Definições: Saiba o significado da norma de emissões Euro 5

By on 28 Abril, 2022

Certamente já ouviu falar nas normas europeias de emissões, no Euro 5 que obrigou vários fabricantes a descontinuar modelos (alguns deles célebres) desde a sua entrada em vigor em janeiro de 2020… Mas sabe o significa, e o que mudou realmente no mundo das motos? Vamos tentar esclarecê-lo.

Embora as normas antipoluição tenham sido introduzidas em 1990 para veículos pesados ​​de mercadorias (norma Euro0) e em 1993 para automóveis (norma Euro1), só em 1999 a Euro1 foi aplicada a veículos de duas rodas. Em 2003 e depois em 2006, os regulamentos ficaram mais rígidos com a introdução sucessiva do Euro 2 e Euro 3. Uma rápida evolução que levou ao fim de muitos modelos e ao desaparecimento virtual do motor a 2 tempos .

A 1 de janeiro de 2016, a norma Euro 4 entrou oficialmente em vigor em todos os estados membros da União Europeia, mas beneficiou de um atraso na sua implementação. Assim, os fabricantes ainda puderam distribuir as suas motos Euro 3 ao longo do ano. Apenas quatro anos depois, foi a vez do Euro 5 submeter os veículos de duas rodas ao mesmo tratamento, com implementação da normativa a 1 de janeiro de 2020 e aplicação total em 2021.

Relativamente à aplicação da Euro 5, a normativa tornou-se obrigatória para todos os veículos motorizados de duas rodas homologados após 1 de janeiro de 2020 ou em 1 de janeiro de 2021 para os homologados anteriormente. Um atraso de 4 anos foi concedido para motos de offroad e trial, assim como para veículos utilitários de três rodas e quadriciclos leves até 2024.

Diminuição de poluentes

Evolução das emissões de monóxido de carbono e hidrocarbonetos e óxidos de nitrogénio até ao Euro 5

A norma Euro determina um máximo de emissões poluentes, desde monóxido de carbono até a descarga de hidrocarbonetos via óxidos de nitrogênio (NOx), mas também partículas finas (para Diesel). Estas emissões são medidas durante um ciclo de condução normalizado de 20 minutos, que mistura uma fase “cidade” seguida de uma fase “estrada” mais rápida com uma velocidade média global de 33 km/h. No entanto, a União Europeia validou a entrada em vigor de um novo método de teste para 1 de setembro de 2017 com um teste em condições reais. O objetivo deste teste é fornecer informações mais próximas da realidade, sabendo que determinados veículos que, de acordo com os testes padronizados, emitiram menos de 180 mg/km foram encontrados em uso atual excedendo esses limites em 4 a 5 vezes, às vezes perto de 1000 mg/km.

Hoje, a poluição também é “sonora” e o volume máximo emitido por cada moto também foi reduzido de acordo com a cilindrada do motor. Motos e scooters com menos de 80 cc devem respeitar um máximo de 75 dB, 80 – 175 cc um máximo de 77 dB e aqueles acima de 175 cc um máximo de 80 dB.

Ao mesmo tempo, os regulamentos também afetam a segurança passiva dos veículos, pois agora devem ser equipados com um sistema antibloqueio ABS ou sistema de travagem combinada CBS. Tal como no automóvel, existe também uma tomada ODB (On Board Data) para um diagnóstico eletrónico rápido do veículo.

O que mudou com o Euro 5

“Atrasado” em relação aos padrões antipoluição do automóvel que já está na Euro6, a Euro5 para motos e scooters vem compensar essas deficiências por forma a fixar-se num patamar semelhante aos veículos de quatro rodas.

Em comparação com o Euro 4, as emissões de monóxido de carbono vão de 1.140 mg/km a 1.000 mg/km, as de hidrocarbonetos de 170 mg/km a 100 mg/km, as emissões de óxido de nitrogénio de 70 a 60 mg/km. O limite para hidrocarbonetos não metano é fixado em 68 mg/km. Por fim, a Euro 5 também marca a introdução do critério de partículas finas (PM), até então ausente do processo. Este foi fixado num máximo de 4,5 mg/100 km. Acima de tudo, esses níveis devem agora ser garantidos durante toda a vida útil da moto.

A outra componente de desenvolvimento da norma europeia prende-se com a introdução gradual da tomada de diagnóstico OBD (On Board Diagnostic), permitindo identificar avarias e deterioração do sistema de controlo de emissões.

Os veículos elétricos de 2, 3 e 4 rodas foram considerados veículos de emissão muito baixa a partir de 2020

Consequências para os motociclistas

A primeira consequência visível é, obviamente, o desaparecimento de vários modelos das gamas dos importadores. No entanto, apenas as motos cujos baixos volumes de vendas não lhes permitem absorver o investimento na sua normalização, chegaram ao fim da sua comercialização. Por exemplo, a Honda retirou 10 motos e scooters dos 45 modelos que compunham sua gama durante a passagem do Euro4, a Yamaha perdeu a sport turismo FJR 1200 e Yamaha XTZ 1200 Superténéré, etc…

Um dos grandes receios dos compradores era que essas mudanças no regulamento de emissões impactassem o preço de venda das motos. Indiretamente, esse foi o caso, já que apenas as versões equipadas com ABS ainda são oferecidas. Apesar de tudo, nenhuma diferença de preço observada entre um modelo ABS Euro3 e sua versão Euro4 deve ser colocada no local da legislação. Por outro lado, os desenvolvimentos técnicos e a valorização do iene tiveram impacto neste ponto, e vão levar a aumentos de 300 a 500 euros para um bom número de fabricantes japoneses.

Por fim, essas regulamentações têm impacto diário para muitos utilizadores da moto em grandes cidades sujeitas a zonas de trânsito restrito.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments