Motociclistas querem infraestruturas de carregamento para motos

By on 17 Dezembro, 2021

Os veículos elétricos, como motociclos e ciclomotores, oferecem uma solução para muitos dos desafios presentes e futuros da mobilidade urbana. Precisam, naturalmente, de infraestruturas de carregamento apropriados e lugares de estacionamento seguros. No entanto, a Comissão Europeia, continua sem dar resposta a esta necessidade.

Fonte: FEMA

Parte do pacote ‘ Fit for 55 ‘ que a Comissão Europeia lançou em julho de 2021 é uma revisão da Diretiva Infraestrutura de Combustíveis Alternativos e será transformada em um regulamento, que é um ato legislativo vinculativo. No projeto de regulamento, a Comissão propõe objetivos para os pontos de carregamento de veículos elétricos e os pontos de reabastecimento de hidrogénio, informando aos Estados-Membros da UE que eles terão de fornecer uma cobertura mínima para os pontos de reabastecimento e / ou carregamento acessíveis ao público.

As organizações de motociclistas e a indústria constararam que, embora tenham anteriormente apresentado os seus pontos de vista nas consultas públicas da Comissão Europeia, a proposta da Comissão Europeia está inteiramente centrada em automóveis e camiões, os chamados veículos das categorias M e N.

O projeto de regulamento não inclui veículos da categoria L, como motociclos, ciclomotores e outros veículos pequenos. Por esta razão, a ACEM , FEMA e FIM Europa decidiram agir em conjunto e tentar incluir os motociclos no novo regulamento, enviando mensagens com propostas de alterações ao projeto de regulamento a vários membros do Parlamento Europeu. Contudo, não obtiveram resposta.

Este foi o comentário de Dolf Willigers, Secretário Geral da FEMA: “Pequenos veículos elétricos como motociclos, ciclomotores e pequenos veículos de três e quatro rodas, oferecem uma solução para muitos dos desafios atuais e futuros da mobilidade urbana. No entanto, precisam de infraestruturas de carregamentos dedicadas, ou pelo menos adequadas e com vagas de estacionamento seguras. É estranho que a Comissão, ao mesmo tempo que promovia a transição para os veículos elétricos, não incluísse os veículos da categoria L no novo regulamento proposto para as infraestruturas de combustíveis alternativos. Contamos com o Parlamento e os Estados-Membros (o Conselho) para corrigir esta omissão. ”

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments