Harley-Davidson anuncia corte de 30 por cento na produção

By on 31 Julho, 2020

AS VENDAS DE MOTOS DA HARLEY-DAVIDSON VÊM DIMINUINDO CONSTANTEMENTE DESDE 2015, MAS A EMPRESA PERMANECE LUCRATIVA. AGORA EXISTE TODO UM NOVO PLANO DE RECUPERAÇÃO, FOI ANUNCIADO UM CORTE DE 30% NA PRODUÇÃO E A RECENTE STREEFIGHTER BRONX CORRE O RISCO DE DESAPARECER.

Esta é uma notícia que interessa a todos os amantes da marca de Milwaukee. Numa mudança dramática de rumo, a Harley-Davidson acaba de anunciar que irá suprimir o direcionamento que tem orientado a marca nos últimos anos. Ao afastar-se da estratégia de “Mais estradas para Harley-Davidson”, que seguia uma ideia otimista de proliferação de modelos e novos mercados, Jochen Zeitz, o novo CEO da empresa, vem dizer ‘preto no branco’, o estado atual da empresa americana – vendas a descer desde 2015, ações em queda livre e perspetivas de futuro sombrias.  

Membro de longa data da direção da empresa e antigo CEO da Puma, Zeitz que é agora o novo Director Executivo da Harley, substituindo nesse cargo Matthiew Levatich que saiu inesperadamente da empresa, descreve a atual gama de motos como “demasiado complexa, demasiado confusa e demasiado cara de produzir”. A sua tarefa é monumental mas desafios não é exactamente um terreno novo para este homem de negócios nascido na Alemanha.

Considerado um especialista em mudanças de rumo, Jochen Zeitz livrou a marca de vestuário desportivo Puma de uma extinção quase certa, antes de se juntar à direcção da H-D em 2007.

Um corte de 30% na produção

A pensar na recuperação empresa, o novo homem forte de Milwaukee, preconiza para os próximos tempo um corte de cerca de 30% no número de motociclos produzidos. “Isto  permitirá investir em produtos e plataformas que nos interessam  mais, enquanto conseguimos um melhor equilíbrio do nosso investimento em novos segmento de alto potencial“, refere o novo CEO da Harley. Levatich tinha prometido lançar 100 novos modelos nos próximos anos, plano que é agora revertido.

O CEO cessante Levatich tinha tentado inverter a derrapagem lenta da marca, lançando a primeira pedra no desenvolvimento e produção da LiveWire, a primeira moto eléctrica em grande série. A ele também se deve o lançamento da Panamérica, a primeira maxi-trail da Harley, assim como a roadster Bronx que de acordo com a nova estratégia “The Rewire” parece ter o seu futuro comprometido.   

Zeitz vai provavelmente precisar de alguma inspiração verdadeiramente excepcional para curar os males de Harley-Davidson, que já lutava em numerosas frentes antes do surto da COVID-19 ter levado as linhas de montagem, as caixas registadoras e a maior parte das pessoas a parar de se movimentarem. O Coronavírus é mais um problema para Zeitz, mas  pode ser o leão menor na toca!

Redefenir a abordagem elétrica

“Sejamos realistas, os “Harley Faithful”, os fãs mais duros da marca, não são em geral fãs da LiveWire mais silenciosa e mais desportiva”, diz Jochen Zeitz. “Mas é uma moto digna de todas as medidas técnicas (e tem sido bem revista), e as motos eléctricas fazem parte do nosso futuro não alimentado por combustíveis fósseis. Mas a Harley não é a Honda, e ainda não vi uma LiveWire na estrada em Portland, enquanto modelos e motos eléctricas da Zero estão um pouco por todo o lado”.

A estradista LiveWire continuará em produção…

Zeitz confirma que a Harley-Davidson continuará a desenvolver motos eléctricas como a LiveWire, que a Panamérica já faz parte da nova estratégia, mas sobre o futuro da Bronx náo diz absolutamente nada.

… a Bronx, uma desportiva streefighter pode estar em vias de extinção!!

Scooters no horizonte?

A plataforma Revolution Max deve ser apenas o início do projecto Rewire. E as scooters? A hipotética compra da marca Cushman por parte da Harley, poderia levar à inclusão na gama da marca algumas scooters urbanas divertidas e divertidas – incluindo versões eléctricas, potencialmente positivas para as vendas com as novas necessidades de mobilidade. Assim, e depois dos acordos com fabricantes asiáticos de menores cilindradas, uma nova sub-marca poderia nascer sob o ‘guarda-chuva’ da Harley. As scooters são altamente acessíveis para os novos condutores, de fabrico barato e podem ser produzidas tanto em modeloscom motores térmico como elétricas EV.

Aposta em modelos básicos e nos acessórios

Expandir a linha Softail pode ser uma das novidades do projeto Rewire preconizado por  Jochen Zeitz para a marca americana. O modelo mais intrigante que a Harley tem oferecido ultimamente é a nova Softail Standard. A Harley sempre foi uma marca fértil para condutores  e personalizadores de motos, e talvez nenhum modelo na memória recente, excepto as velhas Sportster e Dyna, seja tão chamativa para motociclistas experientes como a nova Softail Standard. Tem um bom preço, o novo motor de 107 e já significa um passo acima das pequenas Iron e Sportsters, permitindo muitas atualizações como os ‘packs’ slick Coastal e Touring.

Esse é o caminho ideal segundo Zeitz  – oferecer uma plataforma básica, juntamente com pacotes de acabamentos acessíveis, atenciosos, específicos, instalados pelo concessionário. “É uma óptima forma de fazer com que os novos condutores pensem no que a sua moto deve ser e depois a personalizem, mantendo a base simples e acessível”.

Mas será que isto funcionará com outros modelos da H-D? Acreditamos que sim.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments