Contacto BMW R18 B e R 18 Transcontinental – Cruisers germânicas com sotaque americano

By on 8 Setembro, 2021

A família R18 está agora mais completa. A BMW pisca o olho ao outro lado do Atlântico e entrega um espírito cruiser americano com uma forte personalidade germânica. O enorme Boxer de 1800cc continua a ser a peça central, e o sistema de entretenimento e conforto a bordo, passam para outro nível. Fomos a Frankfurt conhecer melhor a R 18 B e a R 18 Transcontinental, na tentativa de ouvir o Boss cantar “Born in Berlin”…

Por Pedro Alpiarça

Nas estradas rurais dos arredores de Frankfurt, embalado pelo som do Rock que sai das colunas Marshall (com 280 W: 2 colunas e 2 subwoofers com amplificador – mais 2 no banco do pendura da Transcontinental), dou por mim a ter uma epifania. Se há uns dias estava em cima de uma Harley que ambiciona competir com a GS, agora rolava épicamente numa BMW que pisca o olho aos clientes das grandes cruisers americanas. Mas há algo mais nesta história. Não é pela gigantesca carenagem frontal, pelas malas laterais (26,5 L de capacidade com colunas integradas, fecho central), pela profusão de cromados, pelo constante desafio em não exagerar no ângulo em curva.

Há aqui mais que uma intenção. A BMW assume a descendência da sua R18 num passado ligado ao seu maior trunfo. O maravilhoso “Big Boxer” (1800cc, debitando 91 cv @ 4750 rpm ; 158 Nm @ 3000 rpm) continua a ser a peça central que une toda a experiência. Vibrante, cheio de carácter e capaz de nos pôr a sorrir a cada movimento do punho direito, a subida de rotação não transforma os 398 Kg (são 427 Kg na Transcontinental) desta Bagger numa desportiva, mas a maneira como ganha ímpeto é decidida e cheia de atitude. Há prazer nesta experiência, há espaço e tempo para nos sentirmos envolvidos. Sem pensarmos na velocidade, o espírito é outro, o menor ângulo de direcção e consequente menor distância entre eixos (comparativamente à R18), prometiam o milagre de um melhor comportamento dinâmico.

Rolámos única e exclusivamente com a R18 B, que se diferencia da Transcontinental pela obvia ausência do enorme e confortável banco do pendura com bagageira, pelo vidro deflector mais curto no topo da carenagem frontal, pelo acabamento mate do motor e pelo assento mais baixo (720mm na B e 740mm na Transcontinental. Uma máquina mais virada para os passeios a solo, carregada de estilo e personalidade própria. Uma Bagger com alma alemã.

BMW R 18 B, IPV Frankfurt

Ambas apresentam o mesmo cockpit com 4 mostradores analógicos, indicador de nível de combustível, Velocímetro e Conta-rotações e um muito divertido indicador de reserva de potência, para termos sempre noção do quanto podemos puxar pela máquina. No muito bem desenhado TFT ( 10,25”, nascido na RT) encontramos navegação por mapas, acesso ao sistema multimédia e muita classe, com a qualidade do interface BMW, se bem que gostaríamos de uns comutadores dedicados apenas à reprodução de música, para não sobrecarregar o uso da roda multicontroller. No depósito (24 L) temos um compartimento ventilado para albergar e carregar o telemóvel, o coração que dá vida ao sistema.

Na Transcontinental, existem pormenores que elevam a qualidade de vida a bordo, os deflectores de vento, as protecções de motor com possibilidade de termos uma plataforma para descansarmos os pés em cima das cabeças dos cilindros, faróis LED adicionais e uma maior profusão de cromados. A verdadeira poltrona (com aquecimento de série, 47 L de capacidade de bagagem com colunas integradas) para o passageiro é a peça que mais se destaca, e ficamos com vontade de fazer um review à Transcontinental só na perspectiva do pendura, tal não é a sumptuosidade da imagem.

Passámos um dia inteiro no modo Rock (3 Modos de condução: Rain, Roll e Rock. ASC – controlo automático de estabilidade, MSR – Controlo de Binário e ABS com travagem combinada como ajudas electrónicas de série), sempre de olho no guia que teimava em soltar faíscas dos patins em cada curva, gostámos do comportamento das suspensões, do bom funcionamento da travagem combinada que faz com abusemos do uso do pedal traseiro, e a mais valia do cruise control adaptativo levou-nos de volta ao hotel, ainda de dia. Infelizmente não chegámos a testar a eficácia do novo farol adaptativo (como extra, assim como a Marcha-atrás assistida, o Cruise Control Adaptativo e o Hill Control), mais um motivo para repetirmos a experiência!

O pin-striping do depósito e das malas são próprias desta First Edition e as cores Verde Manhattan e Galaxy Dust mudam por completo a silhueta destas cruisers, e as opções de personalização são infindáveis (sobretudo com as bonitas peças maquinadas da opção 719).

A R18 B e a R18 Transcontinental já estão disponíveis nos concessionários BMW. Desde 29 357 € (R18 B) e 29 957 € (R18 Transcontinental). Coma um hambúrguer e ouça Bruce Springsteen antes de as conhecer…porque é esse o espírito.

 

Ficha Técnica: 

Motor

tipo de motorMotor Boxer de dois cilindros, a quatro tempos, refrigerado a ar/óleo, com duas árvores de cames acionadas por corrente situadas sobre a cambota
Cilindrada1802 cm3
Potência67 kW (91 cv) @ 4750 rpm
Binário158 Nm @ 3000 rpm
TransmissãoSeis velocidades com veio de sincronização separada do bloco do motor; final por cardan

Ciclística

QuadroQuadro tubular duplo em aço com tirantes de sustentação aparafusados
Suspensão Dianteira / TraseiraForquilha telescópica / Braço oscilante em aço com amortecedor central
Travagem Dianteira / TraseiraDois discos, diâmetro 300 mm, pinça fixa de quatro êmbolos / Disco simples, diâmetro 300 mm, pinça fixa de quatro êmbolos
Pneus120/70 R19 ; 180/65 B16

Dimensões e Preço

Altura do assento720 mm (B) ; 740mm (Transcontinental)
Distância entre eixos1695 mm
Capacidade do Depósito24 L
Peso398 Kg (B) ; 427 Kg (Transcontinental)
PreçoDesde : 29 357 € (B) ; 29 957 € (Transcontinental)

 

Cores Disponíveis:

 

Galeria: 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments