Ducati Streetfighter V2 vs Streetfighter V4 S: Qual a melhor fora de pista?

By on 2 Agosto, 2022

A estrela do Instagram Jana e o seu amigo ‘No Pain’ estiveram na “World Ducati Week 2022” e aproveitaram para comparar a Ducati Streetfighter V2 com a Streetfighter V4 S em estradas rurais, sob temperaturas escaldantes em torno do circuito de Misano – Marco Simoncelli.

A Streetfighter V2 que foi apresentada no outono passado, é de certa forma a atual Panigale V2 sem carenagem, com guiador alto e largo, peso a seco de 178 kg e um pacote eletrónico abrangente de última geração. Adoptou ainda um assento mais largo e com estofo mais confortável e os apoios para os pés foram reposicionados para suavizar o triângulo do assento. A melhor coisa sobre isto, no entanto, é que a “pequena” parece confusamente semelhante à brutal Streetfighter V4 S e as diferenças marcantes só se tornam aparentes numa inspeção mais próxima – por exemplo, o motor V2 significativamente mais estreito e os winglets (apendices aerodinâmicos) ausentes.

A Streetfighter V4 S, por outro lado, é baseada na Panigale V4 S 2020 e incorpora a declaração de guerra da Ducati, a chamada “Fight Formula”. Tem os mesmo 178 kg a seco, guiador largo, pacote eletrónico mais que completo, suspensão Öhlins ajustável eletronicamente, sendo também a naked mais forte de sempre. Pelo menos nas caracteríscas a V4 S poderia fazer tudo melhor do que a sua irmã mais nova, mas na prática tornou-se rapidamente aparente que as diferenças de desempenho em estradas rurais não eram tão fáceis de “experimentar”.

Independente disso a V4 S cativa com a sua linguagem de design emocionalmente carregada – o seu motor bruto, mas arrumado, o depósito de formato orgânico, incluindo os painéis laterais mais largos, os winglets de série e a forquilha dourada Öhlins e o monoamortecedor.

A Streetfighter V4 S impressiona com os incríveis 208 cv e 123 Nm de binário. Embora esse desempenho superior anormal esteja disponível apenas às 13.000 rpm, é absolutamente doseável. Independentemente do fato do motor V4 oferecer pressão e potência em abundância acima das 3.500 rpm, nunca Jana e o seu amigo tiveram a sensação de ficar para trás na Streetfighter V2, apesar de terem 55 cv a menos, ou apesar de uma relação potência-peso inferior em 0,27 cv/kg. Pelo contrário, a pequena Streetfighter com o seu motor V2 mais acessível era mais coerente e às vezes mais determinada do que a sua grande rival nas estradas estreitas e sinuosas de Itália, seja nos arredores da cidade ou em ultrapassagens.

O mais notado foi principalmente a relação de transmissão final mais curta da V2, o que significava que havia mais potência disponível em relação às faixas de rpm e velocidade típicas  em estradas rurais. Mesmo no empedrado, a V2 ​​podia ser movida decentemente em segunda marcha a 30 km/h, enquanto que na V4 ambos Jana e o amigo foram obrigados a utilizar a primeira macha.

A questão é esta: de que servem 208 cv em condições ideais na bancada de testes se nunca chegam ao asfalto comum? Ou, dito de outra forma, o V2 ​​tem a condução mais eficiente e mais adequada para o uso diário, e é por isso que se sente muito mais confortável na estrada rural do que o V4. No entanto,  graças à sua excelente eletrónica, a Streetfighter V4 S era surpreendentemente segura para enfrentar todas as situações, mesmo que o seu DNA a aponte mais para a pista do que para a natureza. E o mesmo se aplica ao nível de ruído. Ruído estacionário ou não, a V2 ​​pareceu robusta, poderosa e desportiva apesar do Euro5 – simplesmente perfeita, assim como uma Ducati deve soar hoje em dia. A V4 S é diferente, no qual tanto o condutor quanto o ambiente ‘sofrem’ com seu volume infernal.

Numa comparação direta, a Streetfighter V2 revelou-se um pouco mais ágil, o que claramente se deve à distância entre eixos mais curta, ao ângulo de direção ligeiramente mais acentuado e o caster mais curto em comparação com a V4 S. A posição do assento, o ângulo do joelho e o guiador largo e ergonomicamente compensado são semelhantes, embora o guiador da V2 esteja um pouco mais alto e ofereça ainda mais conforto. Em suma, uma ergonomia absolutamente compreensível e implementada de forma intransigente pela Ducati, uma vez que a Streetfighter V4 S tende a ser usado mais na pista e tende a lutar mais com velocidades mais altas e com a elevação da roda dianteira do que a V2.

Conclusões

Ducati Streetfighter V4 S 2022

+

  • A Naked mais forte de sempre
  • Boa ergonomia
  • Suspensão Öhlins ajustável eletronicamente
  • Travões Brembo Stylema
  • Pacote eletrónico completo
  • Visual belo e distinto

  • Sonoridade alta do escape
  • Potência total apenas na faixa de velocidade superior

Ducati Streetfighter V2 2022

+

  • Motor V2 de alta rotação
  • Pacote eletrónico extenso
  • Quadro muito responsivo
  • Travões poderosos
  • Manuseio preciso
  • Aparência desportiva e elegante
  • Posição de assento desportiva e acessível

  • Sem medidor de combustível
  • Solavancos do motor em baixas velocidades
  • Acumulação de calor sob o lugar do condutor
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments