A Ducati volta a ligar os seus motores – Novas motos chegarão em breve aos concessionários

By on 27 Abril, 2020
  • Na segunda-feira, 27 de abril, a produção irá gradualmente recomeçar na fábrica da Ducati em Borgo Panigale
  • Os funcionários chamados ao serviço serão o mínimo necessário para levar a cabo a produção e atividades de pesquisa, e devem cumprir com um rígido protocolo de segurança desenvolvido em conjunto com os sindicatos e sujeito a um acordo específico. As máscaras serão obrigatórias para todos, independentemente do distanciamento

Claudio Domenicali: “É absolutamente essencial prestar uma grande atenção ao estrito cumprimento dos procedimentos de segurança: o vírus não desapareceu. O trabalho feito em conjunto com a Região da Emilia-Romagna tem sido importante. Será um ano extremamente difícil, mas recomeçar é apenas o início; temos muitas encomendas para a Streetfighter V4, para a Multistrada GT e para a Panigale V2. A moto é o veículo perfeito para a ‘fase dois’: sem problemas de estacionamento e com distanciamento garantido; segurança e diversão ao mesmo tempo”.

A Ducati está preparada para regressar gradualmente ao normal, com o retomar da produção na sua fábrica de Borgo Panigale agendado para a segunda-feira 27 de abril.

Cumprindo com o protocolo regulamentar de medidas para combater e conter o surto de Covid-19 no ambiente de trabalho, a Ducati suspendeu temporariamente a produção na sua unidade fabril de Bolonha na sexta-feira 13 de março, de forma a reorganizar turnos de produção. Depois disto foi emitido o decreto que suspendeu todas as atividades não essenciais e, assim, apesar da organização estar pronta, a produção não recomeçou. A melhoria gradual das condições sanitárias permitiu hoje que o governo autorizasse o recomeço da produção a empresas consideradas estratégicas para a economia nacional, cuja atividade é principalmente dirigida à exportação e, para as quais, o prolongamento da suspensão arriscaria o país a perder quotas de mercado adicionais.

Esta é a primeira fase do recomeço, que, de momento, irá envolver apenas uma parte dos trabalhadores destinados às linhas de montagem. O staff de oficina começará primeiro, depois os funcionários responsáveis pela montagem de motores e, a partir de terça-feira 28 de abril, os trabalhadores encarregues da montagem de motos. No que respeita aos restantes funcionários, o recurso ao teletrabalho permanecerá obrigatório, e apenas aqueles que não estejam em posição de poder desempenhar as suas funções a partir de casa serão autorizados a aceder à fábrica. Todos os recursos empregues áreas comercial, de marketing, IT, recursos humanos, finanças, compras e logística irão, assim, trabalhar remotamente. A produção foi reorganizada, indo desde um turno de oito horas a dois turnos de sete horas, para permitir o menor número de pessoas dentro da fábrica ao mesmo tempo, minimizando assim possíveis contactos. O refeitório está ativo, mas com apenas um lugar em cada quatro cadeiras.

Os técnicos envolvidos em atividades de Pesquisa e Desenvolvimento que não podiam trabalhar a partir de casa estavam já a trabalhar, de acordo com o código ATECO específico (Classificação de Atividades Económicas): assim, os engenheiros dos bancos de ensaio de motores, aqueles que levam a efeito testes de motos e os que efetuam testes de laboratório estão todos presentes em Borgo Panigale. Todos os designers, responsáveis de projeto e aqueles que trabalham no departamento de cálculo trabalharão remotamente. Isto irá assegurar as entregas de motos Ducati e o desenvolvimento de novos produtos.

Todas as regras de conduta em vigor na Ducati cumprem com o protocolo atualizado de 24 de abril, e, em alguns pontos, é ainda mais restritivo. Por exemplo, dentro da empresa existe o requisito absoluto do uso de máscara, independentemente do distanciamento. Todo o protocolo da Ducati é o resultado do trabalho de uma comissão conjunta entre a companhia e a RSU (organismo unificado de representação dos trabalhadores), que foi formada a 23 de fevereiro, apenas dois dias após a descoberta da primeira pessoa infetada em Itália. Muitas das medidas tomadas são o resultado de uma análise cuidada dos protocolos utilizados nas fábricas chinesas do Grupo VW, em particular a FAW-VW de Chanchung, onde a produção foi suspensa apenas por uma semana, mas em que a estrita proteção, distanciamento e medidas sanitárias estão ainda em vigor.

Estamos prontos para arrancar, trabalhámos muito nas últimas semanas para minimizar qualquer risco”, diz Claudio Domenicali, CEO da Ducati. “Apesar disto teremos de ser extremamente cautelosos e rigorosos. O vírus ainda está em circulação e devemos, assim, ter cuidado e combater qualquer forma possível de transmissão. Esta é a razão pela qual todas as pessoas presentes na fábrica irão usar máscaras, temos de proteger a população da presença de casos positivos assintomáticos que, ainda que numa percentagem muito pequena, estão presentes hoje e não são identificados pelas medições obrigatórias de temperatura. Testes serológicos podem ajudar, mas representam apenas o imediato; devem ser repetidos todos os dias antes da entrada e isto é, obviamente, extremamente difícil. É por isso que as máscaras e o distanciamento são tão importantes.

Iremos, obviamente, adotar os protocolos à evolução da situação sanitárias e às indicações dadas pelo Estado e pela Região da Emilia-Romagna. Estamos em permanente contacto com o Presidente Bonaccini, a quem agradeço pelo apoio, com o conselheiro Calla e o comissário Venturi, para nos prepararmos melhor para esta eventualidade. O mercado das duas rodas é altamente sazonal, e a paragem de produção em março e abril já teve efeitos negativos nas vendas. O mercado chinês já está a florescer, as vendas na Coreia e no Japão estão a correr bem. Na Alemanha, os concessionários abriram há uma semana e já temos uma grande falta de produto. Eu acredito verdadeiramente que este recomeço nos vai permitir reduzir, pelo menos em parcialmente, os efeitos negativos do confinamento que fomos forçados a respeitar, infelizmente na pior altura.

Temos um esplêndido livro de encomendas: a novíssima Streetfighter V4, agora lançada, obteve a aprovação unânime da imprensa especializada e é a rainha indisputada da categoria. Infelizmente, a produção foi parada apenas um mês após ter começado. Depois, temos muitas encomendas para a Multistrada 1260 S Grand Tour e para a Panigale V2. Também temos os armazéns vazios de Multistrada 950 e de Scrambler 1100 PRO. Estou convencido que nesta ‘fase dois’ as motos provarão ser um extraordinário meio de combinar diversão, paixão e a possibilidade de ter um veículo com o qual passar o fim de semana, mas também andar com rapidez e segurança na cidade, sem problemas de estacionamento ou distanciamento social. Quero agradecer a todos os empregados da Ducati que de forma paciente colaboraram na gestão desta fase tão anómala, e nos estão a apoiar na gestão do recomeço.”

Apesar da reabertura das linhas de montagem, a Ducati confirma que as visitas ao Museu, Fábrica e Fisica in Moto continuam suspensas até novas ordens, para além da entrada na fábrica estar proibida a fornecedores, concessionários, empresas externas contratadas, e staff externo em geral, exceto no caso desta ser comprovada e inequivocamente requisitada para a continuidade das atividades de produção, desenvolvimento de produto e serviços gerais.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!