Poderá a Honda CBR 600 RR voltar à linha de produção?

By on 23 Julho, 2020

O ÚLTIMO MODELO A DESPEDIR-SE DA CATEGORIA SUPERSPORT, A HONDA CBR 600 R-RR EM 2019, PODE VOLTAR EM 2021… COM O ESTILO DA FIREBLADE 1000, MAS PARA UM REGRESSO DE CURTA DURAÇÃO.

O mundo está em mudança e as supersport de 600 cm3 não foram excepção. Atualmente, quase todos os fabricantes deixaram o segmento das Supersport 600 para trás, e hoje, a Kawasaki ZX-6R, Yamaha YZF-R6 e MV Agusta F3 675 são as únicas ‘sobreviventes’ da espécie.

Em 2011 no apogeu das 600 Supersport o que não faltavam eram novas propostas neste segmento, e os “4 Samurais’ japoneses batiam-se por um lugar ao sol

O esvaziamento de um segmento de mercado outrora rico em propostas, foi originado por uma questão de rentabilidade. O desenvolvimento de uma moto desportiva de 600cc acarreta  um custo de desenvolvimento semelhante ao de uma desportiva de 1000cc, mas tem de ter um preço mais em conta, somando-se a isto a baixa procura que aconteceu ao longo dos últimos anos.

O último modelo a despedir-se, a Honda CBR 600 R-RR pode muito bem fazer um regresso final em 2021, e novas fontes têm vindo a sugerir, desde o início do ano, que um regresso está iminente.

Segundo a Cycle World, a nova CBR 600 R-RR náo será um modelo realmente novo, mas sim  apenas uma evolução da última CBR600RR, e devido ao custo oneroso de desenvolvimento, pode também ser a última da saga.

A mais recente geração da Honda CBR 1000 RR-R Fireblade pode inspirar o design da CBR 600 RR de 2021

Em termos de desenvolvimento, devemos esperar um redesenho estético inspirado na nova Fireblade CBR1000RR-R, com uma carenagem revista na aerodinâmica, mas também um desenvolvimento da electrónica com uma nova unidade inercial IMU que permita a utilização de sistemas de assistência mais desenvolvidos, como o ABS em curva.

Quanto ao motor de quatro cilindros, uma vez que terá de cumprir a norma Euro5, este  deverá fornecer não mais que 115 cavalos de potência! É pouca potência… pois é, mas é o que a normativa ambiental vai em principio permitir… não mais. Será pois um regresso nostálgico, para os seus antigos apreciadores das 600 cm3.

Para quando o lançamento?

Primeira questão, o lançamento. Todas as fontes concordam em confirmar uma vindima de 2021 com uma apresentação este Outono. Esta última deveria ter ocorrido durante o Grande Prémio da Tailândia, mas o evento de MotoGP, que tinha sido adiado para Outubro, foi entretanto suspenso. Tal como muitas outras motos novas de 2021, é provável que também a nova CBR ‘seiscentos’ se converta em mais uma apresentação via online, pela Internet.

Estilo inspirado na Fireblade

Estilo: a principal mudança visual para a moto 2021 é considerada uma nova carenagem que espelha os desenvolvimentos feitos na nova superbike CBR1000RR-R. Isso sugere que podemos esperar algumas aerodinâmicas geradoras de downforce e faróis menores em ambos os lados da entrada central de ar.

A CBR menor será instantaneamente reconhecível, porém, pois manterá o layout de escape do modelo atual. A estrutura da moto e a suspensão traseira foram projetadas com esse layout em mente, e como acredita-se que essas principais peças mecânicas estejam sendo transportadas para o modelo 2021, faz pouco sentido mover-se para um design de escape de barriga ou lateral.

A última CBR600RR?

Embora as melhorias nas emissões dêem à CBR600RR mais alguns anos de vida em alguns mercados, esses refinamentos não são de todo apropriados para a trazer de volta ao mercado europeu, já que a Honda não pode fazer o motor — que, juntamente com o chassis, remonta ao ano modelo 2007— cumprir as regras de emissões do Euro 5 sem aumentar consideravelmente os custos. Porquê? Porque essas mudanças custam muito dinheiro!

As 600 Supersport em vias de extinção

As Supersport 600 atravessam dias difíceis! As regras de emissões Euro 5 são particularmente difíceis para motores pequenos, de alta rotação e de alto desempenho para atender sem a adição de tecnologia cara. A atual CBR600RR, juntamente com a GSX-R600 da Suzuki, desapareceu do mercado europeu em 2018, incapaz de atender aos regulamentos da Euro 4, deixando a ZX-6R da Kawasaki e a YZF-R6 da Yamaha como os principais modelos supersport 600 em comercialização.

O custo de projetar e fabricar uma nova CBR 600RR que seja capaz de atender às mais recentes regras de emissões, aliadas à redução nas vendas, significa que essa moto, simplesmente já não é rentável. E por isso, até a publicação japonesa Young Machine diz que esta CBR 600 RR 2021, provavelmente será a última a carregar um nome que já foi célebre nas motos de média capacidade no campo desportivo: CBR.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments