Mercado Global: Um grande colosso chamado China

By on 2 Agosto, 2021

Em tempos imemoriais, os ocidentais quando se cruzaram pela primeira vez no oceano com os juncos chineses, a sua primeira reação foi de espanto, face ao tamanho e versatilidade dessas embarcações. Hoje, o espanto volta a vir à tona entre os Europeus, não apenas pelo seu potencial de produção, mas pelo colosso que se está a tornar a China em termos de mercado global. 

Por Ricardo Ferreira

China: perigo ou oportunidade? A resposta certa é, provavelmente, ambas as coisas. Em 2011, e depois de muitos anos a construir componentes para vários fabricantes japoneses – que dessa forma reduziam consideravelmente os seus custos de produção, a Lifan tinha os moldes e a tecnologia para produzir as suas próprias motos… e construiu-as! Conhecia-as bem na sua chegada a Portugal, scooters e motociclos de 125/250cc… e até as primeiras scooters elétricas a entrar no nosso País. Houve risos e gargalhadas, apupos, mas o certo é que se vendiam como rebuçados!

Hoje, passados dez anos, provou-se que o homem que as trouxe para Portugal (o mesmo que trouxe a Yamaha para Portugal), estava certo na sua premonição, e de certa forma foi um visionário. Agora chegou a hora seguinte, a quantidade é acompanhada por uma qualidade que deve ser levada a sério até ao segmento médio.  Mesmo fabricantes conhecidos como a BMW, Fantic ou SWM colocaram motores totalmente entregues “made in China” em vários quadros nas suas unidades de produção europeias.

A eletromobilidade está (também) a Oriente

É verdade que as motos chinesas não têm exatamente a melhor reputação. Aquelas que foram vendidas sem uma pessoa de contato, levaram à loucura os mecânicos de concessionários de motos. Não é barato por si só, especialmente a longo prazo. No entanto, graças à melhor garantia de qualidade atual, as marcas chinesas conquistaram o seu espaço no mercado – estão a quilómetros de distância das primeiras unidades que chegaram ao Velho Continente! 

As empresas chinesas agora também oferecem maior qualidade de fabrico, qualidade superior de material e fornecedores de renome

Por outro lado, a China há muito deixou de ser um país puramente de baixos salários. Porque tolerâncias baixas, materiais caros e pessoal qualificado também têm o seu preço na China: uma Voge 500 R custa “apenas” cerca de 1.000 euros a menos do que a Honda CB 500 F construída na Tailândia. As cartas foram reorganizadas, especialmente quando se trata de eletromobilidade, e a China tem muitos trunfos na manga nesse campo. A liderança de desenvolvimento em motores de combustão interna, já não é a única coisa que conta, se pensarmos no futuro elétrico.

Mercado de motos na China

A China já ultrapassou a Índia como o segundo bilhão de pessoas na corrida pelo maior número mundial de veículos motorizados de duas rodas construídos por ano, e também é o maior exportador de motos do planeta. A base para o desenvolvimento posterior da China foram inicialmente os motores pequenos de dois tempos e os motores simples de quatro tempos e duas válvulas refrigerados a ar, de design simples e pequenas cilindradas. 

Não importa se eram réplicas de motores Honda CB ou Suzuki GN. Como regra, não há “proteção contra cópia”, ou seja, patentes em motores completos. Especialmente porque as cópias na China são um sinal de apreço por um modelo que vale a pena imitar. Além disso, de que foram acusados os japoneses pelas marcas europeias, quando entraram em força no Velho Continente?  

O mundo deu a volta uma vez mais, convergindo de novo a Oriente!

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments