Moto Guzzi V7: Uma história de paixão e encanto intemporal

By on 5 Abril, 2021

Nasceu um pouco como a pequena neta da gloriosa série V7, ao longo dos anos cresceu, e ainda hoje é o porta-estandarte da empresa de Mandello Dell Lario. Acima de tudo, é uma V7 de pleno direito!

Desde o seu lançamento em 2008, a Moto Guzzi V7 subiu de forma constante nos gráficos de vendas em Itália. Com 1400 unidades vendidas, terminou o ano de 2020 em décimo lugar. E no primeiro trimestre de 2021 as vendas cresceram novamente, alcançando o 7º lugar entre os motociclos! Não é um mau resultado para uma clássica com um sabor retro, nascido em torno de um projecto que é tudo menos jovem.

A MODERNA V7 NASCEU COM O PEQUENO MOTOR DA MOTO GUZZI

Mas sejamos realistas. A atual V7 nasceu em torno do motor “pequeno bloco”, o pequeno cilindro duplo da Moto Guzzi, que tinha tudo menos performance. E para além de um design inteligente, que remetia para a desportiva V7 de tantos anos antes, tinha um equipamento bastante escasso.

No entanto, num mundo em que estamos sempre a falar de performances, a V7 atingiu o alvo com uns 49 cavalos de potência (a primeira versão tinha 48,8). Depois aumentou para 52 em 2012, com a V7 II, que em comparação com a primeira série foi renovada em ergonomia, qualidade de construção e acabamentos, e especialmente no motor. Na V7 II em particular, a sexta mudança, o sistema de travagem ABS e o Controlo de Tracção tinham chegado.

Assim, a V7 tornava-se aos poucos também o modelo emblemático da Moto Guzzi, que começou passava a ser oferecido em várias versões. Porque a par da referência à gloriosa tradição da Casa da Águia, a “V7ina” já estava pronta a andar sobre as suas próprias pernas. E assim nasceu a versão desportiva Cafe (em 2007), a Racer (2011), que em vez disso remete para os especiais dos anos setenta, a Stone (2014), aquela com alma negra, que une a agora tradicional Special e Racer. Uma tríade que também seria mantida em 2017, ano em que nasceria a V7 III. E não faltam as séries especiais limitadas: a Stornello de 2016 e a Aniversário do 50º aniversário da V7, em 2017.

UM V-TWIN NASCIDO PARA EQUIPAR O FIAT 500

E… falando de História, a marca Moto Guzzi tem permanecido forte em Itália e em todo o mundo. E a V7 é um marco do motociclismo.

Tudo começou no início dos anos 60, quando o engenheiro Giulio Cesare Carcano concebeu um motor V-twin para equipar uma versão desportiva do Fiat 500. Gostaram do motor, mas a Moto Guzzi não tinha a capacidade de produção necessária para a Fiat, e o acordo não foi cumprido. 

V50, a primeira equipada com o pequeno motor Guzzi

Pouco depois, porém, a empresa participou num concurso para o fornecimento de motociclos à Polícia de Trânsito: o vencedor foi a empresa que conseguiu demonstrar que percorreu 100.000 km com os custos de manutenção mais baixos. E a Guzzi ganhou. E em 1966 começou a produção da V7 com um motor de 703 cc e 40 cavalos de potência, destinado à Polícia e aos mercados estrangeiros. Em 1967 a moto foi também vendida em Itália e em breve, com a chegada de Lino Tonti à Guzzi, a cilindrada foi aumentada para 750 cc passando para uma potência de 45 cv. Também chegaram novas versões, incluindo a V7 Sport, com um motor de 52 cavalos de potência. A V7 Sport iria tornar-se uma moto lendária graças ao seu quadro irrepreensível, o que lhe trouxe bons resultados nas corridas de velocidade e resistência.

A primeira V7 Special do final dos Anos Sessenta tinha um motor com 40 CV

Em 1973, o V7 foi substituído pelo V 850 GT, com maior cilindrada e potência aumentada para 63 cv. A partir daí, a história dos grandes motores em V da Moto Guzzi continuou, passando a serem cada vez mais apreciados ao longo dos anos. E nos anos oitenta, juntaram-se a eles o primeiro pequeno motor, o do V35, V50 e V65. O mesmo motor que evoluiu ao longo dos anos, que conhecemos como o “pequeno bloco”, e que encontramos hoje na atual V7.

A V7 Sport, uma moto lendária

Hoje a história repete-se, e o V7 de 2021 também cresceu em cilindrada, atingindo 853 cc; mas sem alterar o seu nome. Também ganhou muita potência em relação à Série III anterior: tem agora 65 cavalos de potência. E não importa se são apenas mais 2 do que a V 850 GT de 1973. O V7 é belo e apreciado pela sua personalidade, o seu estilo, o som dos dois cilindros de duas válvulas com hastes e balancins únicos. Pelo seu comportamento amigável e pela capacidade do fabricante italiano de combinar o design clássico com a modernidade ao toque certo da electrónica, começando pelo controlo da tracção e terminando com a instrumentação completamente digital, incluindo a iluminação LED que assume a forma da águia nas luzes diurnas dianteiras.

É por isso que o V7, cinquenta anos depois, ainda continua como o grande ícone dos fãs da Guzzi.

A V7 Racer, uma elaboração desportiva inspirada nos Anos Setenta

A gama atual

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments