Mobilidade: Veículos que pode conduzir com carta de carro

By on 4 Maio, 2021

Com a carta de carro B pode desfrutar do conforto e praticidade de conduzir motos, scooters, triciclos e quadriciclos, embora com um limite de cilindrada e potência. Neste artigo explicamos os géneros de veículos que pode conduzir. 

Os tempos mudam e evoluem, e com eles, também a forma como nos deslocamos. A moto e a scooter sempre foram uma excelente ferramenta de mobilidade nas cidades, o veículo urbano por excelência, o veículo mais racional e prático, que com a chegada do Covid-19 passou a ser o melhor meio de transporte individual, também por razões sanitárias.

Se é um utilizador habitual do automóvel e quer entrar no mundo da moto, mas não tem a licença específica, pode fazê-lo diretamente sem passar pela escola novamente. Apenas tem que obedecer a alguns requisitos simples e ajustar-se a uma gama de motos. Especificamente, com a carta B e mais de três anos de experiência,pode conduzir motociclos da classe A1, scooters, triciclos e quadriciclos, que são os veículos destinados inicialmente a condutores de 16 anos.

Os veículos que se encaixam na Classe A1 e que pode conduzir com sua carta de carro são: 

  • Motociclos e scooters até 125 cc de cilindrada com um patamar de potência máxima até 11 kW (15 cv) e que não excedam uma relação potência/peso de 0,1 kW/kg.
  • Triciclos com mais de 125 cc de cilindrada aprovados na categoria L5e. Ou seja: com pedal de travão no eixo dianteiro e traseiro, travão de estacionamento, indicadores de direção na carroceria e largura do trem dianteiro igual ou inferior a 460 mm.
  • Quadriciclos, quadriciclos ou scooters de quatro rodas aprovados como quads.
  • Motociclos elétricos equivalentes às anteriores.

Os fabricantes de motos têm adaptado as suas gamas ao mercado, desde que essa regulamentação entrou em vigor. Em especial o segmento 125cc evoluiu para atender também um novo tipo de utilizador que pode entender a moto de forma diferente, cujas exigências e necessidades são diferentes, e ainda mais exigentes do que as do primeiro motociclista de 16 anos.

Um bom exemplo de tudo isso foi o surgimento dos triciclos, para muitos a scooter dos automobilistas que usufruem da segurança acrescida da roda dupla dianteira, que permite curvar de forma mais despreocupada, passar mais facilmente em buracos e travagens. Mas não só isso. A oferta de motos e scooters convencionais é hoje mais ampla e variada do que nunca, e não faltam modelos atraentes, refinados, capazes ou mesmo tão exclusivos quanto as motos e scooters de maior cilindrada. 

No entanto, a passagem do carro para a moto no momento atual, não deve ser apenas devido à atual situação de saúde e é aconselhável lembrar todas as vantagens intrínsecas que a moto implica e o seu uso. A agilidade nos percursos urbanos e a facilidade de estacionamento é certamente a primeira coisa que nos vem à mente. E com razão. Aqui não há discussão sobre as virtudes da moto em geral e da scooter (maior proteção e capacidade de carga, principalmente) em particular. A moto ou scooter garante que sempre chegue na hora, estacione facilmente no seu destino, e não contribua para a problemática formação de engarrafamentos.

Os engarrafamentos são uma fonte de poluição, fenómeno que está afetando a livre circulação nas grandes cidades. Motos e scooters, com menor consumo e tamanho e, consequentemente, otimizando os movimentos sobre elas, tornam-se os veículos térmicos mais verdes por natureza. São eco-compatíveis, muito mais que qualquer outro veículo motorizado. E além disso, já existe uma enorme oferta de scooters e motociclos elétricos de zero emissões. 

Consequentemente, o custo de usar uma moto ou scooter também é menor. E da mesma forma, o seu custo de manutenção também é mais reduzido. Da mesma forma, o seu menor custo de aquisição facilita a compra para um maior número de bolsos.

Dito isto, para o novo condutor que vem do automóvel e que quer fazer o caminho para a moto, é essencial que assimile o seu funcionamento, já que os controles da moto, acelerador e travão estão localizados nas mãos e não nos pés. Para melhorar e fortalecer a sua habilidade de condução, pode optar por fazer um curso de condução: em Portugal não existem muitos, mas existem. O passo seguinte seria mais fabricantes de motos os implementarem, como por exemplo há muito a Honda o faz com os cursos EPH. 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments