Haverá recursos suficientes para as baterias sem o níquel russo?

By on 10 Maio, 2022

Muitos países da União Europeia estão cada vez mais a pressionar os utilizadores para recorrerem aos veículos elétricos, como forma de limitar o impacto do tráfego rodoviário nas emissões poluentes. Mas além das considerações de preço, autonomia ou mesmo soluções de recarga, vem a espinhosa questão da disponibilidade de recursos para motos e scooters elétricas.

O níquel e o lítio são dois materiais necessários hoje para a produção de baterias para veículos elétricos e cujo fornecimento é, portanto, fundamental para permitir a aceleração contínua da produção. Existe no entanto um pequeno problema: a Rússia é o terceiro maior produtor de níquel do mundo com 200.000 toneladas distribuídas em 2021. Só que desde a invasão da Ucrânia , a União Europeia tomou inúmeras medidas contra a Rússia, privando assim a Europa de alguns desses recursos.

A ONG ‘Transporte e Meio Ambiente’ analisou este assunto, pois as vendas globais de veículos elétricos aumentaram de 2,5 milhões de veículos em 2019 para 6,5 ​​milhões no ano passado.  Segundo este organismo não há risco de desabastecimento, mesmo estando privados do níquel russo, uma vez que há recursos disponíveis em outros países que permitem garantir a produção de 14 milhões de veículos elétricos em 2023.

E vai ainda mais longe a ‘T&E’, pois, segundo os seus cálculos, os recursos permitirão fabricar 16 milhões de baterias em 2024 e 21 milhões no ano seguinte, quando o número de veículos produzidos não deve chegar a 10 milhões até 2024 e 15 milhões em 2026. .

No entanto, este organismo pede aos tomadores de decisão europeus que tomem medidas para garantir o abastecimento, porque será necessário lutar contra os americanos e os chineses neste mercado, enquanto as vendas de veículos experimentam um forte crescimento nesses mercados… havendo um risco de monopólio.

Depois de uma produção já prejudicada pela escassez de semicondutores, este é um novo acontecimento que não deve jogar a favor do desenvolvimento da eletricidade na Europa.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments