta semana na apresentação global da Yamaha Ténéré que decorreu em Espanha, na Província de Tarragona, e na qual tivemos o privilégio de participar.

História

O projecto da nova Ténéré foi desenvolvido ao longo dos últimos anos, fruto da cooperação de vários departamentos técnicos da Yamaha situados na Europa e no Japão. Durante o processo de desenvolvimento a marca foi criando uma enorme expectativa em torno do novo modelo desde que há cerca de dois anos foi dado a conhecer o primeiro protótipo, Na presente data, em que tivemos a oportunidade de rodar nos modelos de pré-produção, ficámos a conhecer as suas características e comportamento  definitivos.

O evento foi preparado ao pormenor, onde estavam presentes jornalistas de 4 continentes, inclusivamente do Japão e dos Estados Unidos. A base situava-se em Tortosa, uma cidade da Província de Tarragona e os percursos incluíam zonas de montanha e de deserto, passando pelo famoso deserto de Los Monegros, entre Zaragoza e Lérida, percorrendo zonas de serra com paisagens naturais deslumbrantes, num percurso que no primeiro dia chegou aos 350 Kms. No segundo dia, e após uma dormida merecida na casa rural Xalet de Prades, realizámos mais 170 Kms de volta a Tortosa onde a Yamaha nos reservava uma surpresa pois colocou o seu piloto oficial Adrien Van Beveren a rodar no nosso grupo.

Adrien Van Beveren na Yamaha Ténéré 700

No final, os cerca de 530 Kms realizados na nova Ténéré 700 serviram para confirmar toda a expectativa criada pela marca ao longo dos últimos anos, sobretudo no último ano em que, pelas mãos de vários pilotos profissionais, a marca realizou o chamado “World Raid 2018” e foi reportando as impressões dos mesmos sobre o comportamento da moto nas mais variadas situações e percursos.

A Yamaha na sua apresentação inicial fez questão de dar ênfase ao significado e à responsabilidade do modelo ao carregar o legado da designação “Ténéré” referindo-se a um passado de grandes conquistas desportivas e ao significado da designação “Ténéré” que não só designa uma vasta região desértica no norte de África, como significa em linguagem Tuareg e Berber “Deserto” e “Solidão”.

Desde os anos 80 que a Yamaha designou os seus sucessivos modelos de motos de Aventure com a designação Ténéré, motos de início com motorização monocilíndrica e arrefecimento a ar, tendo no final dos anos 80 e início dos anos 90 aparecido a famosa Super Ténéré, com motor bicilíndrico que derivava da TDM e com arrefecimento líquido e 69 CV de potência. A Super Ténéré venceu nos anos 90 e por 7 anos consecutivos a Prova do Dakar, pilotada por Peterhansel ( 6 vezes ) e Orioli ( 1 vez). A meio da década dos 90 a cilindrada evoluiu para os 850cc. Paralelamente, e durante praticamente duas décadas, outro modelos, a Yamaha Ténéré 660, monocilíndrica, foi também sofrendo várias evoluções.

Protótipo T7 apresentado em 2017

Finalmente em 2017 a Yamaha apresentou o seu primeiro protótipo da nova Ténéré, a revolucionária T7, aquela que viria a ser o ponto de partida para a nova Ténéré 700. O modelo foi alvo de um enorme processo de desenvolvimento, no sentido de garantir a produção de uma moto que transmitisse a essência da designação “Ténéré”, uma moto leve, desportiva, resistente, excitante e sobretudo que proporcionasse uma excelente experiência de condução, tanto em estrada como em offroad. Tudo isto a um preço muito acessível.

A Yamaha definiu também um posicionamento criteriosos do seu modelo de forma a dirigir o mesmo a um target específico de compradores e que definiu em 3 tipos: Os Globe Trotters e Aventureiros, aqueles que percorrem longas distâncias e realizam viagens a destinos longínquos sem se importarem com o tipo de desafios que terão pela frente; Os amantes de OffRoad, que preferem uma vida de acção do tipo “Rally Style” em vez de “Sofá Style”; e finalmente, os do tipo “Crossover”, aqueles que fazem uma escolha racional de uma moto para todo tipo de utilização, inclusivamente para o seu dia a dia.

Primeiras impressões

O primeiro contacto com um novo modelo deixa-nos sempre ansiosos e neste caso, depois de dois anos de espera em que acompanhámos de perto todo o processo de evolução do modelo, a curiosidade era ainda maior. A curiosidade sobretudo de rodar com a mesma já que em termos de posicionamento a nova Ténéré 700 vem abrir, conjuntamente com a KTM 790, um novo segmento de mercado, de motos com aptidão on e offroad, de média cilindrada e mais leves que as pesadas Maxi Trail, mas confortáveis e com autonomia suficiente para realizar grandes viagens.

A configuração de moto de “Rally” é evidente e a associação com as motos que disputam o Dakar e as provas mais duras de deserto está patente no perfil da nova Ténéré. Frente alta, com 4 faróis de LED, protegidos por um écran transparente e esguio com defletores laterais, bem ao estilo mais “Pro” das motos de alta competição. O painel digital tem uma configuração vertical e pela sua posição permite uma excelente visualização, mesmo quando conduzimos de pé na moto. Talvez aqui um vidro anti-reflexo pudesse melhorar ainda mais a leitura de toda a informação. No entanto com a quantidade de pó que sistematicamente se acumulava no vidro do painel durante o percurso que realizámos de deserto, tornava essa realidade irrelevante. O painel inclui ainda um suporte transversal para montagem de todo tipo de instrumentação de navegação, smartphones, GPS, e ou câmaras fotográficas do tipo GoPro’s… lateralmente existe acesso a uma tomada de corrente com 12Volts e um segundo espaço, localizado no sítio oposto, eventualmente para instalar uma ficha usb ou uma segunda tomada de 12 V.

Ciclística

O chassi é simultaneamente leve , estreito e compacto, proporcionando uma boa ergonomia e uma boa sensação na condução da moto. O quadro da Ténéré 700 é totalmente novo, desenhado de raíz, especialmente estudado para ser um “berço” natural do fantástico motor CP2 da Yamaha, o conhecido motor de tecnologia CrossPlane que a Yamaha tem utilizado nos seus modelos MT, XSR e Tracer. A estrutura do quadro em formato de diamante é formada por tubos de aço de alta tensão e conta com um reforço inferior de dois tubos, que permitem ser desmontados, ao contrário do sub-quadro que está soltado à estrutura principal de forma a garantir os níveis de rigidez e flexibilidade necessários.

As suspensões dianteiras são Kayaba invertidas de 43mm e contam com a possibilidade de ajuste de compressão e extensão, incluem válvula de extração de ar das mesmas. O seu curso é de 210mm, curso que se mostrou suficiente na leitura e absorção de todo tipo de irregularidades que encontrámos nos mais diversos caminhos. Na traseira monta um amortecedor também da KYB do tipo LINK que proporciona um curso de 200mm e que é igualmente ajustável em compressão de mola e extensão no hidráulico. O braço oscilante é em alumínio, leve e com um estrutura de alta resistência. O amortecedor traseiro KYB monta ainda um depósito de compressão do tipo “piggyback” e um manípulo para facilmente ajustarmos a pré-carga.

As rodas são de 18” atrás e de 21” na frente para garantirem uma melhor condução em qualquer tipo de terreno e a possibilidade de montagem de todo o tipo de pneus mistos existentes no mercado, pese embora os Pirelli Scorpion STR que monta de origem terem sido considerados os melhores pneus Adventure de 2019, realidade que pudemos comprovar durante o nosso teste. A nível da travagem a Yamaha decidiu montar pinças Brembo pois são aquelas que garantem um melhor tacto em offroad e um maior poder de travagem em estrada, com dois discos dianteiros de 282mm e um traseiro de 245mm. O ABS pode ser desligado num simples botão situado no painel de informação embora no percurso offroad que realizámos, de terra compactada com muita pedra e gravilha, sentíssemos a falta de alguma ajuda do ABS na roda dianteira, realidade que foi superada pelo excelente tacto e perfeita dosagem proporcionada pelas pinças da Brembo.

 

Subir para a moto não é difícil e apesar da sua altura oficial de assento estar nos 875 mm o certo é que ambos os pés chegavam ao chão com facilidade e em simultâneo. Existe porém um kit que baixa a altura do assento em 35mm, muito útil para utilizadores de estatura mais baixa. A posição de condução é bastante natural e o assento confortável, sendo suficientemente estreito na zona dos joelhos para em pé podermos melhor controlar a moto em percursos for a de estrada. As peseiras são em alumínio e vêm com o seu interior em borracha que pode ser facilmente retirado para se obter maior aderência em condução fora de estrada. A Ténéré monta ainda uma excelente proteção de cárter em alumínio e proteções de mãos em plástico ultra resistente. Dois outro pormenores definem a atenção que a Yamaha dedicou a este modelo no sentido de garantir a abrangência na sua utilização. Primeiro o guarda lamas dianteiro pode ser ajustado na sua distância ao pneu garantindo que em percursos de muita lama este não venha a bloquear o rodar da roda dianteira e segundo os dois espaços que encontramos junto ao guarda lamas traseiro para encaixar perfeita mente a nossa mão e levantar a moto pela traseira em caso de necessidade.

Apesar do seus 187Kg a seco e 204 Kg atestada a Ténéré 700 mostrou-se muito ágil na sua condução, muito intuitiva em pilotagem offroad, uma perfeita sintonia entre ciclística e motor garantindo diversão pela facilidade que demonstrou na sua condução. O peso está distribuído 48% à frente e 52% atrás proporcionando mais leveza na frente e maior tração na traseira, realidade que aumenta a sensação de controle e a facilidade de condução por parte do utilizador.

Motor

O motor bicilíndrico de 700 cc mostrou-se mais dócil do que em outros modelos da marca que também utilizam a mesma unidade, com uma resposta suave mas poderosa sempre que exigida, contribuindo para uma condução desportiva e agressiva sempre que solicitada, permitindo um enorme controle da moto, dispensando inclusivamente as eventuais ajudas electrónicas, neste caso absolutamente desnecessárias. O motor do tipo Cross Plane, que garante valores de binário mais altos em todos os regimes, debita uma potência máxima de 75Cv às 9.000 rpm e tem um binário max. de 68Nm às 6500 rpm. A Yamaha realizou também melhoras na caixa de ar , no sistema de injecção e no sistema de arrefecimento. O escape proporciona um som grave e envolvente em perfeita harmonia com um motor silencioso, sem ruídos nem vibrações em excesso.

Uma das qualidades que a Yamaha referiu durante a apresentação do modelo e que pudemos constatar ao longo do teste que realizámos está relacionada com o factor “FUN” que a condução da Ténéré proporciona… Uma condução fácil e intuitiva, que transmite confiança e que nos leva a explorar cada vez mais os seus limites e os nossos também, permitindo evoluir sem riscos excessivos.

Apesar de termos rodado sempre com pressão ajustada para estrada, dificultando a aderência no offroad onde os percursos primavam por situações de terreno de aderência mínima, foi graças a essa sensação acrescida de facilidade e de controle que evitámos algumas situações mais críticas e de consequências indesejáveis. Justiça seja feita também ao excelente comportamento dos pneus Pirelli Scorpion Rally STR, sem dúvida do melhor que temos experimentado em motos do tipo Adventure.

Pela nossa parte no final da experiência de cerca de 530 Kms gostaríamos de poder continuar e seguir caminho durante o resto da semana, no entanto o nosso compromisso é convosco, nossos leitores, em vos transmitir estas primeiras sensações de um modelo tão aguardado por todos.

A nova Yamaha Ténéré 700 é uma moto que pelas demonstradas características está apta para tudo, uma espécie de “canivete suíço” que em qualquer situação tem sempre a opção certa para enfrentar o desafio que nos propomos realizar. Ágil e segura, tanto em estrada como fora dela, confortável e com autonomia para percorrer etapas de cerca de 350 kms, uma moto muito intuitiva na sua condução e com um motor de potência e binários comprovados em anteriores modelos mas com um tacto de entrega suave e controlável que dispensa ajudas electrónicas ( mesmo ). Calçada com os melhores pneus mistos da actualidade, e com excelentes travões Brembo e suspensões ajustáveis, tanto na compressão como na extensão, a Nova Ténéré 700 tem a capacidade de enfrentar todo o tipo de situações e de nos levar até onde a vista alcançar… No final podemos concluir que, apesar da expectativa ser imensa o resultado esteve sempre coerente com a mesma e com o discurso da marca.

A Yamaha disponibiliza ainda uma lista extensa de acessórios específicos para a sua Ténéré 700 assim como alguns “Packs” que reúnem uma série de componentes que se recomendam para um determinado tipo de utilização:

  • Explorer Pack incui : Malas laterais em alumínio, rack porta bagagens no lugar do pendura, proteções tubulares do motor, proteção de carter mais envolvente e descanso central.
  • O Rally Pack inclui: Um assento Rally 44mm mais alto, uma ponteira de escape Akrapovic, uma proteção de depósito, proteção de radiador, piscas em LED, proteção de corrente em alumínio e guia de corrente.

A Yamaha Ténéré 700 está disponível em 3 cores distintas; Em Branco “Competition White”, em Azul “ Ceramic Ice” e em Negro “Power Black”. Nesta matéria achamos que a Yamaha poderia ter sido mais criativa e do ponto de vista estético explorar algumas das decorações clássicas das Ténérés do passado ou mesmo das actuais WR  e dar uma maior expressão gráfica e impacto visual à sua belíssima e eficaz “aventureira”… fica espaço para os preparadores desenvolverem outras opções ( nós já desenvolvemos a nossa ).

Com um PVP 9.700 euros ( + despesas de homologação ) a Ténéré 700 torna-se na companheira ideal das próximas aventuras em duas rodas.

 

Gostámos

. Suavidade e controle na entrega de potência

. Agilidade e facilidade OffRoad

. Precisão em Curva e na Travagem

. Conforto e Autonomia

 

A Melhorar

. Decoração demasiado sóbria

. Apoio da ponteira de escape soldado ao quadro

. Algo mais de proteção aerodinâmica em estrada ( ajustável )

 

 

Características Técnicas ( ver ficha aqui )

 

Motor

Tipo de motor   refrigeração líquida, 4 tempos, 4 válvulas, DOHC, 2 cilindros

Cilindrada   689 cm³

Diâmetro x curso   80,0 mm x 68,6 mm

Taxa de compressão   11.5:1

Potência máxima   73.5 CV às 9000 rpm

Binário máximo 68,0 Nm às 6500 rpm

Sistema de lubrificação Cárter húmido

Tipo de embraiagem Húmida, Multidisco

Sistema de ignição TCI

Sistema de arranque Eléctrico

Sistema de transmissão Sincronizada, 6 velocidades

Transmissão final Corrente

Alimentação Injeção de Combustível

Ciclística

Quadro   Estrutura tubular em aço, berço duplo

Curso dianteiro   210 mm

Sistema de suspensão dianteira   Suspensão telescópica invertida

Sistema de suspensão traseira   Braço oscilante, Tipo Link

Curso traseiro   200 mm

Travão dianteiro   Hidráulico, dois discos, Ø 282 mm

Travão traseiro   Hidráulico, um disco, Ø 245 mm

Pneu dianteiro   90/90 R21 M/C 54V M+S – Rodas de raios com pneus Pirelli Scorpion Rally STR

Pneu traseiro   150/70 R18 M/C 70V M+S – Rodas de raios com pneus Pirelli Scorpion Rally STR

Dimensões e Capacidades

 Comprimento total   2365 mm

Largura total   915 mm

Altura total   1455 mm

Altura do assento   880 mm

Distância entre eixos   1590 mm

Distância mínima ao solo   240 mm

Peso (incluindo óleo e gasolina)   204 Kg

Capacidade Dep. Combustível   16 l

 

 

Concorrência

Honda CRF 1000 Africa Twin    1000cc / 95 CV / 232Kg / 13.250 eur

KTM 790 Adventure R    799cc / 95 CV / 189 Kg / 13.299 eur

 

Triumph Tiger 800 XC   800cc / 95 CV /   205 Kg / 13.450 eur

 

Galeria de Imagens

 

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!