Erros mais comúns com motos Adventure no fora de estrada e como os evitar?

By on 10 Março, 2021

As motos  Adventure são uma das categorias mais procuradas no mercado de motociclos novos. Neste artigo abordamos alguns dos erros mais comuns cometidos fora de estrada e formas de os evitar. 

Basta pensarmos nas últimas gerações da BMW GS, Ducati Multistrada e KTM 1290 Super Adventure, e facilmente percebemos como as motos deste segmento são grandes, corpulentas e atraentes. Além disso, é muito difícil resistir à atracção de deixar a estrada e sair para os trilhos durante um fim-de-semana. No entanto, há erros comuns que se cometem e importa ter algumas noções básicas de condução offroad para não cair neles.  

Como deverei andar, tenso ou o mais possível flexível?

Hoje em dia, com as ajudas eletrónicas que existem, é muito fácil dispor da tração e precisão necessária numa moto da tipologia Adventure para se andar bem no todo-terreno. Os fabricantes investiram milhões no seu desenvolvimento, cada componente é concebido para permitir que a moto role o melhor possível, mas andar rígido em cima da moto como um tronco de árvore pouco o ajudará, impedindo que a direção, a distribuição de peso e as suspensões funcionem como deveriam.  

Deverá manter as pernas ligeiramente dobradas, com os joelhos afastados dos lados do assento, permitindo assim o movimento do corpo para a frente, lateral e vertical. Tente também manter os cotovelos ligeiramente dobrados; se os braços estiverem rígidos, a moto não será capaz de seguir sobre obstáculos na estrada como foi concebida para o fazer.

Foquemo-nos agora sobre o guiador e sobre os punhos. Deve agarrar os punhos com o polegar ao encontro do seu dedo anelar de forma firme. Deixe ficar o seu primeiro e segundo dedo sobre as alavancas de travão e embraiagem, sempre prontas a intervir quando necessário – lembre-se que existem muito mais obstáculos (e por vezes inesperados) nos pisos de terra e cascalho do que no asfalto.

O que devo transportar na moto?

Vá o mais leve possível levando apenas o indispensável. O principal erro é que muitos pensam que precisam de levar tudo consigo, quando na realidade tudo o que está a fazer é acrescentar peso à moto. Isso é mau para a economia de combustível e ainda pior se a deixar cair e precisar de a levantar do solo.

Se a sua aventura durar apenas um dia ou mais, vai precisar de um kit de ferramentas básicas, conjunto de primeiros socorros, kit de reparação de furos e algo para o manter quente e seco. É este o básico. Alguma comida, água e equipamento de campismo pode ser adicionado, algo mais só servirá para lhe acrescentar dificuldades na condução.

Qual a melhor postura para evitar erros?

É comum que os novos condutores olhem atentamente para a roda dianteira da moto quando andam em todo-terreno. O problema é se surgir algo dois pés à frente da sua roda – já será demasiado tarde. Definitivamente, vai acertar-lhe e não pode fazer nada.

A melhor coisa a fazer é olhar para cima o mais longe possível no trilho. Fazer isto não só lhe permite detectar obstáculos, como também o ajudará a andar mais depressa. Olhar para a roda da frente foca os seus olhos numa área muito pequena . Nesta situação, a sua bússola de segurança intrínseca só lhe permitirá andar até uma certa velocidade. Levantando a linha dos olhos e focando a visão mais à frente, o seu cérebro permitir-lhe-á acelerar – com maior segurança também e obter uma melhor detecção de perigos.~

Devo sentar-me ou ficar de pé na moto?

Quando o percurso se torna difícil os condutores mais novos invariavelmente sentam-se. O problema é que sentar-se no banco, aumenta de facto o seu centro de gravidade. Quando anda de pé, o seu centro de gravidade está mais próximo dos pés, ao sentar-se no banco aproxima-o do assento. Além disso, fica também mais limitado nos seus movimentos quando se senta, manobras como avançar ou recuar o corpo tornam-se muito mais complicadas.  

Quando preciso de me sentar, e como o devo fazer?

O único momento para se sentar é quando se está em longas seções de piso liso, com boa visibilidade e sem obstruções. Pode ser bom sentar-se numa longa viagem, pois isso ajuda a conservar energia, poupando alguma para as secções mais complicadas. Um erro que muitos cometem é sentarem-se demasiado atrás na moto, esticando os braços para a frente nesse processo. Com os braços estendidos, não se movem tão livremente como com uma ligeira curva no cotovelo. Bater numa pedra ou num pequeno tronco só terá um destino ….  uma inevitável queda!

Devo esvaziar os pneus para andar fora de estrada?

Não. Existe demasiado peso numa grande moto de aventura. Funciona para motos ligeiras e algumas motos enduro, mas para uma máquina de 220 kg pode ser uma má ideia. Danos nas jantes é o primeiro risco, o segundo é o aumento das hipóteses de ficar com um beliscão ou mesmo de puxar o pneu para fora da jante. 

No entanto, em certas ocasiões, libertar alguma pressão para sair de uma zona complicada pode ser uma boa ideia: areia profunda ou lama de barro, por exemplo, mas uma vez desobstruído deve voltar a colocar os pneus com mais pressão. Da mesma forma, uma frente com excesso de pressão tenderá a saltar em trilhos rochosos e a desviar a frente de uma forma e de outra mais rapidamente do que um pneu devidamente insuflado. Tudo isso torna a moto mais difícil de controlar.

Devo utilizar o travão dianteiro no todo-terreno?

Alguns principiantes de todo-o-terreno gostam de evitar completamente o travão dianteiro, optando apenas pelo traseiro. O problema é que o travão traseiro só é bom para abrandar a moto, não parando em caso de emergência. Para isso, só a dianteira serve, mas precisa de ser usada com cautela. Ao travar em linha recta com um ABS decente, deverá estar bem em tudo o que não seja cascalho solto, lama ou relva molhada. Em qualquer uma destas situações, já deve ter notado o perigo e reduzido a sua velocidade em conformidade!

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments