KTM quase comprou a Ducati

By on 21 Março, 2021

O CEO da KTM, Stefan Pierer, e a dona da Ducati, a Audi, chegaram a entabular negociações para a venda da marca, segundo notícias de Itália.

Pierer enfatiza: “A compra da Ducati está fora de questão desde dezembro.”

Em 7 de dezembro de 2017, o presidente executivo da KTM, Stefan Pierer, fez manchete em todo o mundo numa entrevista quando anunciou pela primeira vez que estava interessado na aquisição da Ducati, que tinha sido comprada cinco anos antes pelo Grupo VW sob o comando de Ferdinand Piéch por cerca de 730 milhões de euros.

Dentro do Grupo VW, a Ducati foi então atribuída ao Grupo Audi, que também inclui a Lamborghini, como fabricante de motocicletas desportivas.

Stefan Pierer garantiu repetidamente que não construirá motocicletas com mais de dois cilindros com as suas marcas KTM, Husqvarna e GASGAS.

“Para oferecer um três cilindros, a Triumph teria de se juntar ao nosso grupo, que excluo, por muito que o meu parceiro indiano Bajaj se esforce por fazê-lo.”

Pierer continuava a deixar claro que as motos de quatro cilindros poderiam um dia tornar-se um assunto para a fábrica austríaca através da compra da Ducati. E enfatizou:

“A Ducati vai ficar sob pressão. Todos os novos desafios, como a digitalização e a mobilidade eletrónica, as novas normas de emissões, não podem ser ultrapassados por um fabricante tão pequeno como a Ducati a longo prazo.”

É por isso que Pierer, que com o seu grupo Pierer Mobility AG comprou a GASGAS na primavera de 2020, apontou repetidamente para a Ducati como uma possível aquisição.

Agora, tem sido noticiado em Itália que a Pierer Mobility AG está à beira de adquirir a Ducati Motor Holding e o departamento de corridas da Ducati Corse.

Mas Stefan Pierer negou todos os relatórios a esse respeito.

No entanto, confirmou que houve negociações.

“Falámos em novembro e dezembro de 2020. As famílias Piech e Porsche não vendem, nem a terceira geração. A vaidade também pode desempenhar um papel aqui!”

Herbert Diess, um austríaco que no passado era diretor-geral da BMW Motorrad e é um bom amigo de Pierer, quis vender as marcas Lamborghini e Ducati. Mas os proprietários proibiram.

“A compra da Ducati está fora de questão”, assegurou Pierer a seguir.

Esta decisão vale para sempre?

“Nunca digas nunca. Já aprendi isso na nossa indústria”, disse Pierer, cujo interesse por aquisições lucrativas se mantém.

A Ducati tem sido uma candidata para aquisição nos últimos dois ou três anos, uma vez que o fabricante de topo da indústria de motos não se enquadra verdadeiramente no portfólio da Volkswagen.

Pierer tem procurado, por isso, várias vezes o contacto com a VW e a Audi, a fim de um dia expandir o seu grupo de empresas com a joia Ducati. “A Ducati é o Ferrari da indústria de motos.”

A Pierer Mobility AG há muito que se tornou o maior fabricante de motocicletas da Europa. 2020 foi o décimo ano recorde em série.

Apesar da crise do Coronavírus, foram vendidas pelo Grupo 270.407 motocicletas, juntamente com quase 100.000 motos elétricas das marcas R-Raymon e Husqvarna. No total, a empresa fez vendas de 1.530 milhões de euros no ano anterior.

Stefan Pierer, que assumiu a fábrica da KTM após a falência em 1992 com 150 funcionários e vendas de 6.000 motociclos e emprega agora cerca de 5.000 funcionários, há muito que também comprou a WP Suspension (500 funcionários).

Em 2012 assumiu a Husqvarna da BMW. Enquanto a venda da Husky e da MV Agusta à BMW custou entre 50 e 100 milhões de euros, Pierer recebeu gratuitamente a clássica marca sueca. “Até conseguimos fazer dinheiro com a aquisição”, admitiu a dada altura.

Pierer é um homem com visão. Aumentou as vendas na Husqvarna de 6.000 para quase 50.000 em oito anos.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments