Ensaio BMW R Nine T Urban G/S – Uma Dakariana para todos os dias

By on 20 Julho, 2017

O  Look R80 Dakar

Quando olhamos para a BMW R Nine T Urban G/S a primeira imagem que nos vem à memória é a das BM’s que nos anos 80 se sagraram campeãs nas provas do Dakar pilotadas por Hubert Oriol . A pintura em branco combinada com as listas azuis em dois tons e o pormenor do banco laranja remetem-nos de imediato para esses tempos, nos anos 80, em que as GS apareceram e deram início a toda uma nova era, não só no todo terreno como também para a própria BMW.

Aliás a BMW com este modelo quis precisamente invocar e celebrar esses tempos daí inclusivamente a designação G/S, neste caso separada por um traço para não ”canabalizar” a sua linha de motas com essa mesma sigla. Mas a semelhança é clara com a R80, não só na pintura e nos grafismos, como também em outros pormenores, tal como o guarda lamas da frente elevado e a pequena proteção frontal ao vento colocada sobre o farol.

A R Nine T Urban herda muitos componentes da família sobretudo da versão Scrambler. Aliás assim que arrancamos a Urban de imediato nos vem à memória a fantástica experiência que tivemos no inicio do ano com a versão Scrambler da R Nine T. O depósito é exactamente o mesmo, o quadro e o motor obviamente também e a posição de condução recta muito semelhante, pois também o guiador pareceu-nos o mesmo, assim como a posição das peseiras.

A Urban que nos foi cedida vinha com jantes de raios ( opção ) e um saco de depósito ( opção BMW ) que se revelou muito prático e que do ponto de vista estético se integrava bem no conceito da moto. Os pneus eram de estrada / mistos embora a Scrambler viesse com pneus de tacos para uma utilização mais fora de estrada, estes a serem opção nas duas versões.

Prazer Máximo 

Assim que arrancamos o motor boxer de 1170cc e 110 cv não há forma de não nos maravilharmos com a sonoridade rouca do seu escape que embora não seja o Akrapovic de dupla ponteira que montava a Scrambler é uma ponteira única BMW, elevada ao mais puro estilo Rally, que tem uma sonoridade diria que de “personalidade bipolar” já que a circular com pouco acelerador emite um som suave e bastante silencioso e que ao rodar punho revela a sua verdadeira natureza “ BRAAAARRRRPPPP”… não encontro melhor forma de a descrever.

A Urban é uma moto que dá imenso gozo conduzir, com uma enorme baixa sempre disponível, de um equilíbrio fantástico e facilidade condução, leveza também considerável para uma moto desta dimensão, uma caixa irrepreensível em que me atrevi quase sempre a subir de velocidade sem embraiagem e sem que a caixa manifestasse qualquer protesto mecânico e de um enorme prazer a curvar, como é típico das BMW Boxers, a parecer que vão num carril.

No fim de semana decidi ir até à Arrábida e Sesimbra e as curvas da Serra no Portinho foram feitas “ ao ataque” com pendura algo insegura de início mas a aperceber-se pouco a pouco da segurança que transmitia a URBAN no seu comportamento irrepreensível e entusiasmante em estradas sinuosas. Achei que inclusivamente a URBAN era algo mais confortável que a Scrambler embora para o pendura o pouco espaço disponível em ambas versões e nada onde se agarrar, cause algum desconforto.

A Urban apesar de ter um motor boxer com arrefecimento a ar e óleo, ao contrário das irmãs GS que já incorporam motores de refrigeração líquida, mantém um nível de vibração perfeitamente aceitável numa moto com estas características. Aliás a pouca “rudeza” que manifesta nas suas acelerações encorpadas fazem-nos sentir que vamos num verdadeiro puro sangue algo “old school” que se impõe no conceito revivalista Neo-Clássico das R Nine T e ao qual o pessoal da minha geração se habituou desde a sua juventude.

A BMW tem também disponível uma quantidade de acessórios que nos permitem personalizar a nossa Urban… outras marcas oferecem também outros componentes que nos permitem transformar a R Nine Ts na nossa moto de sonho e a imaginação é o limite. Na fotografia principal deste artigo está ilustrada precisamente uma versão já personalizada da Urban e que vai de encontro ainda mais às R80 dos anos 80 do Paris-Dakar, uma belíssima preparação sem dúvida alguma a deixar claro todo o potencial de transformação.

 

Conclusão

A R Nine T Urban é uma moto fantástica, que nos enche as medidas , divertida e de semblante agressivo TT, que invoca os tempos áureos da marca nos grandes desertos do Dakar, com um comportamento dinâmico irrepreensível como já referi e que me proporcionou uma semana de puro prazer. Tanto, que me custou no final ter que a devolver… era a moto ideal para as minhas férias, pronta para tudo, desde ir tomar o café da manhã no boteco da esquina, como nos estradões de acesso à praia, como para ir fazer as curvas da Serra no final do dia e ir ver o pôr do sol, e no final, jà de noite, irmos jantar naquela tasca na vila onde servem aquele peixe fresco pescado na falésia e grelhado no carvão. BMW R Nine T Urban G/S… mais uma que ficava na garagem.

 

FICHA TÉCNICA


R NINE T URBAN G/S
Motor
Tipo 2 cilindros arrefecimento a ar e óleo  (‘Boxer’) 4-motor a 4 tempos, 2 cames e 4 válvulas radiais por cilindro
eixo central de contrabalanço
Diâmetro x curso 101 mm x 73 mm
Cilindrada 1,170 cc
Potência máx. 81 kW (110 hp) as 7,750 rpm
Binário max. 116 Nm as 6.000 rpm
Taxa de compressão 12.0 : 1
Gestão do motor Injecção electrónica/ gestão digital do motor, ignição twin-spark
Controlo da emissão de gases  3-way catalytic converter, Emissões de escape compatível  standards Euro-4
Prestações / Consumo
Velocidade máxima mais de 200 km/h
Combustível gasolina sem chumbo   95-98 RON
Sistema elétrico
Alternador three-phase  720 W
Bateria 12 V / 14 Ah, sem manutenção
Transmissão
Embraiagem Seca / 1 disco, acionada hidraulicamente
Caixa de velocidades Caixa de 6 velocidades com carretos com cortes helicoides
Transmissão secundária Shaft drive
Ciclística / travões
Quadro Quadro composto de 3 partes 1 parte anterior e 2 posteriores, sub quadro traseiro removível para colocação de banco  single.
Suspensão dianteira Tipo telescópica com foles, 43 mm
Suspensão traseira Braço oscilante único em alumínio  BMW Motorrad Paralever; amortecedor central
ajustavel em pré-carga e hidraulico
Curso da suspensão dianteira / traseira 125 mm / 140 mm
Distância entre eixos 1,527 mm
Avanço 110.6 mm
Ângulo da coluna de direção 61.5°
Jantes Cast wheels
Jante dianteira 3.00 x 19″
Jante traseira 4.50 x 17″
Pneu dianteiro 120/70 R 19
Pneu traseiro 170/60 R 17
Travão dianteiro Dois discos de diâmetro 320 mm, pinças de 4-êmbolos
Travão traseiro Disco único, diametro  265 mm, pinça flutuante de 1 êmbolo
ABS BMW Motorrad ABS
Dimensões / pesos
Comprimento 2,175 mm
Largura (com espelhos) 870 mm
Altura (sem espelhos) 1,330 mm
Altura do banco, peso sem carga 850 mm
Arco interior das pernas, peso sem carga 1,890 mm
Peso sem carga, com meios de funcionamento, depósito cheio 1) 1) 221 kg
Peso total permitido 430 kg
Carga máxima (com equipamento de série) 209 kg
Capacidade do depósito 17 L
Reserva aprox. 3,5 L

BMW R Nine T Urban G/S            PVP     14.100 euros

Preços da Versão Testada

Modelo: R nineT Urban G/S

PVP Base: 14.100,00€

ISV: 268,82€

 Cor:  Branco “light” (NB5)  0,00€

 Opcionais:

Coletores de escape cromados  95,00€

Punhos aquecidos 225,00€

Piscas em Leds 125,00€

ASC  340,00€

Jantes em raios  420,00€

Banco Baixo     0,00€    

 Acessórios:

Saco de Deposito   180,00€

Cinta Saco depósito    55,01€

Valor total          15.808,83€

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!